Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

 

Ainda não percebi bem o súbito interesse dos media nacionais pelas Honduras. Não há por aí assuntos mais interessantes e com implicações mais graves por esse mundo fora? Assim de repente lembro-me da encruzilhada afegã e das centrais nucleares no Irão. Eu sei, já cansa falar disto. É sempre bom variar. Ainda por cima mete homens com chapéus de cowboy e malta meio exótica. Tipo Sinhozinho Malta.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:21 | link do post

Esta espécie de passeata das américas lembra aquelas histórias de época: os homens ficam a fumar charuto na sala e as mulheres dedicam-se aos bordados.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:08 | link do post

As crónicas sobre memórias são sempre sobre solidão; um envio de um SOS ao mundo (obrigadinho senhor Sting); uma conversa entre velhos amigos que a vida separou; entre amigos que o seriam se o espaço ou as circunstâncias os tivesse juntado.  

Dizemos frases, contamos episódios, descrevemos experiências, na esperança, consciente ou inconsciente, de sentir um suspiro nostálgico do nosso ouvinte, um sussurro de “eh pá, pois foi”, uma palmada nas costas de “não me digas que também lá estiveste”, um abraço silencioso sentido e lacrimejante.

Não sei se ao remexermos nas nossas memórias buscamos algo que nos aproxime dos outros ou se andamos à procura de nós próprios. Sentimo-nos simplesmente perdidos ou muito sós.

 

Fifticomanóin, fifticomafunft, numa mensagem via computador, transforma-se numa pontezinha para uma memória comum. Patinagem artística. Manhãs, tardes e noites passadas a ver uns tipos e tipas vestidos de fatos de lantejoulas colados ao corpo a deslizar no gelo. Não me lembro dum único nome dos artistas, da designação de um passo, de uma dança gloriosa ou fracassada.

Vejo, vagamente, na minha memória, quedas e saltos; uns miúdos arquejantes e ansiosos sentados, acompanhados pelos, imagino, seus treinadores esperando as sentenças dos juízes da competição.

Fifticomanóin, fifticomafunft, isso ouço, ainda hoje, claramente na minha cabeça. Vinte ou trinta anos depois, o ritmo sincopado das notas  técnicas e artísticas leva-me para outro tempo. Só meu, julgava eu. 

A passagem do tempo foi-me convencendo que as memórias eram só minhas ou que só eu era o nobre guardião dum património que os outros tinham deitado fora.

 

Os biliões de zeros e uns, necessários àquela transmissão cibernética, transformaram-se num ténue laço que durante alguns minutos nos fazem sentir parte de um passado comum. De um mundo, se calhar, melhor que era o nosso, quando as coisas eram mais simples, a implicação do que dizíamos ou defendíamos só a nós diziam respeito, quando nem percepcionávamos um mundo longe das bandas que idolatrávamos, das roupas que nos definiam, dos valores absolutos que não discutíamos mas utilizávamos na definitiva luta contra um inimigo real ou imaginário.

 

Aquelas palavras foram a prova de que há momentos que podem estar perdidos no tempo mas não estão perdidos na nossa memória e que é esta, no fundo, que nos salva da solidão e do desencanto. 

Fifticomanóin, fifticomafunft.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:52 | link do post | comentar

Hoje mesmo está a decorrer uma votação para se decidir se se devem permitir ou não minaretes nas mesquitas suíças. Entretanto, em Portugal, um conjunto de cidadãos está a tentar promover um referendo sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A questão dos referendos no nosso país está longe de se aproximar da dimensão que atingiu na Suíça. A bem da verdade, ainda não tivemos nenhum político de dimensão nacional - com a excepção de Santana Lopes durante a campanha para a Câmara de Lisboa, que defendia vários para Lisboa - a seguir o exemplo de David Cameron, que ameaça, se ganhar as eleições, encher o Reino Unido de referendos.

 

DN de ontem



publicado por Pedro Marques Lopes às 16:16 | link do post | comentar

 

A Neo-Ottomanism: entrevista ao conselheiro para a política externa do Primeiro ministro turco, Erdogan.

 

The Turkish Puzzle, do Ricardo Borges de Castro.

 

The Political Internet, de Yussef Al-Dini.

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:41 | link do post

Olha, aquele programa com o Medina Carreira. Ao menos poupavam-me à hora de almoço, não?



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:07 | link do post

Ainda não há conclusões sobre os atentados na Rússia. De qualquer forma, parece que não me enganei muito se se confirmar o renascimento das actividades radicais islâmicas.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:17 | link do post

A cerimónia do Prémio Ângelo d' Almeida Ribeiro 2009 é dia 10 de Dezembro, na Ordem, às 18h. (aqui)



publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:40 | link do post

Domingo, 29 de Novembro de 2009

In the first instance the record itself was absolutely tuneless. One can have great concern for the people of Ethiopia, but it's another thing to inflict daily torture on the people of England. It was an awful record considering the mass of talent involved.

 

Morrissey



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:01 | link do post

 

 

 

É pá, não consigo arranjar nenhum vídeo ao vivo. O Interiors é um dos melhores discos da segunda metade dos anos 90.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:37 | link do post

Sábado, 28 de Novembro de 2009

 

Bande à Part (2006)

Nouvelle Vague

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:06 | link do post

Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009

Põe-te a pau, Luciano. Não tarda estão-te a chamar Passista, depois passas a sócratista e, sem que percebas como, és um vendido aos sinistros poderes instituídos (é uma coisa que mete palmadinhas nas costas, o amigo Oliveira, a PT, a On-Going, a Maçonaria, o PGR, o STJ e outros que tais e outros que tais).

Nada na tua opinião será livre e honesto, irás ser um terrível táctico ao serviço de um grande plano.

Foge enquanto podes.

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:59 | link do post | comentar

Aqui e aqui, duas pérolas para recordar.



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:14 | link do post | comentar

Não digo isto para "condenar" o jornalismo que chega um pouco atrasado ao debate ou a alguns "preciosismos" - até porque se limita a citar o inquérito em curso no Reino Unido -, mas a aparente "novidade" que esta notícia parece querer transmitir vem com pelo menos uns seis anos de atraso. Claro que quem sai menorizado é o próprio inquérito, não a jornalista. Primeiro, porque John Kampfner (2003) e o próprio embaixador em Washington - citado na peça do JN - já tinham mencionado nos seus livros a posição definida do gabinete de Blair sobre a inevitabilidade da intervenção militar no Iraque.

 

Christopher Meyer, inclusivé, cita nas suas memórias (2006)uma Cabinet Office note de Julho de 2002, onde recordava o compromisso de Blair com Bush, após o encontro em Crawford de Abril desse ano: "a Grã-Bretanha iria apoiar uma acção militar para trazer uma mudança de regime, desde que algumas condições fossem cumpridas - tinham de ser feitos esforços para construir uma coligação que molde a opinião pública; a crise israelo-palestiniana travada; e as opções esgotadas para eliminar o programa de armas de destruição maciça iraquiano pelos inspectores." (DC Confidential, pp. 245-246 e por mim citado em Blair, a Moral e o Poder, p. 180). A questão já não era, nesta altura, se iria haver guerra, mas em que termos ela iria ser travada.

Se calhar ler mais livros ajudaria a chegar a horas aos debates.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:25 | link do post

A candidatura de Jorge Bacelar Gouveia à distrital de Lisboa do PSD conta com apoiantes de peso: António Preto, Helena Lopes da Costa e Pacheco Pereira.

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:25 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:23 | link do post

Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

Cedo se percebeu a intenção de Gordon Brown: passar a imagem justicialista sob a decisão mais polémica da década governativa do New Labour, a tempo das eleições de 2010, sabendo que do inquérito não resultaria nenhuma decisão juridicamente vinculativa. Por outras palavras, o escrutínio público seria realizado e a Brown, mesmo que membro do executivo, nunca cairia a acusação de pretender esconder o que quer que fosse. O comité nomeado por Brown é presidido por um histórico civil servant, John Chilcot, e mais quatro reputados membros, incluindo Lawrence Freedman - autor da doutrina de intervenção humanitária de Blair e base do seu comportamento internacional - e Martin Gilbert, biógrafo de Churchill e confesso admirador de George W. Bush e Blair.

 

Este é aliás o quinto inquérito sobre o mesmo tema, com consequências políticas conhecidas: Blair venceu três eleições seguidas, a última das quais em 2005. Mas desde 2003 que Londres gastou no Iraque qualquer coisa como 500 milhões de libras. Milhares de militares e civis foram enviados para o terreno dando corpo ao projecto de "expansão democrática" desenvolvido por Washington e seguido por Londres, embora com algumas nuances importantes, como a estratégia de regime change.

 

Se a ideia é encontrar responsáveis, então dê-se força jurídica ao inquérito. Se é para perceber como o governo levou a cabo um processo de decisão complexo, que se deixe passar o tempo histórico habitual nestes casos e se delegue aos académicos essa tarefa. Até parece que Brown quer desviar as atenções de outros problemas.
 

Hoje no i.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:41 | link do post

A reportagem do Gonçalo Venâncio no Afeganistão. (aqui)



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:30 | link do post

Terça-feira, 24 de Novembro de 2009

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:52 | link do post

dddd



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:45 | link do post | comentar

E que tal uma comissão para acompanhar quem acompanha os que acompanham o conselho de prevenção da corrupção e outra para acompanhar os que acompanham os processos sobre corrupção nos tribunais?



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:37 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:19 | link do post

Tenho muito orgulho em ter tido o prof. Germano Marques da Silva como meu professor.



publicado por Pedro Marques Lopes às 00:32 | link do post | comentar

Segunda-feira, 23 de Novembro de 2009

 

De acordo com alguns espíritos inquietos com a barbárie actual, parece que se juntarmos estes dois sambistas com o Ahmadinejad fazemos uma "nova ordem internacional". Depois não se queixem.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:50 | link do post

califone - funeral singers from Califone on Vimeo.



publicado por Pedro Marques Lopes às 21:54 | link do post | comentar

O I, no último fim de semana, garantia que Marcelo Rebelo de Sousa seria candidato à liderança do PSD. Mais, o seu director até fez um editorial aconselhando o professor nas suas futuras tarefas. Era assim certa a candidatura e, claro está, a vitória nas eleições internas. Entretanto ignoravam-se olimpicamente as outras candidaturas.

Domingo, Rebelo de Sousa reafirmou que não seria candidato. Os jornais de segunda-feira, ou não acreditaram ou não viram a alocução do professor e continuaram a dizer que ele seria candidato.

Consta que amanhã o antigo Presidente do PSD vem, de novo, dizer que não é candidato.

Espero ansiosamente a reacção das pessoas que garantiram que o Prof. Marcelo seria candidato. É que isto levanta uma série de questões que dizem respeito à actividade jornalística e para as quais não tenho resposta. Por exemplo: se um cidadão diz claramente que vai fazer uma coisa, o que leva um jornalista a dizer que irá fazer outra?

Como é evidente não estou a falar de opinião – nesse caso está-se apenas a chamar mentiroso a alguém. Nada disso. Estou a falar de uma notícia em que se diz que alguém vai fazer aquilo que disse que não faria.

Não sei...

 

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 21:32 | link do post | comentar

Na semana em que Obama viu ser recusado o pacote negocial proposto ao Irão e em que a NATO e Israel se aproximaram em exercícios no Mediterrâneo, as forças armadas iranianas começaram intensos treinos militares com vista à "defesa das instalações nucleares", enquanto Ahmadinejad iniciou visita ao Brasil e à Venezuela. O que nos dizem estes factos? Primeiro, que o regime de sanções não resultou, o regime não colapsou e a ameaça perdura. Segundo, estes exercícios querem alertar a região, em especial Telavive e Riade, sobre as intenções do regime caso seja alvo de ataque .

Terceiro, Israel sedimenta a aproximação à Aliança Atlântica obtendo, assim, alguma amplitude internacional perante a opção militar contra as bases nucleares: é uma resposta ao relatório Goldstone da ONU e uma forma de se assumir como parceiro credível da NATO contra o tráfico marítimo, poucos dias depois de terem interceptado um carregamento de armas em águas cipriotas, ao que tudo indica com origem no Irão e como destino ao apetrechamento do Hezzbollah. Por fim, o presidente do Irão procura apoios internacionais no eixo do carnaval. O uso da força não tem estado no debate com a pertinência que eventualmente justificaria. Esse debate também não existiu quando Israel, em 2007, de forma cirúrgica e categórica, destruiu uma instalação nuclear na Síria. Lembram-se? Provavelmente, já não.

 

 

Hoje no i.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:38 | link do post

Arab Facebook (Caryle Murphy)

Juhayman's Sins (Khaled Al-Mushawah)

The nosy neighbour (Manuel Almeida)

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:50 | link do post

 

O meu lado infantil obriga-me a isto: cada vez que o Francesco Totti é protagonista em Itália eu, aqui em Portugal, sinto-me uma criança deslumbrada em frente ao ídolo. Um jogador genial como ele, há 16 anos consecutivos a levar uma cidade como Roma às costas, inclusivamente ao scudetto (2001) é, para qualquer pessoa que vibra com o calcio e já teve a sorte de viver naquela cidade, o resumo daquele fantástico país: todas as emoções, boas e más, estão com alguém, são culpa de alguém, devem-se a alguém. Roma é Totti e Totti é Itália.

 

Em 2002 tive a sorte de assistir ao derby com a Lázio, na mítica curva sud do Olímpico. Um estádio a rebentar pelas costuras, uma tarde repleta de confrontos fora do estádio (entrei de gatas, sob uma chuva de petardos) e duas equipas que vinham de títulos recentes: a Lázio em 99-00 e a Roma em 2001-2002. Além disso, na época anterior os giallorossi tinham feito história no derby, com os célebres 5-1, o tal dos quatro golos de Montella. No aquecimento já dava para perceber o que aí vinha. Toda a bancada que já foi dos cucs em pé e a celebrar com cânticos cada um dos seus guerreiros. Totti foi o primeiro a entrar em campo e o último a sair terminado o aquecimento. Nesse momento, Panucci já tinha entregue a sua camisola aos adeptos. Tão diferente de cá, não é? Cada parte é vista de pé e a cantar ininterruptamente. O barulho é tal que quase não se ouve quem está ao nosso lado e muito menos o que vem da superior contrária. Ao intervalo, zero a zero. No final, 2-2, com um penalty falhado pela Lázio a poucos minutos do fim e com um golo de Gabriel Omar Batistuta celebrado nas minhas barbas . Muito mais que um jogo de futebol, era Roma inteira que ali estava.

Ontem, depois de inúmeras operações e lesões, Totti marcou mais três golos no campeonato. É o melhor marcador do calcio. A Roma está nesta altura em 11º na classificação. Roma é Totti. Totti é Itália.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 00:29 | link do post

Domingo, 22 de Novembro de 2009

Lá vai uma, lá vão duas. Esperamos ansiosamente pela terceira onda.

Pois claro, uma maçada esta história de se ter de ir a votos.



publicado por Pedro Marques Lopes às 21:32 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds