Segunda-feira, 31 de Maio de 2010

Parece que Obama encorajou Lula e Erdogan a mediarem o problema do nuclear iraniano, um mês antes do aparente sucesso diplomático (e comercial, diga-se) entre Brasília, Ancara e Teerão. Hoje, Obama e Clinton discordam do rumo dado e tentam esvaziar o acordo. Se ele foi o candidato 2.0, saberá certamente que a internet pode ser fatal nos dias de hoje.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:13 | link do post | comentar

Convém não esquecer que não é apenas Israel que mantem o bloqueio a Gaza. O Egipto também o conduz.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:11 | link do post | comentar

O pacifismo está para o Hamas, como a democracia estava para a RDA e para a Coreia do Norte, oficialmente conhecida como República Democrática Popular da Coreia.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:04 | link do post | comentar

Tenho para mim que a geografia não é menos importante hoje do que era há três ou quatro séculos atrás. E há países que sabendo disso, aproveitam com mestria a ignorância cartográfica dos demais.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:28 | link do post | comentar

 

Tenho as minhas dúvidas que a Turquia não tenha acelerado a sua importância para a União Europeia com a política externa que tem mantido no último ano. Passo a explicar a ideia. Primeiro, ao nitidamente secundarizar o processo de adesão à UE e que tinha sido cavalo de batalha nos últimos anos do seu governo, ganha espaço de manobra para ressurgir geopoliticamente. Já percebeu que com Merkel e Sarkozy não se acelera a coisa, por isso mais vale esperar e deixar de aparecer na fotografia como um actor menor face a Paris e Berlim. Recorde-se, por exemplo, que o SPD alemão não é contra a adesão. Segundo, por assumir um papel hostil a Israel na região, contrariando o que vinha sendo feito anteriormente. Passou a contar nos equilíbrios do Médio Oriente, a desejar papéis de interlocutor e mediador na região (nuclear iraniano) e a ser o porta-voz sunita do descontentamento face a Telaviv. Desta forma, retira espaço à liderança xiita do Irão e coloca-se como a grande potência da região no desbloquear de alguns assuntos que exasperam o Ocidente: Irão, Iraque, Afeganistão, Israel-Palestina. No domínio "palestiniano", este papel é bem aceite por muitas capitais europeias e respectivas opiniões públicas.

Com isto tudo, a Turquia revela ser cada vez mais importante para a afirmação internacional da UE; para a estabilidade das operações da NATO na zona de vizinhança do espaço euro-atlântico; e, face à crise na sustentabilidade dos modelos sociais europeus, uma garantia de rejuvenescimento de mão-de-obra nas suas economias.  



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:10 | link do post | comentar

" Esta lei não surgiu do nada. Ela constitui apenas o mais recente passo de uma vasta campanha de promoção do erotismo, promiscuidade e depravação a que se tem assistido nos últimos anos. Por detrás de leis como o aborto, divórcio, procriação artificial, educação sexual e outras está o totalitarismo do orgasmo. Parece que o deboche agora se chama "modernidade". "

 

E agora digam lá se para Cavaco Silva não é melhor não ter estes apoiantes.



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:38 | link do post | comentar

Ser forte em casa, para ser mais forte no exterior. É este o mote da Estratégia de Segurança Nacional de Barack Obama e pretende articular as várias dimensões do poder norte-americano para uma melhor acção externa do país. Primeira ideia a fixar: a crise económica (dimensão interna) é uma ameaça à influência internacional dos EUA e à sua capacidade para projectar poder nas diversas regiões onde os seus interesses se jogam. Ou seja, tal como o 11 de Setembro marcou a Administração Bush e motivou o desenho da sua doutrina estratégica, a crise económica e financeira marca o tempo e o modo de actuação da actual Administração. Neste quadro, Bush tentou alterar o status quo internacional através do hard power, enquanto Obama se adapta ao mundo que encontrou, procurando liderá-lo com mais e melhor soft power. Mas há mais na actual estratégia da Casa Branca.

 

A doutrina Bush - "guerra preventiva", "guerra global ao terror", "exportação da democracia" - é abandonada nesses termos, uma distância necessária ao projecto de Obama e que ocupa definitivamente estes seus primeiros 16 meses de presidência. No entanto, a sua doutrina passa por distinguir uma "campanha global" contra a Al-Qaeda de uma "guerra global contra uma táctica" (terrorismo) ou "contra uma religião" (Islão). Isto faz toda a diferença e revela o benefício de olhar com distância sobre os acontecimentos de 2001, como os efeitos perversos da frágil sofisticação política e militar da Administração Bush. Mais, se o modelo de Bush tentou ser de "exportação democrática", o de Obama quer ser de "boas-vindas aos movimentos democráticos e de apoio às instituições nas frágeis democracias". Não há nada como o senso político para dizer praticamente o mesmo com palavras que parecem música aos nossos ouvidos.

 

Mas é sobretudo no mapa global que esta doutrina se quer impor: deixou de ser possível continuar a liderar a ordem internacional sem aceitar o estatuto de outras potências, co-responsabilizando-as na resolução dos problemas. Se Bush não soube como acomodá-las, Obama parece confortável com o G20 e com as alianças tradicionais, com a busca de consensos que impõe maior protagonismo à diplomacia e menos às Forças Armadas. Mas ele também sabe que o seu approach exige a pujança militar e económica da América para chegar a resultados diplomáticos. Os seus dramas serão os imponderáveis (desastre natural no golfo do México) ou graves crises a que terá de acudir (Irão). Para isso não chegam doutrinas sofisticadas. É na bravura e equidade das acções que ele será avaliado. E em breve.

 

Hoje no DN



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:20 | link do post | comentar

Domingo, 30 de Maio de 2010

A candidatura de Manuel Alegre, por si mesma, nada diz aos bloquistas. A sua vitória ou derrota é irrelevante.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:54 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:12 | link do post

Sábado, 29 de Maio de 2010

É um pouco triste ver políticos empenhados em perpetuar a infância. De um momento para o outro, depois dos raspanetes dos pais e de anos a recusar arrumar os brinquedos, mostram com a maior candura que afinal estava ao alcance de um pano do pó limpar a porcaria entranhada. Num assomo de maturidade e sem grande burocracia, cortou-se nos gastos principescos que alimentavam a corte desde que a engorda começou. No fundo, eles é que não estavam para isso.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:17 | link do post | comentar

Das duas uma: ou o homem queria tramar a coligação ou a incompetência chegou cedo ao novo governo britânico.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:11 | link do post | comentar

Voltar a ver as séries que marcaram a nossa infância é como ver hoje ao vivo bandas que foram grandes nos anos 70: deprimente.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:08 | link do post | comentar

Além disso, Pedro, faz mexer a sua candidatura: não há vitórias garantidas, nem apoios cegos. É uma forma de dizer que se quer algo em troca. E para breve.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:05 | link do post | comentar

Cavaco Silva é um homem de sorte. Como se não bastasse ter Alegre como adversário, agora tem também a direita beata e Santana Lopes. É sorte a mais.



publicado por Pedro Marques Lopes às 20:26 | link do post | comentar



publicado por Pedro Marques Lopes às 20:12 |
editado por Bernardo Pires de Lima às 22:04link do post | comentar

Hits (2003)

Pulp



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:17 | link do post

Quinta-feira, 27 de Maio de 2010

Foi hoje tornada pública a estratégia de segurança nacional de Obama. Um documento que enquadra o comportamento dos EUA no mundo e que procura liderar o debate na segurança, defesa, diplomacia e alianças nos próximos anos. Em 2002, o documento de Bush falava de "preemptive war" e "preventive war" - que não são exactamente a mesma coisa - e "war on terror". Obama abandona toda esta terminologia e desenha uma estratégia mais consensual. Não sei se vai resultar ou não. Querer ser amigo de todos ao mesmo tempo não dá normalmente bom resultado em humanos quanto mais em estados. Mas a praxis política e os imponderáveis  logo avaliarão o seu sucesso. Uma coisa Obama diz-nos com clareza: no seu quadro de alianças a fortalecer,  os "european allies" aparecem à cabeça. Mas, claro, já não contam para nada, não é?



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:14 | link do post | comentar

Parece que a sondagem da Marktest que sai amanhã é muito interessante.



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:18 | link do post | comentar

Quando se perde a vergonha



publicado por Pedro Marques Lopes às 11:34 | link do post | comentar

Quarta-feira, 26 de Maio de 2010

A minha opinião sobre a crise entre as Coreias no TVI24.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 00:40 | link do post | comentar

Terça-feira, 25 de Maio de 2010

Há dias, na estreia do programa Negócios Estrangeiros, no Económico TV, discutia com João Marques de Almeida, Vasco Rato e Miguel Freitas mais esta crise europeia. Um dos raciocínios em cima da mesa - e muito em voga - indicava como deveria a UE ser (nunca aceitando o que ela é) e como teria ela que decidir e agir (sempre a um ritmo acelerado). Às tantas, alguém dá o exemplo das discussões minuciosas sobre marcas de vodka ou tamanho da chouriça para mostrar o ridículo a que o processo de decisão europeu pode chegar. Parece que, se há um preço a pagar por estabilidade, segurança e paz, que seja este. Não há perfeições em política, muito menos numa realidade como a União.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:01 | link do post | comentar

Os coveiros de serviço já trataram de tudo: depois de declarado o óbito, colocam o corpo em jazigo de família. A actividade tem séculos mas ainda não aprendeu grande coisa com a passagem do tempo. Agora o corpo chama-se União Europeia, embora muitos, já de pá ao ombro, gostem de chamar Europa. Até ver, não são bem a mesma coisa. Mas adiante. Esta servilusa da política não quer perceber uma evidência da história europeia: foram as crises que a obrigaram a corrigir, a adaptar e a moldar. Crises, por vezes, com extrema brutalidade, outras com enorme sofisticação. Diga-se, de passagem, que se outras regiões do mundo tivessem sabido adaptar-se aos tempos com essa sofisticação, talvez hoje vivessem um pouco melhor. O meu ponto é este: a história recente da Europa (entre europeus, por um lado, e entre europeus e norte-americanos, por outro) é feita de crises constantes e nenhuma deu cabo das instituições criadas no pós-guerra. Pelo contrário, foram as dificuldades que obrigaram as democracias a fazer uso dos instrumentos criados para resolver problemas políticos e económicos sem o recurso às armas. Mais uma vez, os coveiros de serviço terão muito provavelmente que ir salivar para outras bandas, porque de crise em crise e com mais ou menos relevância no plano internacional, os europeus cá estarão daqui a uns anos para mostrar como se ultrapassam complicações sem disparar um tiro. Pudessem outras partes do mundo fazer o mesmo e estes coveiros tinham os dias contados.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:23 | link do post | comentar

 

Que interesse pode ter um Mundial se o melhor jogador do mundo não vai estar presente?



publicado por Pedro Marques Lopes às 16:14 | link do post | comentar

Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

Uma das coisas boas nesta altura em Itália é a reedição de toda a obra da Oriana Fallaci. A minha mochila veio cheia e a minha opinião sobre o Khomeini não mudou. Ao invés, passei a gostar do Berlinguer, do onorevole Berlinguer.  



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:54 | link do post | comentar

Então não é que me armei em masoquista e fui para as bandas de Milão nestes últimos dias? Então não é que vim de lá a detestar ainda mais o Mourinho? Deve ser inveja.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:51 | link do post | comentar

 

Parece que sábado não cantou esta. Shame on you, Sir Elton John.



publicado por Pedro Marques Lopes às 11:49 | link do post | comentar

Domingo, 23 de Maio de 2010

Ninguém nega que temos um défice histórico de coesão social, que em Portugal a diferença entre ricos e pobres é enor-me. O mal, porém, não está em termos gente rica, está em termos tantos portugueses pobres. Acabar com os ricos só nos ia tornar, a todos, ainda mais pobres. Será que estamos tão desmemoriados que nos esquecemos dos sistemas que acabaram com os ricos?

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:41 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:50 | link do post

Sábado, 22 de Maio de 2010

Parklife (1994)

Blur



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:59 | link do post



publicado por Pedro Marques Lopes às 01:49 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds