Terça-feira, 29 de Novembro de 2011

Os hackers continuam a mandar abaixo sites, Soares quase que pede uma revolução, Seguro dá a mão às manifestações porque a austeridade não está repartida (via RR), a extrema-esquerda pede mais greves gerais (Luís Fazenda, Sic Notícias), da concertação social não sai fumo branco, os banqueiros continuam a atirar-se à 'troika' (Ulrich), há quem diga que o euro tem semanas de vida (Pintassilgo) e a criminalidade aumenta (RTP e Sic). O VPV dizia há uns quatro anos "o mundo anda perigoso". Andava. Agora casou-se com as labaredas.



publicado por Francisco Teixeira às 22:35 | link do post | comentar

Estes senhores são muito lestos a disparar para a direita - e fazem-no, até, com destreza e 'savoir faire' - mas incapazes de se ver ao espelho. Será que ainda não deram pelo conflito aberto que vai na bancada do PS?

 

 



publicado por Francisco Teixeira às 18:48 | link do post | comentar

Se há momento para aproximar a UE da Turquia é este: monitoriza-se a emergência dos partidos islamistas na sua vizinhança e forjam-se novos círculos de poder dentro da UE capazes de limitar o directório franco-alemão. Razões de sobra para que regresse o debate.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:09 | link do post

Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

Acabo de ver pela primeira vez que há um penalti não marcado a favor do Sporting! Aos 48:35 Obi-kué-ú é impedido de chegar à bola...[o jogo falado faz milagres]



publicado por Francisco Teixeira às 23:17 | link do post | comentar

 

 

Minuto 8.54. Aguardo apuramento de responsabilidades por parte do ministério público.


publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:23 | link do post

O derby voltou. O grande jogo por que vale a pena ir à bola, fugir da tv, beber uns canecos e gritar bem alto o nome do nosso clube, da nossa paixão eterna, aquela que nunca mudará nem será trocada por nada. Este sábado o grande derby regressou. Já tinha saudades. Do cortejo até ao galinheiro, da rivalidade nos últimos tempos meio adormecida, de ter uma equipa capaz de lutar pela vitória. Nos últimos anos isto andava mais próximo da ópera do que de um derby. Venha o próximo.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 22:07 | link do post

Andam por aí muitos... Especialmente depois de Sábado. O que vale é que já estamos habituados.


publicado por Francisco Proença de Carvalho às 21:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)

"Quando sair este jornal, a Maria João e eu estaremos a caminho do IPO de Lisboa, à porta do qual compraremos o PÚBLICO de hoje. Hoje ela será internada e hoje à noite, desde o mês de Setembro do ano passado, será a primeira vez que dormiremos sem ser jun...tos.

O meu plano é que, quando me expulsarem do IPO, ela se lembre de ir ler o PÚBLICO... e leia esta crónica a dizer que já estou cheio de saudades dela. É a melhor maneira que tenho de estar perto dela, quando não me deixam estar. Mesmo ficando num hotel a 30 passos dela, dói-me de muito mais longe.

O IPO consegue ser uma segunda casa. Nenhum outro hospital consegue ser isso. Podem ser hospitais muito bons. Mas não são como uma casa. O IPO é. Há uma alegria, um humor, uma dedicação e uma solidariedade, bem-educada e generosa, que não poderiam ser mais diferentes da nossa atitude e maneira de ser - resignada, fatalista e piegas - que são o default institucional da nacionalidade portuguesa. É graxa? Para que tratem bem a Maria João? Talvez seja. Mas é merecida. Até porque toda a gente que os três IPO de Portugal tratam é tratada como se tivesse direito a todas as regalias. Há muitos elogios que, não obstante serem feitos para nos beneficiarem, não deixam de ser absolutamente justos e justificados.

Este é um deles. Eu estou aqui ao pé de ti. Como tu estás ao pé de mim. Chorar em público é como pedir que nada de mau nos aconteça. É uma sorte. É o contrário do luto. Volta para mim".

Miguel Esteves Cardoso, "Público", 28 Novembro de 2011



publicado por Francisco Teixeira às 18:11 | link do post | comentar

E se os adeptos do Benfica fossem sentadinhos no fosso com umas televisões a projectar o jogo aos quadradinhos?



publicado por Francisco Teixeira às 17:58 | link do post | comentar

Igreja Caravela.



publicado por Francisco Teixeira às 17:21 | link do post | comentar

1. Foi uma "troca de informações" win-win: PS e PSD saem a ganhar depois de ter sido aumentado o tecto mínimo dos cortes na função pública e de ter sido alargado o tecto máximo. 

2. Para o Governo era mais importante dar um sinal de abertura ao PS, do que para o PS dar um sinal de que condicionou o Governo.

3. Seguro poderia ter ido mais longe mas isso implicaria o reconhecimento de que não existe "almofada".

4. Quem perde são todos os portugueses não abrangidos por esta revisão do OE.



publicado por Francisco Teixeira às 14:33 | link do post | comentar

Domingo, 27 de Novembro de 2011

A vidinha está difícil, a coisa vai mesmo a apertar. Depois do galinheiro em que tornaram o Estádio da Luz, qual capoeira qual quê, só faltava ver um galináceo a falar de fossos e companhia. A vida já está uma selva, para quê complicar? 



publicado por Francisco Teixeira às 22:58 | link do post | comentar



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:07 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:55 | link do post

Anda para aí um tipo com muita vontade de conhecer o meu curriculum vitae. Eu bem sei que ele está numa fase em que está a oferecer empregos, mas parece que para a triste figura é preciso ser arguido para se ir para a instituição que agora dirige. Não cumpro assim sendo um dos requisitos necessários.

Por outro lado, é conhecida a capacidade do indivíduo em converter todos os sítios onde passa em circos. Como não tenho jeito para palhaço, e mesmo que tivesse, essa função fica sempre a cargo dele - e nisso é imbatível -, não estou a ver onde me podia encaixar.

No fundo, o tipo é um querido. A mim diverte-me, o que já não é pouco nos tempos que correm.



publicado por Pedro Marques Lopes às 13:28 | link do post | comentar

Pois é, fiz greve, lado a lado com quem não queria, consciente de que as minhas razões são diferentes, muito diferentes, das de outros que também a fizeram, mas com a esperança de que quem partilha as minhas convicções também fez ou, pelo menos, teve vontade de fazer. Estou convencido de que o meu acto de pouco serviu, mas sinto-me muito mais aliviado.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:55 | link do post | comentar

Sábado, 26 de Novembro de 2011

Há aqui qualquer coisa que não bate certo.



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:17 | link do post | comentar

Mas há margem para o pior acontecer: mais marginalização dos coptas, das mulheres e dos "facebookers"; a Irmandade impondo programa sectário; a ausência de líderes responsáveis. E só eles poderão evitar uma guerra civil.

 

Hoje no Diário de Notícias

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:54 | link do post

Sexta-feira, 25 de Novembro de 2011

"Portugal teve tantas greves gerais nos últimos 90 anos quantas os gregos tiveram no último ano: 8". Ouvida no Expresso da meia-noite, Sic-Notícias.



publicado por Francisco Teixeira às 23:08 | link do post | comentar

Além do timing, também o tempo é tudo em política. E já se percebeu que o tempo dos generais no poder do Egipto terminou. Nisso, islamistas, secularistas, liberais, desempregados, funcionários públicos ou empresários, estão de acordo. O grande desafio vai ser estarem de acordo sobre tudo o resto.

 

Ontem no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:41 | link do post

Quinta-feira, 24 de Novembro de 2011

Tal como o Pedro (e também como o Francisco), não gosto de censurar os gostos dos outros, cuscar os seus mais íntimos vícios ou saber se eles andam em turística ou em primeira classe. Acho mesmo que esta obsessão vouyeur instalada em Portugal, com o único objectivo de queimar o carácter das pessoas (sem qualquer direito a defesa) e de alimentar capas de jornais, está a minar fatalmente a discussão política.

Ainda assim, é um facto que o sindicalismo em Portugal está há décadas deitado numa confortável espreguiçadeira, sob a sombra de uma bananeira, a fumar um belo Cohiba e a ler uns papéis que dizem sempre a mesma coisa. É degradante e mesmo chocante ver professores sindicalistas que não dão uma aula há 30 anos, operários sindicalistas que nunca sentiram o esforço de trabalhar numa fábrica e cobardes que se organizam em matilhas raivosas (denominadas piquetes) para condicionarem a liberdade daqueles que querem ter o direito a não fazer greve. Muitos destes profissionais do sindicato, na sua absoluta recusa em aceitar a mudança, nunca protegeram os trabalhadores, mas sim os próprios interesses de sobrevivência dos sindicatos e outros interesses instalados que ajudaram o país a falir.

Portanto, com algumas excepções, o movimento sindical português não me merece grande consideração.

Quanto à greve, é obviamente um direito basilar e inalienável de qualquer democracia, mas escusam de a chamar geral. São greves do sector público e pouco mais…e 99% deste “pouco mais” são aqueles que não conseguiram ir trabalhar por causa da greve dos outros.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 23:58 | link do post | comentar | ver comentários (3)

"Ainda não tivemos movimentos de grande comoção cívica e protestos no meio da rua. Por enquanto, tudo está dentro das regras de funcionamento de um país democrático, como é o nosso, e esperemos que assim continue e que a crise seja vencida" - Eduardo Lourenço.



publicado por Francisco Teixeira às 23:03 | link do post | comentar

A imagem não é tudo, mas para quem faz do palco público a sua vida...conta muito. A imaginação é um campo sem limites, mas é muito condicionada pelas imagens que fixamos. A última imagem que fixei de João Proença foi esta, publicada pelo Sol há seis dias. Cruzemos a imagem com a imaginação e troquemos João Proença por Pedro Passos Coelho, que nos prometia um Governo frugal e realista. Hoje se ouvisse, em dia de greve geral, o primeiro-ministro no Fórum TSF, não precisaria de fechar os olhos e recordar a tal imagem (Passos, refastelado numa cadeira à beira da piscina com um charuto na boca) porque todos os sindicalistas (encartados ou não) a levariam estampada em cartazes para a Praça do Rossio. A última imagem que fixei de Cavaco Silva foi a de um staff sem fim que o acompanhou aos Açores. A última que fixei de Sócrates foi a de um grande discurso feito por um mau primeiro-ministro. A liberdade de opinião é, assim, como a liberdade de imaginação: não paga imposto, só responsabiliza o próprio e não se confunde com amizades. Ainda bem.

Quanto à greve digo o óbvio: todos têm direito à greve, mas todos devem ter o direito a trabalhar.  



publicado por Francisco Teixeira às 13:11 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Não é preciso voltar a lembrar que a opinião neste blog é livre e apenas vincula quem a exprime. Isto para dizer tão somente que discordo em absoluto do que o Francisco escreveu e deixou implícito aqui em baixo.

Não sei o que diacho tem a ver a actividade sindical do João Proença, pessoa que muito considero, com as suas viagens, onde fica, em que lugar do avião se senta, se fuma cigarros ou charutos ou o que faz com o seu dinheiro.

Se não conseguimos distinguir o que é a sã discussão política, as divergências normais de opinião em democracia e as misturamos com remoques pessoais completamente inapropriados, caímos apenas no campo da má língua e maledicência barata. Custa-me muito ver isto num sitio onde escrevo e, sobretudo, ver uma pessoa de quem sou amigo escrever o que escreveu.



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:48 | link do post | comentar

Enquanto ouvia João Proença a perorar sobre piquetes, muitos direitos e deveres intermitentes, uma imagem não me saía da cabeça.




publicado por Francisco Teixeira às 12:06 | link do post | comentar

A notícia da greve sempre foi a percentagem de grevistas. A partir de hoje será a percentagem de piquetes.



publicado por Francisco Teixeira às 12:02 | link do post | comentar

O barómetro deste mês diz-nos três coisas: 

1. O PSD cresce, o PS está estanque, os pequenos partidos caem.

2. Passos Coelho é o mais popular dos protagonistas políticos.

3. Ninguém vislumbra alternativa ou "novo rumo".

Apesar da austeridade anunciada e sentida, acima do que sucedeu no passado em circunstâncias idênticas, é a tendência natural das coisas. Seguro terá uma vida difícil se quiser chegar a 2015.



publicado por Francisco Teixeira às 11:56 | link do post | comentar

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2011



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 22:20 | link do post | comentar

Jardim, dizem, já levava carrinhas cheias de eleitores até às urnas. Agora inovou: mete um deputado no parlamento regional a votar por 25.



publicado por Francisco Teixeira às 15:31 | link do post | comentar

Como sempre, em boa forma.



publicado por Francisco Teixeira às 11:18 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds