Domingo, 22 de Novembro de 2009

É o fim, é o fim, berram os novos revolucionários. As instituições estão irremediavelmente desacreditadas: a justiça é uma farsa, o Governo serve para os do partido no poder se governarem, a Assembleia da República só tem medíocres, os empresários são todos uns ladrões, as escolas não ensinam, as pessoas morrem à espera de um médico, a cultura está nas mãos dos amigos do poder, a corrupção é generalizada. É a choldra; é o lodaçal; é a piolheira; não há nada a fazer.

Há que destruir tudo para começarmos do zero. Quase se pressente o desapontamento pelo sossego dos militares. Estivessem eles maldispostos e já faltava pouco para se poder construir um mundo novo, livre desta horrível escumalha.

 

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:15 | link do post | comentar

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:27 | link do post

Sábado, 21 de Novembro de 2009


publicado por Pedro Marques Lopes às 23:30 | link do post | comentar

Closer (1980)

Joy Division

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:00 | link do post

Desde que o Secretário foi para o Real Madrid que tudo é possível. Parece que agora há a hipótese de o Constâncio se transferir para o Banco Central Europeu. Isto só pode ter dedo do Manuel Barbosa.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:26 | link do post



publicado por Pedro Marques Lopes às 00:42 | link do post | comentar

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009

Hoje na Radar alguém se questionou de forma muito simples: "o que seria de mim sem rock n' roll?". É tão simples que fiquei a pensar nisso o dia todo. Tem o seu quê de patético e de verdadeiro ao mesmo tempo, mas chego à conclusão que se o Josh Homme, o Tony Iommi, o Keith Richards, o Boss, o Strummer, o Morrissey, o Ian Curtis e o McCartney nunca tivessem existido, muita coisa perderia sentido. Obrigado a todos eles e a muitos outros que ficaram de fora da short list, porque simplesmente tenho de ir ali por os Black Mountain a tocar.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:43 | link do post



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:27 | link do post



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:17 | link do post

Então não é que agora o Vasco Pulido Valente virou socratista? Para o que lhe havia de dar.

Será que ele não percebeu que quem diz que as escutas não devem ser divulgadas e que o PM não tem de falar sobre o assunto é um defensor de José Sócrates?



publicado por Pedro Marques Lopes às 13:22 | link do post | comentar

Até ontem não conhecia o Suction with Valchek.  Força rapaziada.  



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:57 | link do post | comentar

SIC e TVI abrem os telejornais das 8 com o orçamento rectificativo. A RTP com o apuramento da selecção nacional. Prioridades - o povo precisa de circo quando não tem pão. (PPM)



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:11 | link do post

Escrevi há dois dias atrás no i que Van Rompuy não é mais do que "um nome para o consumo interno - em boa verdade, é esta a utilidade do posto". Para quem defende "aquela Europa a uma só voz" - qualquer coisa entre o irreal e o surreal - o cavalheiro é uma enorme desilusão. Em bom rigor, quem defendeu este argumento leu a correr o tratado e não percebeu ainda o que é a "Europa". Quem se satisfez com o tratado pelo seu realismo, este nome não desilude. Paris, Berlim e Londres continuam os dominadores da política europeia. Mas sempre é melhor ter Londres no centro do que tê-la na periferia.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:41 | link do post



publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:32 | link do post

Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

Se Obama define a relação com a China como a mais importante da actualidade, tal não pareceu motivo suficiente para motivar uma visita exclusiva a Pequim. Afinal ainda há alianças asiáticas a preservar (Japão, Coreia do Sul) e convém não estender o tapete à China precipitadamente: em Washington habita um poderoso Congresso que não simpatiza particularmente com a desvalorização da moeda chinesa nos mercados internacionais. Daqui a um ano, uma fatia destes congressistas vai a votos e o eleitorado olhará mais para a sua conta bancária e menos para a belíssima oratória de Obama.

A visita à China mostrou também a falta de vontade política dos principais decisores numa iniciativa mais arrojada no combate às alterações climáticas, tendo em conta que Estados Unidos e China são responsáveis por 40% da emissão global de gases - ou seja, são parte do problema e da solução ao mesmo tempo. Por um lado, a economia chinesa e, por via disso, a sustentabilidade do regime, depende do crescimento dos últimos anos. Inverter os números seria um passo atrás na afirmação global de Pequim. Por outro lado, semelhante diagnóstico inibe Obama de ir além da cosmética narrativa: é no Senado que reside o poder de ratificação de tratados internacionais, um equilíbrio interno que se tem revelado difícil de conquistar em diversas políticas públicas com origem na Casa Branca. Não vale a pena escondê-lo mais: Obama é mais frágil do que o mundo pensou.

 

Hoje no i.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:45 | link do post

Parece que há corruptos em Portugal, em Espanha e até, pasme-se, no Afeganistão. Eles estão por toda a parte e ao que parece não pensam parar por aqui. Será que enquanto houver homens haverá corrupção? Será que enquanto houver homens (e mulheres, que também aqui não discrimino) haverá ganância, patifarias, crimes, falcatruas, exploração e violência? Aquilo a que chamaram humanidade é mesmo assim: uma fonte de badalhoquice. Pode-se melhorar, mas não se pode vencer.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:22 | link do post



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:02 | link do post | comentar

 

O Bloco de Esquerda quer saber quanto é que o Estado gasta em publicidade na comunicação social.

Ora aqui está uma pergunta interessante.

Vamos imaginar que o Governo responde e o BE, ou outro partido qualquer, chega à conclusão que o investimento estatal ou para-estatal, em publicidade, não seguiu os melhores critérios.

Surge imediatamente outra interessante pergunta: qual deve ser, então, o critério apropriado?

A resposta não é difícil: o superior interesse público.

Eu, por exemplo, acho que o Estado, as empresas públicas, as empresas com capital público e outras que tais deveriam investir sobretudo em órgãos de comunicação que criticam violentamente a governação. Há quem pense que o espaço publicitário deva ser comprado em função das vendas ou audiência. Outros, arranjarão outro critério qualquer.

Não é preciso gastar muito tempo a explicar quem, a cada momento, o define. Também será perda de tempo expor que cada um de nós tem uma diferente visão do que será o interesse público.

A dura realidade é que enquanto o Estado controlar o mercado publicitário – e não só esse – estaremos sempre à mercê de quem estiver circunstancialmente no poder. Não há volta a dar.

O BE quer mais transparência e não quer que sejam critérios políticos - os dos outros, está claro - a definir onde e quando se põe anúncios. Uns perigosos liberais, estes bloquistas.



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:58 | link do post | comentar

Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009

Os nossos rapazes na Bósnia, soldados e GNR, merecem que as nossas vedetitas ganhem o jogo. Eles é que são os heróis



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:54 | link do post | comentar

 

Se a ideia era parar o trânsito sempre que o presidente do Conselho Europeu se deslocasse ao exterior, o nome de Van Rompuy não faz parar um caracol em Nova Deli ou uma bicicleta em Pequim. Se Blair era demasiado pesado – e demasiado atlantista – e Juncker demasiado oferecido, Rompuy é demasiado insignificante para quem sonhou alto com a cadeira deste cargo: à medida de um grande líder europeu.
Só que o Tratado de Lisboa não diz nada disto. Estabelece apenas funções de coordenação e “dinamização” dos trabalhos, nomeadamente com a Presidência da Comissão. Dá-lhe o papel de “facilitador” da coesão e dos consensos e exerce, sem prejuízo para as competências do Alto Representante para as Relações Externas, funções de “representação diplomática”. Por outras palavras, só um perfil político muito forte poderia mascarar a sua limitação executiva. Nesta perspectiva, Rompuy assenta que nem uma luva no lugar. Por três razões.
Primeiro, ser Primeiro-ministro de um “país” flagelado pela divisão interna dá-lhe algum calo para gerir 27 interesses nacionais. Segundo, ser de um Estado fundador e amigo de Paris e Berlim revela o alcance da sua possível nomeação: os mais fortes continuam a ter uma agenda própria, aqui e ali mascarada com a entrega de cargos institucionais aos mais pequenos. Terceiro, sabe-se que Rompuy defende novos impostos para financiar o estado social, o que para alguém vindo do centro-direita acaba por se aproximar mais das actuais posições de Londres que das de Berlim. Um nome para o consumo interno - em boa verdade, é esta a utilidade do posto.
 
Hoje no i.


publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:00 | link do post

Terça-feira, 17 de Novembro de 2009


publicado por Pedro Marques Lopes às 20:28 | link do post | comentar

De todos os efeitos que a história nojenta dos boatos, invenções e politiquice barata mascarada de amor à verdade que as escutas ao Primeiro-Ministro levantaram, há um que não é desprezível: deixou-se de falar da vergonha que é o caso Face Oculta, onde se revela o que de mais sórdido vigora na sociedade portuguesa.

Os que minam a nossa comunidade e que aproveitam o Estado para os seus negócios e compadrios devem estar muito agradecidos aos senhores que ajudam à confusão.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:52 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:38 | link do post

O Prós e Contras estava para o chato até que o Pedro Picoito nos salvou  ao perguntar se o Miguel Vale de Almeida pensava casar. Valeu a noite.

Nada como um momento “Revista Maria” para acalmar.



publicado por Pedro Marques Lopes às 01:13 | link do post | comentar

Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009

Desde Setembro que colaboro com a TSF. Além de intervenções esporádicas, eu, o Pedro Adão e Silva e o Paulo Tavares, editor de política nacional, temos um programa semanal chamado Bloco Central. É ao meio-dia de domingo e também pode ser escutado no link abaixo.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:59 | link do post | comentar

Tenho dois amigos bósnios. Um é um saudosista do Tito. O outro, sempre que pode anda vestido com a camisola da selecção croata.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:54 | link do post

Isto é um pouco como aquilo que o Pina dizia aqui há uns meses: cai um avião e um gajo tira logo o brevet pela televisão. Nesta era de processos judiciais a figuras políticas, um gajo forma-se em direito na blogosfera. É todo um mundo por descobrir, de facto.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:46 | link do post

A SIC-N anunciou na passada semana que o sr. de Villepin (lembra-me sempre a política palaciana do Dartacão) já foi o europeu mais odiado nos EUA. Se não era assim, não andava longe disto. Primeiro que tudo, convém lembrar que provavelmente o ex-Primeiro-ministro francês é capaz de ser conhecido aí por três ou quatro carolas de Washington. Além disso, a SIC-N podia ter alargado o universo de ódios e arriscar um subtítulo mais provocador: Dominique de Villepin já foi o europeu mais odiado em França e um pouco por toda a Europa. Eu sei: podia, mas não era a mesma coisa.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:34 | link do post

Acabar com o segredo de justiça é passar definitivamente os tribunais para as mesas dos cafés, transformar os jornalistas numa espécie de advogados e acabar com princípios “menores” como a presunção de inocência.

Este PGR ou é um brincalhão ou um inconsciente.



publicado por Pedro Marques Lopes às 10:23 | link do post | comentar

Domingo, 15 de Novembro de 2009

Tiago, prometo responder-te mas neste momento é-me impossível. E não, não é por estar a fazer as malas com medo que alguém ponha o meu nome nos jornais e eu tenha de pedir demissão das empresas com quem colaboro.

Quanto aos referendos deixo-te só esta referência: Califórnia.  



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:39 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds