Quarta-feira, 31 de Março de 2010

Hoje, na Edição Internacional da Renascença, debaterei com José Manuel Anes (Presidente do Observatório de Segurança e Terrorismo) e o jornalista russo, Vitaly Ignatyuk, sobre os ataques em Moscovo e no Daguestão. É, como habitualmente, às 23.30.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:55 | link do post

Terça-feira, 30 de Março de 2010

O Sporting deixou arrastar este assunto anos a fio e ninguém saiu bem da história: o clube, porque se envolveu num litígio com um grande homem e sportinguista que o não merecia; o jogador, porque não saiu pela porta grande como lhe era devido. Além disso, deu azo a opiniões divergentes quando todas deviam acautelar o clube o jogador. Eu tenho uma admiração gigantesca por Iordanov. Estava longe de ser tecnicamente brilhante, mas representou tudo o que gosto num jogador que sabe dessas limitações: raça, amor ao clube e aos sócios, entrega, capacidade de sofrimento. E que sofrimento passou ele. Lembro-me, como se fosse ontem, daquela extraordinária tarde no Jamor contra o Marítimo e de um golo monumental na Luz, entre muitos outros que fez dele um dos jogadores mais acarinhados em Alvalade. Eu só tenho duas camisolas de jogadores do Sporting guardadas e uma delas está assinada pelo Iordanov, o mesmo capitão que me deu a honra de assinar o bilhete de Vidal Pinheiro. Da boca dele, ouvi então: "no Sporting até jogava de graça". A homenagem é a 5 de Maio.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:18 | link do post

Sobre o ataque de ontem em Moscovo, há ainda três informações não confirmadas oficialmente. Primeira, a existência de uma terceira bomba, entretanto neutralizada. Segunda, uma das bombas que explodiu teria como alvo a estação de metro do Ministério do Interior (a primeira foi na da sede do FSB) e que dado o desconhecimento da rede de metro por parte de uma das suicidas, acabou por explodir antecipadamente. A terceira, que estas mulheres serão "viúvas negras", cujos maridos morreram nas guerras chechenas, passaram por uma reintegração social difícil, dada a natureza das regras nos clãs norte-caucasianos, acabando por apresentar maior apetência para a vingança e uma grande vulnerabilidade às práticas das lideranças terroristas. Nada disto é particularmente novo. E não vai ficar por aqui.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:02 | link do post

Segunda-feira, 29 de Março de 2010

Quando abordei o assunto em Setembro passado, nada fazia prever este massacre. No entanto, alguns indicadores foram justificando atenção redobrada. O aumento de assassinatos na Ingushétia e Daguestão ou o crescimento do tráfico de droga vindo do Afeganistão e a sua ligação aos financiamentos terroristas e ao crime organizado do Cáucaso do Norte. Moscovo é, nesta perspectiva, uma das cidades mais apetecidas do mundo: perto de 9 milhões de utilizadores diários do metro, centro do poder contra o terrorismo dentro da Federação Russa, envolvimento no Afeganistão junto dos aliados. Criar pânico, medo e retrair as acções do Kremlin eram os objectivos. É preciso não conhecer os russos para pensar que isto terá alguma vez sucesso. Volto ao tema em breve.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:34 | link do post

Domingo, 28 de Março de 2010

Também gosto de ouvir políticos dizer que o Estado tem de emagrecer, deixar de ser jogador e árbitro ao mesmo tempo e preocupar-se com quem efectivamente precisa dele. Gostava, no entanto, de ver os mesmos políticos cortar com práticas que contribuem para a engorda do bicho. Assim, temos projecto.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:35 | link do post

Gosto de políticos com vontade de estar na política. E gosto também de políticos que assumem, com todas as letras, que com eles não há modelo económico baseado na subida de impostos e no saque aos nossos bolsos. Espero que, se chegarem ao poder, sejam consequentes com estas posições.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:20 | link do post

A nova direcção tem de ter apenas um objectivo: governar Portugal. E, como está demonstrado, isso só é possível com o apoio duma maioria absoluta no Parlamento. Não pode haver outra estratégia. Todas as outras batalhas eleitorais, no curto e médio prazo, são secundárias e não podem comprometer o essencial.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 14:32 | link do post | comentar

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:09 | link do post

Sábado, 27 de Março de 2010

Eu acho que vocês não estão a ver bem a coisa: a Roma vai ganhar o scudetto com uma série de vitórias extraordinárias desde que aqui me ajoelhei aos seus pés. A mim ninguém me convence que eu não tive nada a ver com a recuperação, com a raça daquela equipa, com a mística daquela cidade. Ajuda a isto, a força de ver a Lazio perto da serie B e a oportunidade de vergar Mourinho e o seu insuportável ego. Se tudo correr bem, estarei no Circo Massimo a festejar e a esquecer que em Portugal existiu este ano campeonato.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:55 | link do post

A renegociação do acordo de armas estratégicas nucleares entre Washington e Moscovo é um sinal político importante face ao descontrole da proliferação nuclear e a uma parceria estratégica entre americanos e russos. Mas a pergunta que este acordo impõe é esta: START what?

Os dois têm 90% dos arsenais nucleares conhecidos. A Rússia é imprescindível na solução regional no Afeganistão e a última coisa que neste momento deseja é que a NATO por lá falhe. A influência russa em Teerão é vital para a transparência do regime ou para a eficácia do regime de sanções. É, ainda, um player no diálogo com países produtores de petróleo e mantém capacidades de jogo na Europa com as políticas energéticas. Em Washington e Moscovo paira ainda o crescimento militar da China e respectiva projecção de poder. Mas além do tampão NATO face ao caos no Afeganistão, Moscovo continua a desconfiar do posicionamento americano na Europa de Leste, no Cáucaso e na Ásia Central. Avanços militares de Washington (individuais ou via NATO) exasperam o Kremlin e reforçam a sensação de estar sob um cordão de forças limitativo na sua tradicional área de interesse.

Mas mais importante do que este tratado será a conferência prevista para Abril, em Washington, e que sentará à mesa 45 países directamente ligados ao poder militar nuclear. O alcance deste novo START só ficará verdadeiramente fixado na exacta capacidade de influenciar positivamente os restantes membros do clube. É caso para exigir a poligamia e não apenas um casamento a dois.

 

Hoje no i



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:21 | link do post

 

Computer World (1981)

Kraftwerk

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:31 | link do post

Quinta-feira, 25 de Março de 2010

Há um endorsement recorrente que me faz lembrar os prognósticos do Pelé antes dos mundiais. Não acerta uma, mas não resiste a abrir a boca.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:44 | link do post



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:19 | link do post



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:58 | link do post

Quarta-feira, 24 de Março de 2010

Sou capaz de dar a volta ao mundo para passar umas horas com um amigo. Sou, até, rapaz para voar muitas horas para sofrer com o meu FC Porto, ver um espectáculo qualquer ou comer um petisco – fossem as viagens mais em conta e ia mais vezes comer um marisquito à Costa do Sol ou comer um leitão à Bairrada em Marracueno.

Por outro lado, belas paisagens, animais exóticos, praias paradisíacas, edifícios imponentes, não me fazem sair do meu canto lisboeta. A verdade verdadeira é que gosto de gente. Gosto de ver a rotina das pessoas, de as ver passar, de lhes falar, de saber o que as faz feliz ou o que as entristece.

A idade e, se calhar o muito que tenho viajado, fez-me crescer a convicção de que as pessoas são muito mais parecidas umas como as outras do que a sua cor, religião, género, nacionalidade ou outra coisa qualquer podem fazer parecer.

São as pequenas diferenças que me encantam e que cada vez mais o mundo globalizado pela televisão e outros monstros vai esbatendo.

 

Sempre que regressado de uma viajem, lá vêm as perguntas habituais: “Foste ali? Foste acolá? Viste isto? Viste aquilo?”. Será fácil, para o amável leitor, perceber que as respostas a este tipo de perguntas ainda ficam mais difíceis se dissermos que fomos a Moçambique ou a qualquer outro país com quem partilhamos mais que uma história e uma língua.

A excitação dos meus amigos nascidos, criados ou que simplesmente viveram em Moçambique deixou-me pouco tempo para que eu pudesse relatar o que quer que fosse da minha estadia. As perguntas eram apenas retóricas e nada que eu dissesse parecia ser sequer escutado. As memórias e os momentos vividos por eles eram demasiado intensos para que ouvissem as peripécias da minha viagem.

O carinho e a ternura com que falavam dos lugares e da gente, não lhes deixava lugar para ouvir um tipo que tinha pisado a terra deles pela primeira vez.

Os meus relatos, para eles, frios e factuais eram quase ofensivos. O facto de não me ter apetecido ficar para sempre em Maputo era tido como um sinal da minha pouca inteligência.

 

Mais uma vez percebi que só conhecemos os lugares quando os vemos através das pessoas que os amam. As perguntas dos meus amigos que viveram em Moçambique sobre a minha recente ida ao Maputo não foram mais que um bom exemplo disso. No fundo, não era na minha experiência que estavam interessados. As minhas respostas serviam para que eles vivessem de novo as suas memórias e exprimissem a sua ligação nunca perdida com esse canto do mundo.

 

Vi muito mais claramente Moçambique quando regressei a Lisboa. Ninguém é uma ilha, dizia o outro. Desta vez trazia na minha bagagem mais que experiências de viagem, trouxe lembranças para os meus amigos de um profundo amor a uma terra e a uma gente. Comigo viajaram todos eles.

Não se pode pedir mais de um passeio.

 

Publicado no jornal "A Verdade"



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:44 | link do post | comentar

Ministro, se um dia quiseres ser presidente do Sporting, conta comigo. Confio em ti para trazeres alguns consiglieri do Norte, um investidor árabe e o filho do Schmeichel para a baliza. Acho que é suficiente para acabarmos com esta pouca vergonha das papoilas saltitantes.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:02 | link do post

...por exemplo, Gabriela Canavilhas cumprir com sucesso a filosofia que hoje discorre sobre a Cultura, haverá alguma razão para um futuro governo de centro-direita prescindir da sua figura? Há. A necessidade de satisfazer clientelas. Talvez fosse altura de se dar continuidade entre governos a quem desenvolve bons projectos, despido de preconceitos ideológicos e com resultados concretos. Sempre era uma mudança na cultura política nacional e uma aprendizagem de exemplos internacionais bem sucedidos.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:51 | link do post

Segunda-feira, 22 de Março de 2010

A minha visão sobre a reforma da saúde de Obama.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:25 | link do post

 
Mais informações aqui


publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:11 | link do post

O grupo Visegrado, composto pela Polónia, pela República Checa, pela Hungria e pela Eslováquia, constitui o círculo mais imediato. Partilham interesses e objectivos, encontram-se com frequência e definem estratégias comuns. Mais importante, de acordo com as regras do Tratado de Lisboa, o grupo terá tantos votos como a Alemanha e a França juntas.

 

João Marques de Almeida



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:41 | link do post

One part basic decency, one part cost control

The first has to do with coverage. This newspaper loathes needless government intervention. But it also thinks that it is wrong for a country as rich as America to have tens of millions of people without health insurance. Beyond them is the much larger number of people who fear falling into that position through losing their jobs; and the larger number again who cannot get affordable insurance because they have an existing medical condition, or because they are too old, or because they have exhausted the “lifetime caps” imposed by insurance companies. The health-reform plan represents the last chance, perhaps for decades, of erasing one of the least creditable differences between America and the rest of the industrialised world. If this president, who came into office with solid congressional majorities and stratospheric ratings fails, neither he nor his successors will dare touch health care for many years to come; and that would be a tragedy.



publicado por Pedro Marques Lopes às 13:36 | link do post | comentar

Domingo, 21 de Março de 2010

O PSD sai destes quase dois anos mais frágil, menos unido e, sobretudo, não conseguiu mostrar-se como alternativa à governação socialista.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:29 | link do post | comentar

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:08 | link do post



publicado por Pedro Marques Lopes às 00:03 | link do post | comentar

Sábado, 20 de Março de 2010

 

Préliminaires (2009)

Iggy Pop

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:21 | link do post

Sexta-feira, 19 de Março de 2010

Meu caro amigo Jacinto, o que mais me está a custar nesta época futebolística não é vocês estarem a ganhar, é estarem a merecer ganhar. Quanto ao meu Porto, sabe deus o que me custa perder, mas custa-me muito mais estar a merecer perder.

Resta-me a consolação de saber que isto é apenas uma nuvem passageira. No entretanto, parabéns.

 

 

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 13:05 | link do post | comentar

Quinta-feira, 18 de Março de 2010



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:43 | link do post | comentar

É, de facto, uma classe profissional fantástica. Não há, sequer, um juiz que seja medíocre ou mau.

Era capaz de apostar que também não há maus magistrados do Ministério Público. Pois claro, são as leis e os governos os culpados de todos os males da Justiça.



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:54 | link do post | comentar

Os melhores aliados também têm a suas zangas quando cada um defende os seus interesses. Joe Biden sabia que a ida a Israel não passaria de uma manobra de diplomacia pública a pretexto de um regresso às negociações de paz. O timing era evidente: o governo israelita é demasiado inflexível para ceder a pretensões palestinianas, enfraquecendo-se internamente com isso; a Autoridade Palestiniana vive uma crise de liderança e mantém-se longe do controlo de Gaza. Tudo condimentos básicos para se manter o status quo.

 

A construção de colonatos judaicos em Jerusalém oriental fez desesperar a Casa Branca e o Pentágono. Biden fez saber a Netanyahu que estas medidas minavam as negociações e prejudicavam as tropas americanas no Iraque e no Afeganistão. Washington não quer radicalizar ainda mais essas frentes, as grandes provas de fogo externas da Administração Obama. Mais: a reprimenda dada a Israel mostra a vontade em construir uma coligação alargada com estados árabes (Arábia Saudita, Egipto, EAU) que isole o Irão, enfraquecendo a sua posição e reduzindo os apoios directos ao Hamas e que minam todo o processo de paz. Obama tem sido acusado de prejudicar as relações entre Washington e Israel e há quem considere que ele procura aceitação entre os árabes. Parece-me uma leitura incorrecta.

 

Defender os interesses americanos nos conflitos que fazem exasperar a América implica alguma equidistância no nó górdio do Médio Oriente. É precisamente essa margem de manobra que Biden acaba de conquistar em Jerusalém.
 

Hoje no i



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:17 | link do post

 

Tenho dificuldades em comunicar com alguém no dia de hoje. A partir das oito estou concentrado em deitar cá para fora tudo o que há anos vou acumulando contra um certo e determinado indivíduo. Eu já apertei a mão ao António Veloso. Eu até vi o último Sporting-benfica com o Toni (um senhor, fiquei a saber). Mas por amor de deus, não me peçam mais que isto. Recuso a dar mais alguma coisa ao desportivismo e ao fair-play, duas pragas que ainda vão matar o futebol.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:20 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds