Domingo, 31 de Outubro de 2010

 

Fernando Nobre acertou em cheio no mote de campanha: tal como grande parte dos portugueses, parece que o candidato também está em dívida.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:52 | link do post | comentar

Como dizia o outro: se se parece com um pato, anda como um pato e fala como um pato, é muito provável que seja um pato.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:35 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:29 | link do post | comentar

Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

Vivam os reis Morrisey e Marr



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:06 | link do post | comentar

O artigo do Vasco Pulido Valente, hoje, no Público. É tão simples como isto.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:25 | link do post | comentar

Quarta-feira, 27 de Outubro de 2010

Hoje, no Edição Internacional, estarei a debater com o Andrés Malamud (ICS, IPRI) a última semana da campanha eleitoral norte-americana e a recta final para a segunda volta no Brasil. Às 23.30h.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 19:24 | link do post | comentar

O número de portugueses especialistas em dívida pública.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 19:12 | link do post | comentar

Terça-feira, 26 de Outubro de 2010



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:10 | link do post | comentar

"Onde estaria o país se não fossem os meus esforços?" Desculpe?



publicado por Pedro Marques Lopes às 20:57 | link do post | comentar

 

In her victory speech, President-elect Jones is defiant:

 

My fellow Americans: You have voted to reclaim America. Voted to take it back from big government, big business, and big finance. To take it back from the politicians who would rob us of our freedoms, from foreigners who rob us of our jobs, from the rich who have no loyalty to this nation, and from immigrants who live off our hard work. (Wild applause.) We are reclaiming America from the elites who have rigged the system to their benefit, from the money manipulators on Wall Street and the greed masters in corporate executive suites, from the influence peddlers and pork peddlers in Washington, from the so-called intellectuals who want to impose their socialist views on the rest of us—from all the privileged and the powerful who have conspired against us. (Wild applause and cheers.) They will no longer sell Americans out to global money, and pad their nests by taking away our jobs and livelihoods! (Wild applause, cheers.) This is our nation, now! (Wild applause and cheers that continue to build.) A nation of good jobs and good wages for anyone willing to work hard! Our nation! America for Americans! (Thunderous applause.)

 

Robert Reich na American Interest



publicado por Pedro Marques Lopes às 11:12 | link do post | comentar

Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

A recente cimeira do G20 em Seul mostrou que a ordem internacional está a ser redefinida através dos equilíbrios económicos. Os propósitos dos países emergentes focaram-se na alterção, em seu benefício, da ponderação de voto no FMI, uma forma de reformar uma instituição através do poder que hoje em dia efectivamente têm (reparem que há quase uma desistência global para reformar o Conselho de Segurança).

O que isto significa é que os equilíbrios estão a ser feitos não nos fóruns políticos em sentido estrito, ou nos fóruns militares em sentido clássico, mas nos fóruns económicos e financeiros, onde as potências emergentes têm uma capacidade de impor posições com clara naturalidade. Este raciocínio encerra duas conclusões: primeiro, poder económico vai implicar investimentos militares - como já está a acontecer na China, Índia e Brasil, ou na diversificação de mercados, como a Rússia em relação à América Latina e Médio Oriente -; segundo, implicarão respostas desejavelmente concertadas das potências tradicionais, como as europeias e norte-americana. As cimeiras da NATO e UE-USA em Lisboa merecem, por isso, atenção. 

Aparentemente, a economia está determinada a abafar os debates político e de segurança internacionais. Mas é apenas uma aparência: o poder tem múltiplas dimensões e aqueles que estiverem melhor apetrechados em todos os seus domínios serão mais capazes de liderar.


tags:

publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:14 | link do post | comentar

Estive ontem em Alvalade e cheguei à conclusão que o Sporting acha que os jogos só têm 45 minutos. Desperdiçar 45 minutos a jogar para trás, para o lado, para trás e para o lado, para o lado e para trás, é o equivalente àqueles gajos que se acham tão geniais que julgam que não vale a pena o trabalho e o esforço por algo. O Patrício é o gajo mais enervante que me lembro de ver jogar: perde tempo por tudo e por nada, não lança ataques rápidos, está sempre sob tensão. O Carriço tem qualidades, mas para ser uma referência precisa de ganhar força e jogar mais duro. O Maniche passou a primeira parte toda virado de costas para o meio campo adversário. O André Santos não pode jogar mais de meia-hora. Falta-lhe poder de choque, passe longo, raça de trinco. Cumprimos no essencial. Mas não convencemos ninguém. Pedro Mendes, volta rápido.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:50 | link do post | comentar

Domingo, 24 de Outubro de 2010


publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:25 | link do post | comentar

Sábado, 23 de Outubro de 2010

É uma vergonha. Então não é que não deram o lugar que o dr. Paulo Rangel merece no jantar que Durão Barroso teve com os eurodeputados portugueses? Então não é que deixaram o magnifico, o extraordinário, o verdadeiro príncipe das democracias europeias numa mesa secundária e não o deixaram fazer um dos seus brilhantes discursos logo no princípio?

Inveja, um bando de invejosos que, receosos do intenso brilho deste mestre da oratória, o trataram como se ele fosse um qualquer parlamentar. Mas ele não se ficou. Apesar de demonstrar a sua habitual humildade, o dr. Paulo Rangel não queria - como seria seu evidente direito – ser o primeiro a discursar, antes, claro está, do Presidente da Comissão, ou sequer sentar-se no lugar de Durão Barroso – o que seria natural.

Sendo a ofensa tamanha, demonstrou a fibra de que é feito, e de dedo denunciador em riste logo ali mostrou a cabala de que estava a ser vítima.

Quem assistiu ainda estremece ao recordar a cena. A justiça transformou-se em ira, o dr. Paulo Rangel cresceu, a sua voz ficou um bocadinho (só um bocadinho) mais aguda, e quando reclamou os seus inalienáveis direitos os rostos dos invejosos cobardes ficaram verdes de vergonha e medo (e o cão do dr. Paulo Rangel não estava presente).

Para a próxima, esta gentinha já sabe o que os espera se não derem ao genial dr. Paulo Rangel uma mesa meia dúzia de metros mais próxima de Durão Barroso e não o deixarem falar em segundo ou terceiro lugar.

 

A sua proverbial bondade não lhe permite verbalizar o que ele, no fundo, sabe: o Presidente da Comissão receia-o. Isso também não espanta ninguém. Quem não temeria perder o lugar sabendo que poderia existir a possibilidade de o dr. Paulo Rangel o querer? Pobre do Durão Barroso se o dr. Paulo Rangel alguma vez pensar nisso.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:26 | link do post | comentar

Sexta-feira, 22 de Outubro de 2010

Já repararam, certamente, que está em campo a reemergência do eixo franco-alemão. Primeiro, através da dimensão financeira, quando coloca em cima da mesa a revisão do Tratado de Lisboa para prever punições aos incumpridores orçamentais, que pode ir até à perda do direito de voto no Conselho, passando por multas e perdas de fundos comunitários. Admito que a gestão europeia em relação à Grécia implique medidas diferentes daqui para a frente, mas o que Paris e Berlim sinalizam politicamente é que estão na disposição de fomentar uma fissura entre Estados-membros através de uma proposta que irá acentuar uma divisão entre pequenos, médios e grandes. Por outro lado, acaba por ser uma forma de obrigar a Comissão a vir a jogo para garantir o equilíbrio entre todos o que, provavelmente, provocará choques públicos entre Barroso, Sarkozy e Merkel, com alinhamentos pró e contra uns e outros. Tudo o que seria indesejável nesta altura é que, por cima de crispações económicas e financeiras entre europeus, se formasse uma divisão política ainda mais complicada. Tudo pelo regresso da velha liderança.

Segundo, através de uma consonância mínima no discurso sobre a imigração, em particular através do reconhecimento (Sarko à bruta, Merkel com mais delicadeza) do falhanço das políticas de integração das minorias. Não vale a pena esconder o óbvio: ambos enviam um sinal inflexível para Ancara, mas também assumem o falhanço do último alargamento à Bulgária e Roménia. Este é um debate que se vai acender nos próximos meses: do lado europeu, certeza na desconfiança da adesão turca liderada por Paris e Berlim; mais autonomia e diversidade nas acções externas de Ancara. Em último caso, e por seu lado, um congelamento dos futuros alargamentos aos Balcãs. Já aqui defendi que um conjunto de acções turcas nos últimos meses poderiam acelerar o processo de adesão. Hoje, devo reconhecer, que estamos mais longe de assistir a isto. O que releva ainda mais a importância da NATO: o único fórum onde Ancara está com europeus e norte-americanos num plano onde os interesses comuns são partilhados à mesa.

Só que isto tudo é muito bonito, mas Merkel e Sarkozy esquecem-se de um pequeno pormenor: as suas reeleições estão longe de estar asseguradas e a oposição interna não partilha de muitos destes pontos de vista.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:30 | link do post | comentar

Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

Um conselheiro de estado anuncia publicamente a data da recandidatura presidencial. Um presidente em exercício confirma, dois dias depois e em plena paródia académica, que o mesmo conselheiro de estado estava certíssimo. No dia e no local. Serei o único a achar isto absurdo?



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:44 | link do post | comentar

É sabido que os taxistas são um barómetro tradicional sobre a política tuga, agora dissertarem sobre o orçamento de estado já ultrapassa um bocado as suas habituais competências. Voltem à base, rapazes.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:42 | link do post | comentar

Trocava, sem pestanejar, estes cinco golos por cinco vitórias seguidas para o campeonato todas por um zero.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:31 | link do post | comentar

Nas livrarias a 22 de Outubro



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:27 | link do post | comentar

Fico sempre para o encanitado quando, a propósito ou sem propósito, um qualquer entrevistador pergunta a um cidadão porque é que joga golf.

 

Já em si própria a questão é irritante. Por muito que puxe pela memória não me lembro de ver ninguém perguntar a um tipo que gosta de jogar futebol, xadrez, chinquilho, hóquei em patins ou outro jogo qualquer, porque é que o pratica.  Mas o que me faz mesmo perder a cabeça é o tom com que a pergunta é feita.

A coisa é sempre posta como se fosse preciso um acontecimento extraordinário para levar um homem ou uma mulher a jogar golf. Dá a ideia que o perguntador espera que nós digamos que foi uma espécie de revelação, uma epifania ou então que batemos com a cabeça em alguma coisa.

 

Recordo-me de ter respondido, quando me fizeram a peregrina pergunta, que não era preciso nenhuma razão especial para começar a jogar, que se começa a praticar o jogo como se inicia uma outra qualquer actividade. Aí, com um sorrisinho irónico, o jornalista resolveu contestar dizendo que não era bem assim. Segundo ele, não era muito normal pegar nuns tacos e numa bolinha e tentá-la meter num buraco pequenito a umas centenas de metros de distância. Pois claro, normal, normal, é um tipo calçar uns sapatos com rodinhas, pegar num bocado de madeira e tentar meter uma bola numa baliza onde está um tipo vestido de astronauta. Também não há a quem não apeteça atirar uma bola enorme para um cesto de papéis colocado a metros de altura ou vestir um robe e começar a gritar yaaaaas enquanto tenta atirar um outro cavalheiro ao chão.

 

Não me custa nada entender as pessoas que acham estes desportos fantásticos, e tenho a certeza que são capazes de tecer os mais rasgados elogios a essas actividades. Eu é mais golf.

 

Era capaz de perder umas horas a explicar a minha paixão pelo jogo e todas as lições que me tem dado, mas da próxima vez que me questionarem porque jogo, vou responder: comece a jogar, e daqui a dois anos veja lá se tem vontade de me fazer a mesma pergunta.

 

Para a Golfe Magazine de Outubro



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:11 | link do post | comentar

Quarta-feira, 20 de Outubro de 2010

Benfica pondera abandonar a Liga dos Campeões.

Os árbitros desta competição insistem em marcar faltas ao David Luiz, Luisão e companhia. É preciso trazer a verdade também a esta competição.



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:42 | link do post | comentar

Latada. 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:02 | link do post | comentar

Aquilo que o governo britânico anunciou hoje nos Comuns só é possível porque existe uma maioria que o sustenta e um compromisso escrito entre partidos da coligação que traça o horizonte da legislatura até 2015. Em Portugal, fazer de conta que acordos parlamentares numa legislatura de maioria relativa eram suficientes para se chegar aos calcanhares das medidas britânicas, das duas uma: ou anda a brincar à política, ou não percebe nada de política.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 21:54 | link do post | comentar

Hoje, no Edição Internacional (23.30h), debato com o Francisco Sarsfield Cabral a situação em França, a remodelação governamental em Espanha o périplo de Obama pelo país em véspera de eleições intercalares.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:23 | link do post | comentar

Terça-feira, 19 de Outubro de 2010

Em vez de andarem com ideias de criar um imposto europeu, que tal acabarem com aquela estupidez da mudança mensal do Parlamento para Estrasburgo, com a tralha toda atrás e que custa 200 milhões de euros por ano?



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:14 | link do post | comentar

 

 

Centrada na NATO e na Cimeira de Lisboa, mas com um olhar sobre a crise económica, o euro e Portugal. Artigos de Luís Amado, Luciano Amaral, João Ferreira do Amaral, Manuela Franco, Bruno Cardoso Reis, entre outros. Escrevo sobre a NATO e o Grande Médio Oriente. Esta semana nas bancas.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:24 | link do post | comentar

Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

O que é que Cavaco Silva terá feito a Marcelo Rebelo de Sousa?



publicado por Pedro Marques Lopes às 00:42 | link do post | comentar

Domingo, 17 de Outubro de 2010

"Todos os esforços para aprovar o Orçamento não são, por isso mesmo, a favor ou contra o Governo, mas algo que se impõe a quem coloca o país em primeiro lugar."

Extracto da nota da direcção do Expresso.

 

A partir de hoje aguardo ansiosamente a opinião semanal da direcção do Expresso: assim saberei a opinião das pessoas que colocam o país em primeiro lugar. Presumo que as pessoas que não tiverem a opinião da direcção do Expresso põem o interesse do país em segundo, terceiro ou último lugar.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:39 | link do post | comentar

Pelo apresentado ficamos a saber que vamos, duma forma muito séria e muito responsável, transformar a nossa já débil classe média em gente pobre, gerar mais umas centenas de milhares de desempregados e afogar definitivamente as nossas empresas.

 

dn de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:36 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:45 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds