Domingo, 23 de Outubro de 2011


publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:57 | link do post

Foi a cooperação institucional mais curta da história da nossa democracia.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 08:48 | link do post | comentar

Sábado, 22 de Outubro de 2011

A Tunísia tem vantagens na corrida magrebina por dias melhores, mesmo que este processo eleitoral não tenha sido brilhante.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:55 | link do post

Sexta-feira, 21 de Outubro de 2011


publicado por Francisco Teixeira às 12:45 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quem diria, há um ano, que os mesmos que privaram na tenda com Kadhafi estivessem hoje a saudar a sua morte? É mesmo assim o reino dos homens. E da política.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:13 | link do post

Quinta-feira, 20 de Outubro de 2011

 O CDS vai criar um conselho de avaliação dos compromissos eleitorais. Tradução: vamos começar já a pôr o corpinho de fora.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:48 | link do post | comentar

Sou completamente a favor do comentário (televisivo ou não) pago. Subscrevo na íntegra o que diz Ferreira Fernandes: "Um comentador televisivo é um sábio e um comunicador, uma cabeça que pensa, de quem podemos suspeitar ou conhecer as suas tendências mas com quem nunca ficamos a perder escutando". Até admito que isso seja alcançado com o comentário televisivo de Carvalho da Silva. Mas, pelo absurdo, comparemos: Pedro Passos Coelho passa a ter um espaço de comentário na televisão pública. Deve ser pago? Claro que não. Porquê? Carvalho da Silva tem o seu espaço na televisão pública enquanto representante da maior central sindical do país ou enquanto analista? Deve ser pago por ir defender a visão da CGTP na têvê do Estado? Não tenho dúvidas de que não deve. É como um ministro passar a receber, mesmo que simbolicamente, cada vez que dá uma entrevista à televisão de todos nós...



publicado por Francisco Teixeira às 15:59 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Uma  coisa a que alguns chamam jornal decidiu publicar os vencimentos de pessoas que dão a sua opinião na RTP. Entre elas está Carvalho da Silva. Discordo dele a maior parte das vezes. O que não posso aceitar, o que acho insultuoso é que alguém possa pôr em causa o facto de ser pago. Carvalho da Silva é, quer se queira quer não, uma das mais importantes figuras portuguesas. Lidera a mais importante organização sindical portuguesa, tem várias obras publicadas e, como é evidente, tem de trabalhar para preparar as suas intervenções. De certeza absoluta que não foi obrigado a assinar o contrato. Queriam o quê: trabalho sem contrapartida?

Como é evidente esta opinião estende-se a todos os que têm o mesmo trabalho, seja essa a sua actividade principal ou secundária. A RTP decidiu não pagar a políticos. Muito bem. Quem quer fica, quem não quer não fica. O canal que contratar Carvalho da Silva faz uma grande contratação.  



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:49 | link do post

A primazia americana em queda depende dos brutais aumentos do seu valor económico, capitalização empresarial e volume de exportações. Conquistar mercados asiáticos é o Santo Graal do pódio internacional. E nenhum Presidente americano quer entregar a medalha de ouro.

 

Hoje no Diário de Notícias

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:06 | link do post

O Correio da Manhã diz que Carvalho da Silva ganha 1,2 salários mínimos (600 euros) por semana por falar na RTP - 2.400 euros/mês (são 59,3 subsídios de Natal para quem ganha 485 euros).



publicado por Francisco Teixeira às 11:26 | link do post | comentar

Na semana passada Cavaco Silva fez um bom discurso em Florença. Gostei de ouvir: a Europa não pode ter uma sentença por cabeça num momento em que o Mundo cai ao bocados e as críticas construtivas devem ser feitas nas instituições e não em directórios informais. Passou uma semana e, ontem, o mesmo Cavaco esqueceu-se do que tinha dito: contribuiu para a cacofonia sobre o OE e esqueceu-se que não é à saída de uma conferência, num momento informal, que deve arrasar o Governo. Até parece que tem marcado um Conselho de Estado para a semana.



publicado por Francisco Teixeira às 11:15 | link do post | comentar

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

A brasileira deve andar nos ácidos. Primeiro foram aquelas bandeirinhas ridículas nas lapelas dos membros do governo, agora são balões na AR.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:12 | link do post | comentar

As declarações de Cavaco vão tirar muitos coelhos da toca.



publicado por Pedro Marques Lopes às 14:57 | link do post | comentar

Terça-feira, 18 de Outubro de 2011


publicado por Francisco Teixeira às 23:09 | link do post | comentar

Vários eurodeputados portugueses confirmaram e relataram a presença de Ana Gomes num almoço na semana passada, em Bruxelas, com o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros. A amnésia anda mesmo a atacar alguma esquerda... 



publicado por Francisco Teixeira às 23:02 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quantos desenhos serão precisos para o Governo entender?



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:52 | link do post | comentar

A emergência do curto prazo pode bloquear o médio prazo. Já para não falar do longo prazo....



publicado por Francisco Teixeira às 16:49 | link do post | comentar

Ouvi João Cravinho atirar-se ao OE/2012. Já sabia, hoje confirmei: é um homem SCUT - Sem Consideração pelo Ultraje Total.



publicado por Francisco Teixeira às 14:19 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Parece-me tudo claro, mas ao mesmo tempo bastante determinista. O governo e agências de internacionalização terão certamente um papel importante, mas não se substituem aos empresários, a quem cabe arriscar e encontrar mercados para lá do mapa político.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:58 | link do post

É inegável que a suspensão dos subsídios de natal e férias é uma medida com um impacto muito gravoso na vida das pessoas, que terão muita dificuldade em adaptar os seus custos a uma quebra relevante do seu rendimento. Portanto, seria óptimo que a economia deste país conseguisse sustentar estas e outras regalias que criámos ao abrigo da construção de um Estado Social que, hoje, é provavelmente a grande causa da nossa incapacidade de nos sustentarmos sem ajuda externa.

Ao contrário do que afirma o Ministro das Finanças, parece-me improvável e até indesejável que estes subsídios venham a ser repostos (pelo menos nos moldes actuais) na função pública. Aliás, a tendência é que também no sector privado venham a ser restringidos ou, no mínimo, reformulados. E faz sentido que assim seja! Num país que tem um claro problema de produtividade, não se afigura muito sustentável trabalhar 11 meses e receber 14. Sendo que, considerando os custos com a segurança social, uma empresa paga efectivamente como se um trabalhador produzisse durante 15 ou 16 meses. É também evidente que é conceptualmente estranho que um reformado receba, por exemplo, subsídio de férias. É verdade que em termos médios os salários e as reformas dos Portugueses são baixos, mas não vejo qualquer razão para que a atenuação dessa realidade tenha de ser feita através destes ou outros subsídios. Portanto, na perspectiva de que um dia sairemos desta crise, penso que nos devemos bater por melhores salários anuais, divididos pelo número de meses que tem o calendário. É uma questão de lógica e de sustentabilidade de todo um sistema.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 12:13 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Augusto Mateus: a factura, à saída de um hospital do SNS, deve contemplar a taxa moderadora mas também o custo efectivo do serviço prestado.



publicado por Francisco Teixeira às 11:50 | link do post | comentar

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2011

Cheira-me que vai ser difícil ouvir reacções do CDS ao OE.

Entretanto lá vão dizendo que são preciso mais explicações, que é preciso falar de crescimento económico. 



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:57 | link do post | comentar

Já ouvi isto em qualquer lado, ou se calhar isto é uma mistura de coisas de que gosto. Não sei, gosto prontus


publicado por Pedro Marques Lopes às 17:16 | link do post | comentar

Vítor Gaspar faz declaração às 18:00



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 15:45 | link do post | comentar

Fui confessadamente um indignado. Quando gastámos o que não tínhamos, escondemos o que não devíamos, adulteramos o que deveríamos ter mostrado e não fizemos o que deveríamos ter feito. Hoje estou bem mais resignado do que indignado.



publicado por Francisco Teixeira às 14:44 | link do post | comentar

O problema dos “indignados” é que, salvo honrosas excepções, quando os vimos ou ouvimos falar, dá a sensação que seriam indignados em qualquer sistema... que implique levantar de manhã cedo para trabalhar e cumprir obrigações próprias de uma sociedade. E isso fere a credibilidade de qualquer protesto...



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 14:24 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Hoje escrevo aqui



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 12:40 | link do post | comentar

Domingo, 16 de Outubro de 2011

Numa altura em que tanto se fala de responsabilidade dos políticos, gostaria de saber em que medidas estão a pensar para penalizar os governantes que fazem exactamente o oposto do que diziam ir fazer.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:51 | link do post | comentar

 
A isto é que eu chamo democracia cristã.

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:38 | link do post

Esta história dos desvios já passou todos os limites. O Governo já veio com meia-dúzia de versões diferentes e a Comissão Europeia e o FMI já o desdisseram outras tantas. Entretanto, aparentemente, em função dos ditos os portugueses são obrigados aos mais impensáveis sacrifícios. A bem do cabal esclarecimento da questão é obrigação do Governo convocar uma conferência de imprensa e explicar direitinho onde afinal estão os desvios. Pelo menos acabava-se dum vez por todas este ruído ensurdecedor.   


publicado por Pedro Marques Lopes às 00:23 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds