Sábado, 31 de Março de 2012

Obama e o seu staff ideológico para a temática (Hillary Clinton, Susan Rice, Anne-Marie Slaughter, Samantha Power) cedo traçaram duas linhas de ação: restaurar a imagem diplomática norte-americana beliscada nos anos Bush e recolocar o Conselho de Segurança no centro da gestão das grandes questões de segurança internacional (Líbia, Síria, Irão).

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:28 | link do post

Sexta-feira, 30 de Março de 2012

Cada vez que os sindicalistas da Justiça portuguesa dissertam sobre a separação de poderes, a campa de Montesquieu na Igreja do São Sulpício em Paris deve tremer com grande veemência.

 

Pode ler o artigo todo hoje no Económico



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 09:59 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29 de Março de 2012

A verdade é que os BRIC sem a China não teriam qualquer impacto global. A China representa mais de 70% do PIB gerado na última década pelos BRIC, as suas exportações mais do dobro dos outros três juntos. Enquanto que Pequim tem uma quota de 9% do PIB mundial, Brasil, Índia e Rússia têm em conjunto 8% (vale a pena lembrar que os EUA têm 23%). Os BRIC são a China e mais três, não uma quadra entre iguais.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:48 | link do post

Não me dou mal com o meu país. Portugal não me tem tratado mal, verdade seja dita. Não é que sejamos propriamente amigos muito chegados, não me esqueço da forma como ele tem tratado a maioria esmagadora dos meus irmãos de berço. Gente que lhe dedica um amor assolapado, uma paixão irracional. Cidadãos capazes de dar a vida por uma ideia que nunca se cumpriu e, mais do que certamente, nunca se cumprirá. Homens e mulheres que fugiram da miséria para terras onde puderam matar a fome aos filhos e se reúnem em cafés de lugares longínquos, que os tratam como nunca Portugal os tratou, a beber umas Sagres e a comer uns pastéis de bacalhau a suspirar por um pedaço de céu lisboeta, uma courela minhota ou a morrer de angústia por não verem a imensidão da planície alentejana. Pois é, não sou como aqueles tipos que dizem que um bandido qualquer é um porreiro porque o estupor uma vez lhes emprestou cinco tostões para comprar pão: “Bem sei que o Costa é um pulha mas a mim nunca me fez mal”. Para esse peditório não dou.

Seja como for, nunca me apeteceu emigrar. De qualquer maneira serei sempre português mesmo que fuja daqui para fora, que me esqueça da minha língua, que o espaço que ocupamos desapareça no oceano ou que um chinês qualquer leve o bacalhau, os pastéis de nata, o Pessoa e o futebol para a província de Heilongjiang (não procure, existe mesmo).

Tenho reparado, porém, que andam para aí uns rapazes com dúvidas sobre qual é de facto a sua nacionalidade, e vai daí resolveram espetar na lapela umas bandeirinhas com as cores pátrias. Estes cidadãos levantam-se de manhã, tomam banho, digo eu,  e enquanto se esfregam, perguntam-se: “De onde é que eu serei?” Carregados de dúvidas, começam-se a vestir e vêm o pin verde e vermelho: “Oh pá, é verdade, sou português. Deixa-me cá pôr isto para ver se não me esqueço”. Será assim como um tipo que veste todos os dias uma camisa com um arco-íris para se recordar que é gay ou põe um papelinho no anel para não se esquecer de respirar ou um post it na carteira para que não se lhe varra que é do Sporting. O que é assim a atirar para o estranho, já que estes desmemoriados seres são todos ministros ou responsáveis governamentais ou estatais. Posso estar enganado, mas na minha ingenuidade tinha para mim que eram exactamente estes cavalheiros que nunca deviam ter dúvidas acerca de para quem trabalhavam.

Claro que posso estar a ser injusto. Às tantas, como somos um bocado distraídos, querem que não existam dúvidas que somos governados por portugueses e não por Alemães ou Liberianos. Há que dizer que se for essa a razão compreendo.

Também pode ser moda. Bem sabemos como às vezes aparecem modas cretinas, o que vale é que passam depressa.

 

Publicado na edição da Life de 29 de Março



publicado por Pedro Marques Lopes às 11:41 | link do post | comentar

Quarta-feira, 28 de Março de 2012

Uma das qualidades que mais aprecio nos meus amigos é o seu total desinteresse pela política. Eu explico. A maior parte deles não tem, não quer e não perde dois segundos com qualquer assunto de congresso, de cozinha, de corredor ou de marquise política. Vivem há mais de três dácadas noutra. Ou seja, na sua. Na deles. É louvável. Às vezes acho mesmo que eu sou a única ligação que têm ao badalhoco mundo dos assuntos políticos, o que faz de mim uma ave absolutamente rara no meio deles. Seria ainda mais rara se eu fizesse alguma questão de falar de política (de cá ou de além mar) quando estou com eles. Não faço. Graças deus e a Millôr (mais ou menos a mesma entidade) que não faço. Nunca fiz. Deve ser por isso que somos todos bons amigos há tantos e bons anos. A política nunca conseguiu passar da ombreira da porta. E assim vai continuar. Amizade é coisa demasiado séria para ser perdida para assuntos menores.  



publicado por Bernardo Pires de Lima às 23:04 | link do post

Dizia o grande Millôr que "quando um baterista morre, deve-se fazer um minuto de barulho". Hoje não morreu um baterista. Morreu um grande artista. Dos maiores de sempre. Fazia o que queria da língua, da escrita, do traço. Usou fina ironia até ao fim. Dobrou o português como lhe apeteceu. Era um frasista como lhe chamaram. O maior dos frasistas. Como disse o Sérgio Sant'anna, pessoas como o Millôr deviam durar uns 200 anos. Pelo menos uns 200 anos.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 19:34 | link do post

Terça-feira, 27 de Março de 2012
Parece que agora vamos ter de novo exames da 4ªclasse. Somos, de facto,um povo de pioneiros, é que passamos a ser o único país da Europa a ter este exame.
Deixam-me adivinhar: o nosso ensino está mal por falta de exames.
Se taxássemos as cretinices não havia défice.


publicado por Pedro Marques Lopes às 23:34 | link do post | comentar

Por fim, será uma cimeira com menos figuras carismáticas do pan-arabismo mas com mais nomes da islamização em curso. Esta cimeira da Liga Árabe mostrar-se-á tudo menos homogénea e coesa. Como, aliás, a região que representa.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:02 | link do post

Segunda-feira, 26 de Março de 2012
indesmentível


publicado por Francisco Teixeira às 22:21 | link do post | comentar

Sábado, 24 de Março de 2012

Michael Lind, em bom resumo na revista Salon, considera mesmo a sua grande estratégia uma revolução na política externa americana: corte com o internacionalismo liberal e o neoconservadorismo do pós-Guerra Fria e a defesa do velho jogo da política de poder estadual como matriz. Esta administração trabalha mais sobre uma perspetiva de equilíbrio de poder na grande região da Ásia-Pacífico e na contenção da China do que num modelo de intervenção humanitária permanente e marcadamente idealista. A retração presente na política externa de Obama é um corte com o wilsonianismo influente nos democratas e nalguns sectores à direita e um regresso à clássica escola realista que 1989 parecia ter evaporado.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:12 | link do post

ahhhahahahahahahaahaha....ainda há quem acredite em gelo quente....ahahahaha ( rio porque o choro não ajuda.....)


publicado por Francisco Teixeira às 01:35 | link do post | comentar | ver comentários (1)

o melhor não foi o lombo, foram os pregos. depois de seis anos a meterem nos pregos no caixão, finalmente quem nos governa fala v-e-r-d-a-d-e. se tivessem vergonha escondiam-se. afinal, esta foi a semana do tgv e da parque escolar.


publicado por Francisco Teixeira às 01:28 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Quinta-feira, 22 de Março de 2012
hoje lembrei-me de sócrates ter assinado o tgv no sábado (8 de maio de 2010) anterior à quarta-feira (12 de maio) do pacto de austeridade que assinou com o actual primeiro-ministro.


publicado por Francisco Teixeira às 21:19 | link do post | comentar | ver comentários (7)

Isto é extremamente perigoso e a Europa, no seu todo, não tem sido capaz de o enfrentar. A França muito menos. Há demasiado silêncio no ar.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:49 | link do post

Terça-feira, 20 de Março de 2012

Está a correr tudo bem. Era este o plano, não era?

Quando as empresas não tiverem lucros nenhuns e tiverem despedido os empregados todos aparece um santinho e pimbas fica tudo jóia. Enquanto o santinho não vem cortam-se mais salários na função públca e desta vez, para que haja justiça na nossa conhecida repartição de sacrificios, vai também o subsidio de Natal e o de férias dos trabalhadores do sector privado. Talvez não ajude muito a receita, mas a despesa ui ui. Também não temos nada com que nos preocupar, o santinho vai aparecer, oh se vai.

Calma, estamos nas mãos de gente muitíssimo inteligente.

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 21:36 | link do post | comentar

Segundo o Ministro das Finanças, "estamos a aproximar-nos do meio da ponte".

Só ainda não sabemos bem se é para saltar da ponte ou se é para chegar ao outro lado.

Veremos...



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 15:22 | link do post | comentar

Nos últimos cinco anos, Rússia e China usaram quatro vezes o duplo veto no Conselho de Segurança. Birmânia, Zimbabué e Síria (duas vezes) seguiram-se a outros exemplos do passado recente, como Kosovo, Sudão, Iraque ou Irão. Há aqui um padrão de cooperação para o futuro? Como pode ser definida uma relação tão influente na política internacional?

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:15 | link do post

Segunda-feira, 19 de Março de 2012

Amanhã e depois. Apareçam.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:48 | link do post



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:38 | link do post

Domingo, 18 de Março de 2012

Já aqui disse por mais de uma vez que não sou frequentador de "redes sociais". Não tenho facebook nem conta no twitter. Conta só no banco e books só nas prateleiras cá de casa. Quando quero socializar recorro a métodos em total desuso e for de moda, como ligar a alguém, mandar um email e falar pessoalmente. Pode ser ao almoço, um simples café ou uma boa jantarada. Pode ser cá em casa, claro. Também não ando à caça de gente que não vejo há vinte anos, porque se eles fossem meus amigos não estávamos de certeza vinte anos sem nos falarmos. Conheço pessoalmente todos os meus amigos e amigas de há vinte anos e não quero engrossar a grupeta, obrigado. Vem isto a propósito do quê, que já não me lembro? Isso, do recurso permanente ao email para coisas de trabalho. Noto, desde que isto se tornou para mim uma ferramente imprescindível, que há uma crónica diferença entre o receptor tuga e, digamos, o receptor estrangeiro. Quando se envia um email a um académico, um cronista, um "gajo de alfama" qualquer americano, italiano, inglês, japonês ou o que seja, poucas horas depois há uma resposta na nossa caixa. "Sim", "não", "penso isto", "faça aquilo", "discordo", "concordo". É fácil chegar a qualquer tipo e conversar com ele. Já falei horas ao telefone com um autor americano que admiro depois de ele, simpaticamente, ter sugerido que por email dava demasiado trabalho. E um tuga, como é? Não é. Não responde. Não dá sinal de vida. Nunca tem tempo, nunca tem posição, não está para isso nem para nada. Estou obviamente a caricaturar, há excepções. Mas nota-se no trato. Na feitura do próprio email. Escreve-se um email a um yankee e a coisa vai educadamente simples. Envia-se a um tuga bem posicionado e perde-se uma tarde a pensar em cada linha, no cerimonial, na fórmula mágica de lhe chamar a atenção. Há uma arrogância de pacotilha, uma passadeira vermelha prévia a qualquer contacto. É triste, mas ainda é muito assim.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:59 | link do post

O primeiro está em saber o nível de reação que as reformas na justiça e na segurança provocam entre os feudos criados. Tendo em conta os últimos anos, é ver para crer o seu sucesso. Contudo, há dois outros fatores que podem ser vantajosos. O primeiro é o facto de Carlos Gomes Júnior reunir o apoio de Angola e de esta ser fundamental como parceiro de Bissau. Foi quem abriu uma linha de crédito importante no ano passado e quem sustenta basicamente a reforma do sector de segurança. Luanda tem duzentos militares na Guiné e mantém todo o interesse na estabilidade do país para melhor potenciar as contrapartidas económicas e geopolíticas.

 

Sábado no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:56 | link do post

A forma como evoluir o ano político ditará o quadro conjunto de transição pós-UNMIT. Talvez seja prudente que a ONU reavalie o calendário acordado com Díli. Portugal, no Conselho de Segurança, tem sobre isso uma palavra a dizer.

 

Sexta no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:52 | link do post

Sábado, 17 de Março de 2012
 
Depois do tiro de partida eleitoral no state of the union, Obama lança este vídeo notável com narração do Tom Hanks e realização do Davis Guggenheim. O punch, ao contrário do habitual, não está no final, mas algures no minuto 5.15 quando cita mortalmente Mitt Romney nas páginas no New York Times: "Let Detroit go Bankrupt". O julgamento do Midwest serve-se em Novembro.

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:42 | link do post

Demoraram cinco anos a dizer que Vale e Azevedo é desonesto, mas ainda lhe dão apoio judiciário.


publicado por Francisco Teixeira às 09:32 | link do post | comentar

Sexta-feira, 16 de Março de 2012

O meu artigo hoje no Económico.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 10:34 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15 de Março de 2012


publicado por Francisco Proença de Carvalho às 20:00 | link do post | comentar

Terça-feira, 13 de Março de 2012

Continua isto a fazer sentido? Talvez um plano B passe por rever três pontos: acelerar o calendário de retirada; passar a estratégia atual para uma de contraterrorismo com recurso aos drones; desconfiar da coesão e lealdade do exército para com o governo civil. A história do Afeganistão mostra-nos como ambas são um mito.

 

Hoje no Diário de Notícias

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:21 | link do post

Following a pattern previously established in Latvia, Hungary and Greece, public sector wages and pensions are being reduced - principally by means of a 2-year suspension of the extra two (summer and xmas)  monthly payments of both wages and pensions (the IMF estimate that this is equivalent to a 12-percent average cut), but while this reduces pressure on public finance, the mechanism via which this would produce an increase in competitiveness in  the tradeables/export sector is far from clear, to me at least. Perhaps it is worth noting at this point, that Hungary has  implemented most of the measures being proposed in Portugal without visible impact on the country’s growth rate.



publicado por Pedro Marques Lopes às 11:21 | link do post | comentar

Domingo, 11 de Março de 2012

E estamos entregues a isto...



publicado por Pedro Marques Lopes às 23:37 | link do post | comentar

Sábado, 10 de Março de 2012

Tudo isto revela dois grandes detalhes: uma ausência de músculo diplomático ocidental e o esvaziamento da função humanitária da ONU através de impulso próprio. A Síria, como aqui tenho dito, é muito mais do que a queda de um ditador.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 21:26 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds