Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2012
Os alemães estão dispostos a ajudar Portugal porque reconhecem o trabalho que está a ser feito por todos os portugueses (o mérito se existe é de todos). A oposição não está nada contente: como se pode ser piegas se as coisas estão a correr bem? É duro? Sim. Há alternativa? Ainda não vi nenhuma.


publicado por Francisco Teixeira às 13:06 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2012

 

 

Baltasar Garzón foi hoje condenado a 11 anos de suspensão do exercício da profissão, por ter ordenado escutas ilegais entre advogados e arguidos.

A generalidade da opinião pública vai dizer que Garzón está a pagar por ter sido o corajoso a meter os poderosos na ordem. Mas não é verdade! Foi condenado porque as democracias devem proteger os Juizes, mas não podem tolerar os justiceiros.

Em Portugal, Espanha ou em qualquer parte do mundo democrático, os fins não podem justificar todos e quaisquer meios.

Nunca se esqueça disso, Senhora Ministra da Justiça.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 17:59 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Talvez a grande questão destas primárias, até à clarificação na superterça-feira (6 de março), seja esta: é Santorum a alternativa conservadora a Romney ou uma alternativa conservadora a Obama?

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:08 | link do post

Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012

Sempre considerei uma pieguice a actual discussão em torno da liberdade de imprensa e da suposta censura em Portugal. Já o foi aquando da polémica em torno do afastamento de Manuela Moura Guedes e continua a ser a propósito do fim do programa da Antena 1. Basta olhar para as capas de jornais e conteúdos “informativos” de grande parte dos nossos Media, para se concluir que liberdade de imprensa e de opinião é coisa que não falta por aqui. Aliás, muitas vezes o que falta é responsabilidade (algo que, no meu entender, deveria estar sempre associado à liberdade), pois não raras vezes o que se faz, dolosamente, é difamar, difundir falsidades e alarvidades, numa roda absolutamente livre, intocável e irresponsável.

Existirão pressões? Acredito que sim. Mas a pressão faz parte da vida e é praticada, mutuamente, por jornalistas, políticos e opinião pública em geral. Não existem santos nesta matéria, mas não vale a pena dramatizar. Quem não sabe lidar com pressões, mude de vida. Não opine, não julgue, não lidere! E, já agora, não seja piegas.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 19:19 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Alberto João Jardim até tem alguma razão (e o "alguma" está aqui não por acaso), quando diz que Merkel fez declarações "ignorantes" sobre o uso de fundos estruturais na Madeira. Mas como conta a história do Pedro e do Lobo, hoje ninguém fora da ilha acredita em Jardim. Nem mesmo os madeirenses que fora dela vivem. 



publicado por Francisco Teixeira às 15:57 | link do post | comentar

No primeiro episódio prometia-se mundos e fundos. Se a memória não me falha, até se ouviu falar em censura política na RDP. Agora que a novela chega ao fim é já fácil perceber o que está em causa: uma discussão de pessoas e não de instituições. Ainda bem.



publicado por Francisco Teixeira às 10:48 | link do post | comentar | ver comentários (12)

"Não leia, isto é 75 anos de velho

A agência de rating Moody's baixa a nota da Grécia; as taxas de juro explodem; o país declara falência; a população revolta-se; o exército toma o poder, declara-se o estado de urgência e um general é entronizado ditador; a Moody's, arrependida pelas consequências, pede desculpa... "Alto!", grita-me um leitor, que prossegue: "Então, você começa por dizer que vai recapitular e, depois de duas patacoadas que todos conhecemos, lança-se para um futuro de ficção científica?!" Perdão, volto a escrever: então, recapitulemos. Só estou a falar de passado e vou repetir-me, agora com pormenores. A Moody's, fundada em 1909, não viu chegar a crise bolsista de 1929. Admoestada pelo Tesouro americano por essa falta de atenção, decidiu mostrar serviço e deu nota negativa à Grécia, em 1931. A moeda nacional (dracma) desfez-se, os capitais fugiram, as taxas de juros subiram em flecha, o povo, com a corda na garganta, saiu à rua, o Governo de Elefthérios Venizelos (nada a ver com o Venizelos, atual ministro das Finanças) caiu, a República, também, o país tornou-se ingovernável e, em 1936, o general Metaxas fechou o Parlamento e declarou um Estado fascista. Perante a sua linda obra, a Moody's declarou, nesse ano, que ia deixar de dar nota às dívidas públicas. Mais tarde voltou a dar, mas eu hoje só vim aqui para dizer que nem sempre as tragédias se repetem em farsa, como dizia o outro. Às vezes, repetem-se simplesmente".



publicado por Francisco Teixeira às 10:26 | link do post | comentar

Portugal fez duas privatizações extraordinárias se tivermos em conta o contexto (do euro aos downgrades que ocorreram já durante o negócio), o capital atraído e os prazos apertados. Passos Coelho usava o sucesso das privatizações - os 25% da REN e os 21,35% da EDP- quando pediu para o país não ser piegas. É não conhecer Portugal. Ou pedir a um sportinguista para não sofrer. Ou a um comentador do PSD para não criticar o governo...do PSD.



publicado por Francisco Teixeira às 00:50 | link do post | comentar

Merkel usou a aplicação de fundos europeus na Madeira como um exemplo do que não deve ser feito. Mal sabe a senhora que o Carnaval está à porta....



publicado por Francisco Teixeira às 00:39 | link do post | comentar | ver comentários (1)

"Rui Rio acusava-o de laxismo".



publicado por Francisco Teixeira às 00:15 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Terça-feira, 7 de Fevereiro de 2012

"Emigrem as pieguices por favor..."



publicado por Francisco Teixeira às 16:57 | link do post | comentar

A boa notícia é que há mais um ditador com os dias contados. A má notícia é que têm tudo para ser sangrentos. Com ou sem intervenção externa.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:52 | link do post

"E se o Governo tivesse anunciado que com o fim dos feriados acabava também o Carnaval"?



publicado por Francisco Teixeira às 11:04 | link do post | comentar

"O que diriam as claques do 5 de Outubro e do 1º de Dezembro"?



publicado por Francisco Teixeira às 10:15 | link do post | comentar

Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2012
The Smiths Complete já cá canta. Mais um bocadinho do enxoval dos meus filhos


publicado por Pedro Marques Lopes às 23:05 | link do post | comentar



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:21 | link do post | comentar

Três meses depois de ter sido o rosto da maior derrota da história do PSOE, Rubalcaba é eleito secretário-geral por uma curta margem. O partido não está unido, mas a principal questão é outra: o que o levou a dar a vitória a alguém que não há muito tempo lhe deu estrondosa derrota?

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:57 | link do post

Há quem diga que são símbolos. Ok. Talvez. Mas eu não entendo. Uma abertura do ano judicial em Janeiro quando tudo começou em Setembro e a compra da Boa Hora, no Chiado, onde não há estacionamento e quando o Estado em geral e o ministério da Justiça em particular querem é vender edifícios. Gosto de símbolos? Sim. Mas dos que continuam a fazer sentido. Não destes.



publicado por Francisco Teixeira às 12:45 | link do post | comentar

Hoje tive um pesadelo. Só pode ter sido isso: um pesadelo. A dívida pública superava os 110% do PIB, sete meses depois do PS sair do Governo (por onde andou 13 dos últimos 15 anos) e um dia depois do líder do PS dizer que não assinou nem negociou com a 'troika'. 



publicado por Francisco Teixeira às 12:17 | link do post | comentar | ver comentários (12)

Quem já fez rádio, quem já acordou durante uns aninhos às 5 e 6 da manhã para entrar num estúdio sabe do que falo: a magia do microfone. Há seis anos que não entro num, mas acompanho como ouvinte o que lá se passa e estou a gostar da luta pela pole position: Comercial vs. RFM. Um sinal de que o mercado funciona.



publicado por Francisco Teixeira às 11:50 | link do post | comentar

Morreu frente a um quiosque

 

Esta semana, o poeta e jornalista Fernando Assis Pacheco faria 75 anos e foi homenageado. Ele morreu em 1995 - à montra ou dentro de uma livraria, a lenda varia. O crítico José Mário Silva diz que o escritor galego Torrente Ballester lhe dedicou frase épica: "Morreu junto aos livros, no seu posto, como soldado no campo de batalha." Trabalhei no semanário O Jornal, um dos jornais de Assis, mas não fomos amigos. Amigo foi José Cardoso Pires que, convidado a testemunhar num aniversário da sua morte, recusou: "Não falo. Tenho muito mau perder." Assis tinha olhos que sorriam, rasgados, na redação conheci camaradas fascinados pelo seu charme e sei que a amargura pela perda do amigo poderia ser dita por muitos (embora frase tão exata só de Cardoso Pires). Esta semana houve biografia (Trabalhos e Paixões de Fernando Assis Pacheco, de Nuno Costa Santos), documentário e muitos textos em jornais. Fiquei com a sensação de que o jornalista levou uma abada do poeta (não peço perdão pelo futebolês, Assis também foi cronista desportivo) - versos evocam-se melhor. E por isso estou aqui a protestar. A notícia certa seria: "Morreu frente a um quiosque..." Um dia, com ele vivo, Miguel Esteve Cardoso escreveu: "Obrigado a Assis Pacheco pelo favor de nos escrever." MEC falava do jornalista, fazedor de textos efémeros e em papel para o lixo. Agora, lidos os jornais e revistas da semana, e com ele morto, meço o favor que perdemos todos.

 

Ferreira Fernandes



publicado por Pedro Marques Lopes às 02:03 | link do post | comentar

Não tenho visto, mas segundo aqui o Francisco, Marcelo Rebelo de Sousa tem pedido um Ministro da Presidência do Conselho de Ministros. Provavelmente, pensa que é preciso alguém que seja capaz de construir um discurso político, tenha o mínimo de cultura política e seja capaz de coordenar a actividade dos vários ministérios.

Até agora esse papel tem sido desempenhado por Miguel Relvas, e a coisa não tem corrido bem, ou melhor, tem sido um desastre. É que para fazer política e sobretudo governar é preciso um bocadinho mais do que ter habilidade para telefonar a jornalistas e controlar secções do partido.  



publicado por Pedro Marques Lopes às 00:33 | link do post | comentar

Domingo, 5 de Fevereiro de 2012

[Fecho os olhos e vejo a bancada parlamentar do PS] E Silva Pereira? E Vieira da Silva? E Zorrinho? E Alberto Martins? E Canavilhas? E Pedro Marques? E Fernando Medina? E Helena André? E Paulo Campos? E António Serrano? E António Braga? Ao contrario de Seguro estes 11 deputados estiveram no ultimo Governo, o que fechou o resgate com a troika. Tal como Seguro, os 11 candidataram-se a eleições sem criticar a venda da REN.



publicado por Francisco Teixeira às 22:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Há três semanas que Marcelo pede um ministro para a Presidência. Antes de ele avançar para a outra Presidência.



publicado por Francisco Teixeira às 22:00 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:20 | link do post

Desenganem-se os que esperam que A Dama de Ferro seja sobre o thatcherismo. Não é. É um filme sobre Thatcher, o que não é exatamente a mesma coisa. Posso dizer-vos que é a ambivalência da sua história a marca do argumento. Obstinada a não ser uma dona de casa, entra na arena política dos homens para marcar uma rutura ideológica, não um combate de sexos.

 

Hoje na Notícias Magazine



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:10 | link do post

Jardim deve convidar António Capucho para encabeçar o folião deste ano na baixa do Funchal. Pode ir mascarado de político sério e responsável.



publicado por Francisco Teixeira às 12:28 | link do post | comentar

Infelizmente, não é só Passos Coelho que está esquecido da história do século XX europeu, os actuais líderes europeus parecem sofrer da mesma amnésia.

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 11:05 | link do post | comentar

Sábado, 4 de Fevereiro de 2012

Rubalcaba pediu apenas o que os 23 votos que teve a mais do que Chacón nunca lhe darão: unidade. Quanto ao cambio, ele chegará quando o PSOE tiver um líder a sério. E bem precisa.



publicado por Francisco Teixeira às 23:50 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Ou seja, há razões válidas para um ataque preventivo, mas há razões tão ou mais fortes para o não levar a cabo.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:03 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds