Domingo, 20 de Fevereiro de 2011

Sou contra a aplicação de um tecto para o salário dos gestores públicos porque ser presidente da CGD num mercado competitivo e altamente qualificado não é o mesmo que gerir a REFER - sem nenhum menosprezo. Primeiro, defina-se o Estado que queremos ter, de onde queremos sair, para onde queremos ir. Só depois os salários. Tudo o resto é pura demagogia. Basta recordar a forma primária como o então candidato a primeiro-ministro, José Sócrates, numa entrevista à Única (aquela em que citou 19.8731 e tal autores) fez do salário de Paulo Macedo um caso "de vergonha nacional". Mais tarde, já no Governo navegou politicamente, entre 2005 e 2008, ao sabor dos recordes de receita que foram arrecadados...



publicado por Francisco Teixeira às 02:28 | link do post | comentar

"Sócrates jantou com Nobre em casa de Mário Soares".

"Nobre considera descida do défice excelente notícia".



publicado por Francisco Teixeira às 02:24 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Sábado, 19 de Fevereiro de 2011

Questionado dois séculos depois sobre o impacto da Revolução Francesa, o primeiro-ministro chinês Zhou Enlai terá afirmado ser "ainda cedo para o dizer". Sem exageros contemplativos ou optimismos imberbes, sigo o cepticismo: presenciamos mudança para que tudo fique mais ou menos na mesma ou há um dominó de liberdade no Médio Oriente suficientemente forte para aproximar 1989 de 2011?

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:56 | link do post

Gostava que um primeiro-ministro qualquer, num momento qualquer, apoiado por um partido qualquer, com uma estratégia qualquer transformasse um dia Portugal numa Jerónimo Martins qualquer. Com excedentes e anúncios contentes. Eu gostava... 



publicado por Francisco Teixeira às 20:20 | link do post | comentar

João Correia, ex-secretário de Estado da Justiça, ameaça recorrer para os tribunais para obrigar o seu ex-colega de Governo, José Magalhães, a dar um despacho favorável ao pagamento dos duodécimos do subsídio de férias e de Natal de 2010, ano em que se demitiu do Executivo. Isto é mentira! Não é verdade. Não pode ser verdade. Não pode....



publicado por Francisco Teixeira às 17:33 | link do post | comentar

Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011

Depois de uma ida mítica às Antas nas meias-finais - perda de travões na A1; chegada tardia às Antas; golo imediato de Barbosa - e de ganharmos ao Porto na segunda mão em Alvalade, a final perfeita só podia ser com o benfica. Lembro-me como se fosse hoje.  Confusão, enchente, as cenas habituais nos arredores do estádio. Lá dentro, bancadas cheias: metade verde, metade aquela cor. O primeiro disparo foi para a mata do Jamor, perto da praça da maratona. O segundo acertou no meio do topo norte onde milhares gritavam bem alto o nome do grande Sporting. Segui com os olhos toda a trajectória do very light de um topo ao outro, empoleirado no clássico muro de pedra exactamente atrás da baliza de Costinha. O jogo tinha terminado ali. Houve tentativa de invasão ao campo, faixas roubadas, vedações partidas, muita raiva. Não vi mais nenhum dos golos. Mas vi um homem a passar à minha frente, carregado por outros, com um enorme buraco no peito a deitar fumo. Essa imagem nunca saiu da minha cabeça. Depois foi o que se sabe pelas ruas de Lisboa. Toda a gente sabia ao intervalo o que tinha acontecido e ninguém foi capaz de interromper o jogo. Lembro-me mais tarde de ver dois golos de João Pinto. Estas coisas não se esquecem. Também por isto nunca festejei nenhum dos que marcou de leão ao peito. E também me lembro de ver na televisão o Paulo Bento festejar em frente ao topo sul. O mesmo topo de onde tinha, pouco antes, saído um disparo em direcção a nós. Podia ter sido eu. Tive sorte. Estas coisas não se esquecem.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:04 | link do post

Desde quando é que a pop serve para pedir segurança e estabilidade, vidas burguesas e deprimentes, em escritórios e armazéns, com contratos vitalícios e subsídios de férias?

 

da Silva, Chico Mendes da Silva



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:03 | link do post

Esta semana, André Abrantes Amaral e Antonieta Lopes da Costa em debate com Francisco Proença de Carvalho e João Maria Condeixa.

Juntos, analisam alguns dos principais temas da actualidade:

 

- Moções de Censura - um prenúncio de morte ou um balão de oxigénio para o governo?


- Ministro Rui Pereira - depois dos blindados e das eleições - com pedidos de demissão - assistimos a uma espécie de trapalhada com a vigilância da costa portuguesa. Parece que agora é feita à base de binóculos, em vez de radares? Deverá ser Rui Pereira um dos remodeláveis, esse trunfo que Sócrates vai tentando adiar?

 

- Pacto de Competitividade - Merkel propôs medidas controversas para a uniformização das políticas fiscais dos Estados-membro da UE. É a única receita possível, ou uma machadada na soberania? 

 

- Egipto - Depois de 18 dias de intensos protestos, Mubarak caiu, a 11 de Fevereiro. E agora? Será este acontecimento a queda do “muro de Berlim” dos países do Médio Oriente?

 

“Descubra as Diferenças”… Um programa de opinião livre e contraditório, onde o politicamente correcto é corrido a quatro vozes e nenhuma figura é poupada. No final de cada emissão, fique para ouvir a já clássica “cereja em cima do bolo”: uma música, em irónica dedicatória, ao político/figura/situação em destaque na semana.

PODCAST: http://descubraasdiferencas.podomatic.com



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 11:05 | link do post | comentar

Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011

Rui Pereira gere três coisas: eleições, segurança e protecção civil. Que não venha um sismo porque o senhor já se antecipou e passou de ministro a sinistro. 



publicado por Francisco Teixeira às 23:37 | link do post | comentar

 

 

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:09 | link do post | comentar

Deixem-me ver se percebo. Campanhas contra o racismo ou a favor da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres também são ideológicas? Esclareçam-me: a luta contra a homofobia é uma luta ideológica? Assim sendo, o Governo está ideologicamente ao lado dos que acham que não se deve combater a homofobia. É assim, não é? É preciso ser muito cretino.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:33 | link do post

Ou seja, no Bahrain pede-se mudança dentro do mesmo regime, no Irão mudança e um novo regime. No Médio Oriente há um dominó de razões coincidentes, embora as peças em cima do tabuleiro se distingam na exacta medida das particularidades de cada Estado.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:52 | link do post

Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011

Em vez de um governador frontal há por aí quem prefira um INE à espanhola: "El INE corrige el crecimiento intertrimestral - la economia cayó un 0,0248846796326418% en el tercer trimestre".



publicado por Francisco Teixeira às 22:44 | link do post | comentar

"Desemprego cresce à custa das mulheres e dos mais qualificados" e "os jovens também estão entre os mais afectados pelo fenómeno em especial os mais qualificados". Não é um crítico de música pimba que o diz, é o INE.



publicado por Francisco Teixeira às 22:21 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Este governador tem um pecado capital: o seu antecessor. É como o Hélder Postiga... Ainda assim, nada, mesmo nada, justifica isto. As lições de economia deviam ter sido dadas até 2002, antes do pântano.



publicado por Francisco Teixeira às 22:16 | link do post | comentar

Victor Escaria, assessor económico do primeiro-ministro, disse hoje numa cerimónia pública que a Justiça é o grande entrave à competitividade. Tinha ideia que é por lá que um secretário de Estado saiu ha três meses e nunca foi substituído. Tinha ideia...



publicado por Francisco Teixeira às 21:56 | link do post | comentar

Tivemos o confronto com a PSP à porta do primeiro-ministro com festa no tribunal depois da absolvição. Tivemos as greves selectivas nos transportes. Segue-se uma greve geral da CGTP a 19 de Março. Teremos as manif´s do 25 de Abril e depois o 1º de Maio. O pê-cê aquece a rua para depois aquecer o hemiciclo. Cheira-se...



publicado por Francisco Teixeira às 21:47 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:00 | link do post

"Penso que [que a taxa de desemprego] vai ficar ligeiramente acima" dos 10,6% previstos pelo Governo, disse 0 Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional, Valter Lemos, à Lusa". 17 Janeiro de 2011

 

"A taxa de desemprego no quarto trimestre de 2010 aumentou 1 ponto percentual em termos homólogos e 0,2 pontos percentuais em cadeia, para 11,1%, tendo acabado 2010 nos 10,8%, superando a meta do Governo de 10,6%".

16 de Fevereiro de 2011

 



publicado por Francisco Teixeira às 14:57 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Ou Portugal segue o exemplo americano ou segue o inglês. Nos Estados Unidos entra uma administração nova e, com ela, entram todos os dirigentes públicos de topo. Em Inglaterra, mudam os governos mas não mudam os principais directores. Por cá, os ministros dizem, com orgulho!, que não foram nomeados 41 "boys". Foram apenas promovidos 41 militantes do PS que já trabalhavam na Segurança Social há mais de 30 anos. Com que critério? Confiança política ou confiança técnica?



publicado por Francisco Teixeira às 11:18 | link do post | comentar

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011

Perfeito



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:33 | link do post

Muito bom!



publicado por Francisco Teixeira às 14:52 | link do post | comentar

Foi ontem libertado pela justiça americana Mohammed Babar, o único cúmplice dos ataques terroristas de Londres até hoje detido. Sentença inicial, 70 anos; anos preso: quatro e meio. Não há muito tempo, o governo de Gordon Brown libertou o terrorista de Lockerbie, causando repúdio na Administração Obama. Hoje, só resta a David Cameron retribuir a franqueza.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:17 | link do post

 

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 01:20 | link do post

Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011

O BE teve uma demissão na mesa nacional. Paulo Silva sai devido ao "profundo desrespeito" por este órgão que reuniu cinco dias antes de Francisco Louçã anunciar a dita moção da vergonha, ups! desculpem, censura. Parece que o assunto não foi à mesa...



publicado por Francisco Teixeira às 18:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)

 

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:24 | link do post

Sócrates: "Queria chamar a atenção para o facto mais importante. Terminámos o ano de 2010 com um  crescimento económico de 1,4 por cento. Quanto é que o Governo no seu orçamento previu de crescimento económico para 2010? 0,7 por cento. Temos o dobro do crescimento em 2010 do que o próprio Governo estimou".

 

Mercados: Juro de Portugal avança para 7,4%.

 

P.S. OCDE diz que as coisas vão melhorar.



publicado por Francisco Teixeira às 16:15 | link do post | comentar

"Economia portuguesa cai 0,3% no último trimestre de 2010".

 

 



publicado por Francisco Teixeira às 11:17 | link do post | comentar

Em 1969, na Universidade de Stanford, o Prof. Phillip Zimbardo realizou uma experiência de psicologia social. Deixou duas viaturas abandonadas na via pública, duas viaturas idênticas, da mesma marca, modelo e até cor. Uma deixou em Bronx, na altura uma zona pobre e conflituosa de Nova York e a outra em Palo Alto, uma zona rica e tranquila da California. Duas viaturas idênticas abandonadas, dois bairros com populações muito diferentes e uma equipa de especialistas em psicologia social estudando as condutas das pessoas em cada sítio. Resultou que a viatura abandonada em Bronx começou a ser vandalizada em poucas horas. Perdeu as jantes, o motor, os espelhos, o rádio, etc. Levaram tudo o que fosse aproveitável e aquilo que não puderam levar, destruíram. Contrariamente, a viatura abandonada em Palo Alto manteve-se intacta. É comum atribuir à pobreza as causas de delito. Atribuição em que coincidem as posições ideológicas mais conservadoras, (da direita e esquerda). Contudo, a experiência em questão não terminou aí, quando a viatura abandonada em Bronx já estava desfeita e a de Palo Alto estava há uma semana impecável, os investigadores partiram um vidro do automóvel de Palo Alto. O resultado foi que se desencadeou o mesmo processo que o de Bronx, e o roubo, a violência e o vandalismo reduziram o veículo ao mesmo estado que o do bairro pobre.

Porquê que o vidro partido na viatura abandonada num bairro supostamente seguro, é capaz de disparar todo um processo delituoso?

Não se trata de pobreza. Evidentemente é algo que tem que ver com a psicologia humana e com as relações sociais. Um vidro partido numa viatura abandonada transmite uma ideia de deterioração, de desinteresse, de despreocupação que vai quebrar os códigos de convivência, como de ausência de lei, de normas, de regras, como que vale tudo. Cada novo ataque que a viatura sofre reafirma e multiplica essa ideia, até que a escalada de actos cada vez piores, se torna incontrolável, desembocando numa violência irracional.

Em experiências posteriores (James Q. Wilson e George Kelling), desenvolveram a 'Teoria das Janelas Partidas', a mesma que de um ponto de vista criminalístico, conclui que o delito é maior nas zonas onde o descuido, a sujidade, a desordem e o maltrato são maiores. Se se parte um vidro de uma janela de um edifício e ninguém o repara, muito rapidamente estarão partidos todos os demais. Se uma comunidade exibe sinais de deterioração e isto parece não importar a ninguém, então ali se gerará o delito.

Se se cometem 'pequenas faltas' (estacionar-se em lugar proibido, exceder o limite de velocidade ou passar-se um semáforo vermelho) e as mesmas não são sancionadas, então começam as faltas maiores e logo delitos cada vez mais graves. Se se permitem atitudes violentas como algo normal no desenvolvimento das crianças, o padrão de desenvolvimento será de maior violência quando estas pessoas forem adultas. Se os parques e outros espaços públicos deteriorados são progressivamente abandonados pela maioria das pessoas (que deixa de sair das suas casas por temor aos gangs), estes mesmos espaços abandonados pelas pessoas são progressivamente ocupados pelos delinquentes.

A Teoria das Janelas Partida foi aplicada pela primeira vez em meados da década de 80 no metro de Nova York, o qual se havia convertido no ponto mais perigoso da cidade. Começou-se por combater as pequenas transgressões: graffitis deteriorando o lugar, sujidade das estacões, ebriedade entre o público, evasões ao pagamento de passagem, pequenos roubos e desordens. Os resultados foram evidentes. Começando pelo pequeno conseguiu-se fazer do metro um lugar seguro.

Posteriormente, em 1994, Rudolph Giuliani, mayor de Nova York, baseado na Teoria das Janelas Partidas e na experiência do metro, impulsionou uma política de 'Tolerância Zero'. A estratégia consistia em criar comunidades limpas e ordenadas, não permitindo transgressões à Lei e às normas de convivência urbana. O resultado prático foi uma enorme redução de todos os índices criminais da cidade de Nova York. A expressão 'Tolerância Zero' soa a uma espécie de solução autoritária e repressiva, mas o seu conceito principal é muito mais a prevenção e promoção de condições sociais de segurança. Não se trata de linchar o delinquente, nem da prepotência da polícia, de facto, a respeito dos abusos de autoridade deve também aplicar-se a tolerância zero. Não é tolerância zero em relação à pessoa que comete o delito, mas tolerância zero em relação ao próprio delito.

Trata-se de criar comunidades limpas, ordenadas, respeitosas da lei e dos códigos básicos da convivência social humana.

 

* texto recebido por e-mail



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 11:16 | link do post | comentar

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011

Trazer o PSD para esta discussão não faz qualquer tipo de sentido. Será que alguém, dentro ou fora do partido, acha que se deve ir a reboque da agenda dum pequeno partido e prescindir de liderar o processo político ? O PSD não é um partido de protesto, é um partido com responsabilidades, que já governou e que irá, mais cedo ou mais tarde, voltar a guiar os destinos da comunidade.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:45 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds