Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2009

O meu amigo Eduardo – isto não é troca de galhardetes hipócritas: eu sou mesmo amigo do Eduardo e tenho muito orgulho na amizade dele – sabe que não existe uma dada teoria. Pronto, assim sendo não existe. Se ele diz...

É, pelos vistos, a minha imaginação que me faz ler artigos onde só se encontram insultos e processos de intenção. É também a minha imaginação – prodigiosa, se me permites – que me faz ler gente que acha que o facto de se interpor um processo por  difamação ou injúria - aproveitando o teu exemplo -  é um atentado à liberdade de expressão. Foi também esta fantástica cabecinha que inventou que basta um cidadão dizer o que quer que seja contra o governo ou outra entidade qualquer e que tudo o que lhe acontece é culpa duma terrível conspiração. 

Também sou eu – porra, sou mesmo esperto – que inventei que há gente que pensa que não tem acesso aos media porque são livres pensadores.

 

Mas pronto, segundo o Eduardo, isto não chega para se dizer que existe uma teoria. Até podíamos iniciar uma discussão para ficarmos a saber o que será que suporta uma teoria.

Mas, se calhar, o meu problema é mesmo linguístico. É que o Eduardo em vez de lhe chamar teoria propõe um termo, esse sim, correctíssimo: Percepção geral das coisas. Obrigado, caro amigo. Não gostas da “teoria”, chama-lhe “Percepção geral das coisas”.

O Eduardo sabe, de verdade verdadeira, que a minha teoria não existe mas conhece a “Percepção geral das coisas”. E donde é que ele conhece este bicho? Dos cafés, do trabalho, da redacção de jornais.

Imagina, Eduardo, que para te responder, eu dizia que a minha teoria vinha dumas conversetas de café, dumas bocas de chaffeurs de carro de praça ou duns comentários que ouvi no jornal? Não tenho qualquer dúvida que ficarias satisfeito. Não é esta a forma que encontras para sustentar a “Percepção geral das coisas” que tudo sustenta? Imagina - longe de mim - afirmar que fostes tu que inventaste a “Percepção geral das coisas”? Ou será que a tua é melhor que a minha?

 

Abraço

 

P.S. para que saibas: considera o título do teu post roubado. Pago-te um jantar de direitos de autor quando o utilizar.



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:15 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds