Domingo, 31 de Maio de 2009

A cada dia cresce o clima de difamação, injúria e insinuação.
Este ambiente que vem crescendo com o beneplácito dos moralistas de serviço está a transformar o nosso país num local em que a honra pode ser destruída por um post de um qualquer ressabiado, a dignidade está nas mãos de um jornalista mal intencionado ou simplesmente ignorante e a reputação pode ser posta em causa por  quem quer que tenha acesso a um microfone ou câmara. Vale tudo.



publicado por Pedro Marques Lopes às 23:53 | link do post | comentar

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:03 | link do post

Sábado, 30 de Maio de 2009

Querida vamos construir um lar

Mesmo que o teu pai me queira matar

Querida vamos construir um lar

 

Querida vamos constituir família

Mesmo que não haja dinheiro para a mobília

Querida vamos constituir família

 

Querida vamos contrair matrimónio

Mesmo que te digam que sou o demónio

Querida vamos contrair matrimónio



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:17 | link do post

Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

O prof. Vital Moreira fez mais pelo PSD em duas semanas que a direcção dos social-democratas num ano.
A escolha de Sócrates que parecia apenas um pequeno erro político transformou-se num pesadelo para os socialistas.



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:35 | link do post | comentar

Há gente irresponsável que opta por não votar. É coerente. Há gente com responsabilidade pública que não só não vota, como apela à abstenção. Estas pessoas, entre eles alguns opinadores, desprezam o voto. Têm-lhe uma raiva incontida, dão-lhe um significado diminuto. São, por outras palavras, uns ingratos de merda.

Poucos portugueses lutaram para que muitos pudessem votar um dia. O mínimo que estes milhões poderiam fazer era honrar essa conquista. Infelizmente não o fazem. Depois não se queixem.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:38 | link do post

Conferência Internacional

IPRI-UNL

 

The US, Europe and Asia: From a Transatlantic towards a Transpacific System?

 

3 Junho

Museu do Oriente

(info)

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:02 | link do post

 

 

Não há melhor forma de pôr toda a gente a dizer disparates do que um qualquer desacato num bairro social dito problemático. A ausência de um discurso estruturado e pensado sobre políticas de combate à pobreza e ao crime é, infelizmente, uma constante na sociedade portuguesa.

Não se pode falar no desemprego e nas condições sociais como fonte, também, de problemas ligados ao crime porque estamos a desresponsabilizar o cidadão e estamos logo ali a exibir derivas de esquerda. Não se pode pedir firmeza às forças de segurança, pois estamos a ter um discurso securitário e somos uns perigosos direitistas. Entre o discurso da esmolinha e do cassetete - de alguma direita - contra qualquer - e a paixão "contextualizadora" de alguma esquerda, vamos encharcando estes problemas de ideologia desnecessária.

 

DN de ontem.



publicado por Pedro Marques Lopes às 10:07 |
editado por Bernardo Pires de Lima em 28/05/2009 às 17:16link do post

Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

Recentemente, num jantar em Estrasburgo, apercebemo-nos, incrédulos como os comensais dos países bálticos, integrados ainda na União Soviética, tinham percorrido menos quilómetros para ali chegar do que nós. Ficámos a hesitar entre saber se é a Europa que se está a estreitar ou se é a aproximação do Leste que nos distancia de novo.

Em qualquer caso, a distância é um custo e uma separação psicológica que explica, aliás, o soberano isolamento com que algumas vezes desafiámos o mundo. No início do Programa Erasmus, os estudantes portugueses eram os que aproveitavam menos e, em parte, porque sentiam ainda a deslocação para outros países europeus como "emigração". E, no entanto, tratava-se só de frequentar um curso semestral ou anual lá fora.

 

Francisco Lucas Pires, in "O Que é a Europa", 1994.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:34 | link do post

Apesar disto, julgo que não valerá muito a pena ruminar um processo negocial que durou quase uma década e que vale, sobretudo, pensar em termos de futuro. A verdade é que a Europa não nos irá ser dada. A verdade é que não será apenas mais um "facto político". E seria uma vergonha que nos contentássemos na Europa em ser um "país assistido", condição em que não seríamos aliás capazes de desempenhar qualquer das funções políticas autónomas que ainda nos podem caber.

 

Francisco Lucas Pires, in "Democracia e Liberdade", Julho/Agosto/Setembro 1985.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:22 | link do post

Para além da questão mais geral da "transferência" ou "partilha" da soberania numa futura Europa federal, um dos aspectos mais descurados no processo de integração é o dos seus efeitos sobre o nosso sistema político e constitucional. [...]

 

Tem, por exemplo, inevitáveis consequências o Governo e o Presidente da República serem, respectivamente, os órgãos de soberania com mais e com menos competências em matéria de integração. O Governo é mesmo parte do órgão mais importante da CEE, o Conselho Europeu, o Presidente da República, ao invés, não só não participa de qualquer mecanismo de decisão comunitária, como não tem, também ao contrário do Governo, qualquer competência de execução ou transposição interna das directivas e outras decisões comunitárias. O Primeiro-ministro, por sua vez, tem ocasião de ombrear, não apenas com outros chefes de Governo, mas com outros Chefes de Estado, sempre que têm lugar as, cada vez mais frequentes e importantes, cimeiras dos Doze.

 

Francisco Lucas Pires, in "Expresso", Dezembro 1990.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:09 | link do post

[...] A Europa não será um Estado federal, porque não há um povo europeu, não há um território europeu. Mas aceito a palavra "federar" porque a Europa é muito uma federação cooperativa. Assim como os pequenos e médios empresários têm que se unir para maximizar recursos, também os pequenos e médios países, que são todos os países europeus, têm que se unir para se maximizarem.

 

Expresso - Só que alguns desses médios países, na realidade, são demasiado grandes e fortes para haver equilíbrio entre todos.

 

Lucas Pires - A Comunidade é a única forma de reduzir o excesso de poder desses países em relação aos pequenos. Quando havia guerra na Europa, os pequenos países não valiam nada. Quanto mais de direito for uma comunidade, mais protege os pequenos, quanto mais política for mais eles terão uma voz. Por outras palavras, a única forma de dissolver o poder económico dos alemães é a únião política, a única forma de dissolver os próprios extremos irracionais da soberania é a democratização das relações entre os países da Comunidade.

 

Francisco Lucas Pires, in "Expresso", Junho 1994.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:15 | link do post

A verdade é que, se como disse um dia um dos meus mestres (Raymond Aron), Marx e Tocqueville foram as duas grandes apostas de futuro do séc. XIX, e hoje já está à vista que foi Tocqueville quem ganhou, a verdade é que se Tocqueville viesse visitar a Comunidade Europeia como um dia visitou os Estados Unidos ainda não poderia escrever "a democracia na Europa" como um dia escreveu "a democracia na América"...

 

Francisco Lucas Pires, in "A Europa após Maastricht", 1992



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:55 | link do post | comentar

Hoje abrimos uma excepção. É uma homenagem a um grande português. Um grande português na Europa. Ele chama-se Francisco Lucas Pires e dispensa apresentações.

Todos os textos aqui transcritos estão compilados em "Revolução Europeia", uma antologia editada em Outubro de 2008. Agradeço à Milái, irmã de Francisco Lucas Pires, a simpática oferta deste livro.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:50 | link do post

Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

É Marinho Pinto, Marinho e Pinto ou Marinho & Pinto?



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:19 | link do post

Parece que o Dr. Vital defende um imposto europeu. O tema não é novo. Já Mário Soares o defendeu em tempos idos, e Jorge Sampaio fez questão de ir pelo mesmo caminho. Portanto, há todo um roteiro socialista pela asfixia fiscal. Não sei quem aconselhou o Dr. Vital sobre esta matéria, mas o tema abre uma frente nova para as oposições. Vamos ver se a aproveitam.  



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:19 | link do post

Haverá um direito à não opinião? Às vezes perguntam-me o que acho sobre isto e aquilo. Eu respondo normalmente o mesmo: "não acho nada. Se me der pelo menos seis meses para formular uma opinião depois dou-lha. É que hoje não tenho nada a acrescentar de interessante ao tema".



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:13 | link do post

Terça-feira, 26 de Maio de 2009

Lembro-me bem quando o Dr. Cavaco andava em campanha eleitoral para chefe de governo e as ruas eram inundadas de propaganda laranja. Nessa altura havia até uns autocolantes por todo o lado com a cara do actual presidente. Na altura, o país devia ter muito, mas muito dinheiro, para estas práticas. Hoje, o Dr. Cavaco apela à contenção na campanha. Podia ter apelado à mesma quando no país entravam milhões por dia. Não o fez. Agora acho que já não o levo a sério.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:17 | link do post

Segunda-feira, 25 de Maio de 2009

 

Sou insuspeito quanto a afectos rossoneri, até porque a última vez que vi um jogo ao vivo em Itália, o Milan espetou quatro à minha Roma, no Olímpico, na final da Coppa 2002-2003. 

Mas Maldini é mais do que o Milan. Paolo Maldini é aquilo que mais gosto num jogador: raça, amor à camisola, recusa em sair por uns milhões de libras, respeito pelos adversários, sangue, suor e lágrimas em todos os campos. A única vez que me lembro de ter Maldini como ídolo foi quando o Milan ganhou ao Benfica na final da Taça dos Campeões, com golo do Rijkaard. Tinha o seu cromo em todos os meus cadernos da escola.

Ontem o que se viu em San Siro foi triste. Não apenas pela despedida de Don Paolo depois de 25 épocas consecutivas a titular, mas pelo que a curva sul lhe fez. É também por isso que "o meu coração só tem uma cor": o giallorosso. Em Itália, claro.  



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:06 | link do post

 

Ontem, em San Siro.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:03 | link do post

É tão engraçado ver Sócrates ao lado de Zapatero a jurar amor eterno aos valores de esquerda e à necessidade de os implementar na Europa e depois recordar que apoia Durão Barroso.
Pois, pois, diz que são eleições europeias.

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:59 | link do post | comentar

O legado que recebe Obama não é de facto famoso, mas alguns dos problemas internacionais existiam antes, continuaram com e manter-se-ão depois de Bush. A questão nuclear da Coreia do Norte é uma delas. O que Obama mostra em dois meses é uma certa desorientação em lidar com esta "ameaça", como ele bem a descreveu. E é, sobretudo, uma ameaça para o Japão e Coreia do Sul, (os dois maiores aliados dos EUA na região), o que gerará, eventualmente uma escalada ao armamento nuclear regional. Não vale a pena negar esta hipótese. Quando Obama diz que é preciso uma acção da comunidade internacional para resolver este caso, reconhece duas coisas simples: primeiro, que já foram esgotadas todas as soluções sem grandes resultados (sanções, negociações a seis, negociações directas, isolamento), embora nunca um ataque directo e cirúrgico às instalações nucleares; segundo, que a "comunidade internacional" afinal se chama China. E só ela pode resolver isto. Custa, mas é a verdade.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:02 | link do post

Domingo, 24 de Maio de 2009

Uma das actividades paralelas na política portuguesa que mais me intriga é a da ronda pelos comentários partidários. Já repararam de certeza que por cada declaração, por exemplo, do dr. Cavaco, todos os partidos se pronunciam em fila indiana sobre as ditas palavras, sejam elas num green de golf, à entrada da Mesquita Azul, ou a bordo do avião ao lado da dra. Maria.

No caso concreto das declarações vindas de Belém, existem três tipos de comentários nessa ronda partidária. Os que estão contra, mas dizem-no de forma suave, só apertando o cerco mais em cima de eleições; os que estando contra conseguem fazer-nos crer que concordam com as declarações ou com certa acção política (o veto, por exemplo); e os que estão invariavelmente a favor por uma questão de cumplicidade política. Neste último caso, o feitiço vira-se contra o feiticeiro, uma vez que não havendo margem para demarcações, também não há folga para depois recusar o ideia de que essa oposição é frágil e precisa de Belém para sobressair. A minha sugestão é muito simples: acabe-se com as rondas pelas reacções dos partidos. Quem quiser pronunciar-se sabe muito bem como, quando e onde o fazer.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:43 | link do post

De quando em vez, um certo tipo de jornalismo moralista, vem a jogo dizer o que os políticos e os portugueses em geral devem ou não fazer. Por exemplo, devem discutir a "Europa" e não "Portugal". Ou devem falar dos poderes do Parlamento Europeu e deixar-se de guerras partidárias. Por quê? Porque já todos estamos fartos delas e o que queremos é toda uma comunhão entre pares, abraços prolongados de amizade entre políticos e ausência de confronto. Ou seja, tudo menos política, essa grande porca.

Eu gosto sempre deste tipo de moral aplicada aos outros. Pena é que este jornalismo se esqueça, no resto do ano e nos períodos entre as eleições, de fazer o que ardentemente deseja que os outros façam. Pena é que esgotem alguns editoriais a vangloriar artigos e opiniões que estão nas páginas seguintes e se esqueçam, por exemplo, de dedicar algumas linhas ao que os partidos fazem de bom em Portugal. A não ser que nada se aproveite e que tudo o que lá anda seja uma corja de aldrabões e corruptos. Nesse caso entramos no dominio do universo taxista. O jornalismo ficará para outra altura.

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:21 | link do post

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:52 | link do post

Sexta-feira, 22 de Maio de 2009

A sad fact widely known
The most impassionate song
To a lonely soul
Is so easily outgrown

But don't forget the songs
That made you smile
And the songs that made you cry
When you lay in awe
On the bedroom floor
And said : "Oh, oh, smother me Mother..."



publicado por Pedro Marques Lopes às 20:02 | link do post | comentar

 

Não concordo com o que o Vasco Pulido Valente escreve em muitas ocasiões. Acho até que quando escreve sobre assuntos internacionais a escrita foge-lhe sempre para o olhar de historiador e menos para o de analista político (não tenho nada contra historiadores, calma!). Talvez seja por isso que o vejo falhar normalmente nos alvos. Gosto quase sempre quando escreve sobre política nacional. Não gosto de o ver e ouvir na televisão. Das poucas vezes que compro o Público é para o ler. Agora que penso nisto, acho que só compro o Público por causa dele. A apresentação do livro é já no próximo dia 2 de Junho. 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:27 | link do post

Parece-me claro que Paulo Rangel é um candidato corajoso. Tão corajoso que não tem problemas em afirmar-se federalista e, num recente questionário à Lusa, de propor o federalismo como bandeira do actual PSD. Eu não sei se o PSD se revê nesta linha. Não é isso que me interessa abordar. O que me parece relevante é que Paulo Rangel não se distingue da tradição soarista do PS sobre esta matéria e voltou a trazer um tema ao debate que os próprio europeus tinham posto na prateleira com o chumbo do tratado constitucional em França e Holanda. Sem ninguém lhe pedir, Paulo Rangel acabou de abrir uma frente à direita.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:08 | link do post

Quinta-feira, 21 de Maio de 2009

Eu queria mesmo era falar sobre as coisas boas do Brasil. E de como é bom ver tudo pela TV. Mas meu tempo acabou.

 
Arrivederci.
 
Bruno Garschagen


publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:33 | link do post

 

Duas personagens históricas abriram o Brasil ao mundo: em 1808, D. João VI abriu os portos do país; em 1990, Fernando Collor de Melo, fez a segunda abertura dos portos.
 
Resultados?
 
D. João VI, cujo filho, D. Pedro I, declarou a independência do país, só reconheceu a independência após um tratado de reconhecimento no qual o Brasil assumia dívidas de Portugal (coisa pouca: 2 milhões e meio de libras esterlinas).
 
Collor, o primeiro presidente eleito por voto direto (em 1989) após o governo militar inaugurado em 1964, foi chutado da presidência num processo de impeachment por denúncias de corrupção e tráfico de influência.
 
Bruno Garschagen


publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:12 | link do post

 

Saudosismo é doença. Não sou saudosista. Sempre tendo a achar que vivo melhor agora do que antes. De facto, vivo melhor agora do que antes. Jorge Luís Borges estava certo: era um conservador na medida em que queria conservar as coisas boas e descartar as ruins. O Rio poderia ter conservado as coisas boas. Mas nem todas as coisas boas resistem ao tempo. São perecíveis como o leite. Não voltaria no tempo, se pudesse. Queria o Rio pulsante, mas como está agora: sem falta de água, sem falta de energia elétrica, com telefones funcionando e uísque de boa origem a preço razoável.
 

Nos anos de 1950, um tio meu tinha que esperar duas horas para que a central telefônica pudesse completar uma ligação para Cachoeiro de Itapemirim, cidadezinha no sul do estado do Espírito Santo. E para conseguir uísque, Deus do céu, o sujeito tinha que ter um contrabandista pessoal e gastar uma fortuna. Até o início de 1990 o brasileiro que gostava de uísque tinha que ter um contrabandista de confiança.

 

Bruno Garschagen



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:30 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds