Terça-feira, 31 de Julho de 2012
Abrantes: (Divida x 2 2005/2011= 160 mil milhões) + (PPP x 6 anos = 20 mil milhões) = 6 anos de Abrantes e companhia. Tens de regressar às novas oportunidades. Quanto ao salário pornográfico, quem me dera! (acho que isso no Estado acabou, ou melhor acabaste com isso, tal foi a ramboia....). Vês: mesmo de férias eu respondo.....Com muito carinho e uma certa paciência para a falta de sapiência bacoca.


publicado por Francisco Teixeira às 19:48 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Não quero carregar-vos com literatura maçuda no verão, mas há debates incontornáveis que merecem atenção de quem gosta de política internacional. Alguns podiam ser traduzidos ou iniciar coleções, mas algum caminho tem de ser percorrido. A começar pela eliminação de expressões como "política estrangeira", useira e vezeira nas preguiçosas traduções nacionais.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:40 | link do post

Vale a pena ler a entrevista a Medeiros Ferreira na Revista do Expresso. O professor é um dos últimos políticos com sentido de humor, um dos últimos académicos com sentido da política, um dos últimos intelectuais com sentido da palavra. Nada é dito ao acaso. Os detalhes contam. Os formalismos ditam as regras no jogo político. Medeiros Ferreira faz parte de uma geração de políticos (da esquerda à direita) que cultivou a leitura, a análise, o tempo, que se envolveu na luta partidária sem fugir aos momentos quentes, frios, mornos. Quando eles deixaram de fazer sentido, houve vida para além disso. Eu gosto de gente assim. Com nível para ser elite. Com um passado do qual se orgulham. Com tiradas como esta: "Mais tarde, ao conversarmos em pé (e eu nunca aceitaria um convite feito em pé), falou-me na hipótese de ser ministro da República nos Açores - coisa quenunca aceitaria nem em pé nem sentado". Já não há políticos assim.

 

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:23 | link do post

Segunda-feira, 30 de Julho de 2012
A memória não. A dívida, essa, não recuou para os 80 mil milhões de euros. As PPP também continuam por aí. A vidinha tem destas coisas. Chatas.


publicado por Francisco Teixeira às 18:13 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Sábado, 28 de Julho de 2012

A Líbia não deixou o islamismo conservador de um dia para o outro. Mas a aversão à IM e as ansiedades materiais ditaram a sua lei. Como lembra Nikolas Gvosdev numa recente National Interest, este cheque de esperança, defraudado, pode acabar como a transição pós-soviética na Bielorrússia: crença no reformismo de Shushkevich seguida de tremenda desilusão. Três anos depois, Lukashenko era rei e senhor. Vale a pena aprender com os outros.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:51 | link do post

Quinta-feira, 26 de Julho de 2012

A marca do Hezbollah tem estado presente e tudo leva a crer que a barbaridade na Bulgária tenha essa assinatura. Na véspera, Hassan Nasrallah, líder do movimento - há dois anos era a mais popular figura no Médio Oriente e há seis estrela nas 'manifs' de Trafalgar -, enalteceu o círculo de Assad morto nesse dia, a quem agradeceu os mísseis com que combatera Israel em 2006. No fim, disse que uma surpresa aguardaria Israel. Não se enganou.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:33 | link do post



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 11:51 | link do post | comentar

Terça-feira, 24 de Julho de 2012

Só há um gajo que toca baixo em todo o staff? Não há uma solução de recurso? Alguém quer saber o que sai daquele instrumento quando o Morrissey está em palco? Ao menos a Erykah Badu não me desiludiu, fez uma festa memorável de soul e hip hop para duas mil almas. É o que dá andarmos entretidos com prima-donas. Adeus, Moz.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:32 | link do post

Sonhei ou ouvi isto em 2009?


publicado por Francisco Teixeira às 12:47 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Culpar o Batman pela tragédia no Colorado é tão patético como atribuir ao heavy metal a responsabilidade pelo massacre na Noruega. Infelizmente, houve quem o fizesse. Nos EUA, os defensores do direito inalienável à posse de armas trouxeram logo um duplo argumento ligando os dois casos: por um lado, ressuscitar o controlo de venda e posse de armas é um vil e atroz aproveitamento político do massacre; por outro, não é por existir um quadro legal mais restrito (como na Noruega) que as tragédias não acontecem. Ou seja, este tema não se pode discutir.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:35 | link do post

Segunda-feira, 23 de Julho de 2012
São 190 mil milhões de razões para o país parar e pensar: o que falhou?


publicado por Francisco Teixeira às 12:34 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Domingo, 22 de Julho de 2012

1. Infelizmente, e para mal da democracia, o cidadão não acha particularmente grave que um político minta perante os seus representantes, como o Ministro dos Assuntos Parlamentares mentiu. Também para mal da comunidade, parece que o eleitor acha que jornalistas e políticos são todos areia do mesmo saco e não liga grande coisa a histórias de pressões e chantagens, como a célebre história entre o Ministro para a Comunicação Social e os jornalistas do Público.


2. No fundo, a Troika sabe que o falhanço governativo é também o seu próprio falhanço. Sabe que o falhanço do seu aluno dilecto, do bom aluno, é o falhanço de toda uma estratégia, é resultado dum equívoco sobre as origens da crise e da maneira de a resolver.

Não, quase nada está a correr bem, a Troika sabe-o melhor que ninguém.

 

 

DN de hoje




publicado por Pedro Marques Lopes às 19:18 | link do post | comentar

Sábado, 21 de Julho de 2012

É aqui que entra o Mar do Sul da China e é aqui que a disputa levou, há dias, a um facto inédito: pela primeira vez em 45 anos, a ASEAN não chegou a consenso sobre um comunicado final. Vietname, Filipinas ou Malásia reclamam soberania marítima; o anfitrião Camboja fechou os olhos às pretensões em favor do aliado chinês; e o chefe da diplomacia filipina considerou as pretensões hegemónicas de Pequim uma "ameaça à paz e segurança na Ásia-Pacífico".

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:27 | link do post

Sexta-feira, 20 de Julho de 2012

Questionado se se sentia poderoso por ser Presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso respondeu qualquer coisa como isto: poderoso? Poderoso é quem tem o poder de meter alguém na cadeia!

 

Pode ler o artigo completo hoje no Económico.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 10:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 19 de Julho de 2012


Para o Bernardo que faz hoje uma idade que não devia ser permitida por lei, que é um puto do carago e de quem eu gosto muito.


publicado por Pedro Marques Lopes às 22:58 | link do post | comentar



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 20:02 | link do post | comentar

Preparemo-nos para o pior: um conflito regional alargado na região que abastece de energia o centro do mundo económico. A guerra da Líbia comparado com isto é uma nota de rodapé.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:42 | link do post

Caro Pedro, revejo-me em grande parte do teu texto. Fazer opinião não pode implicar a calúnia pessoal, o ataque desmesurado ao carácter com fins políticos ou a suspeita inconsistente, permanente e sem qualquer facto que a sustente. Todos temos direito ao bom nome, salvo PROVA em contrário.


publicado por Francisco Teixeira às 01:41 | link do post | comentar

Terça-feira, 17 de Julho de 2012

Caro Francisco,

Ainda bem que gostas desse meu texto. Eu também gosto muito. Não mudaria uma letra.



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:03 | link do post | comentar

"Não há colunista que se preze que não tenha feito seriíssimos apelos à responsabilidade. E muito bem. Não há nada pior do que a sensação de viver num país onde a impunidade impera. Ninguém tem culpa de coisa nenhuma e mesmo se alguém é, por remota hipótese, julgado e condenado por algo de impróprio, não faltam as vozes a pedir que seja feito um enquadramento que relativize a situação.
Corre, no entanto, uma interessante teoria que defende o princípio da inimputabilidade para quem escreve textos de opinião. Ou seja, designa-se um texto ou um comentário numa qualquer estação de rádio ou televisão como opinião, e está automaticamente passada uma espécie de autorização para se dizer tudo o que vem à cabeça. Não há qualquer tipo de limites.
Neste espaço, eu posso chamar ladrão a quem me apetecer, posso acusar qualquer cidadão dos mais terríveis e sórdidos crimes, posso pôr em causa a honra ou a probidade de alguém, posso inventar factos ou mentir descaradamente sem que tenha de me preocupar com as consequências das minhas afirmações.
É assim como uma espécie de inversão do ónus da prova só ao dispor dos opinadores. Curiosamente, ou talvez não, são estes os primeiros a exigir que todos os que são alvo da mais díspar acusação venham esclarecer o que quer que seja e também os que mais apelam a todo e qualquer tipo de responsabilidade. Dos outros, bem entendido.
Mas vamos imaginar que um ignorante, desconhecedor deste estatuto quase divino, resolve não gostar que lhe chamem corrupto, intrujão, ladrão ou pior e tenta, pelos meios à sua disposição, defender o seu bom-nome - escusado será dizer que as leis protectoras do bom-nome e da honra devem ser consideradas letra morta.
Bom, além de ser corrupto ou ladrão, o cidadão estará a exercer uma pressão ilegítima sobre o colunista, será um lenhador das raízes do pensamento, um energúmeno que não sabe conviver com a liberdade de expressão.
De um momento para o outro, o opinador passou para o panteão dos mártires da liberdade.
Há partes desta nova doutrina que ainda desconheço. Por exemplo, será que me devo sentir ofendido se alguém me acusar de escrever o que escrevo porque estou ao serviço do partido A ou B? Devo suportar estoicamente se alguém disser que me divirto a ter sexo com ovelhas neozelandesas ou que espanco velhinhas no meio da rua? Como será que devo reagir, confrontado com a acusação de que sou pago para defender o senhor Zulmiro ou a Dona Zulmira? Ou, heresia das heresias, se um qualquer agente de forças obscuras disser que eu insulto, ofendo, injurio ou minto para que toda a gente olhe para mim, me tire da obscuridade e faça crescer a minha cotação no mercado dos media?
Presumo que neste caso o acusador está a vilipendiar o meu carácter e isso é absolutamente intolerável. Ou seja, se eu faço avaliações da personalidade de alguém, está tudo bem, é a minha preciosa liberdade expressão. Se, por mero exemplo, um político põe em questão a minha honestidade ou a minha honra, está a cometer o mais vergonhoso dos pecados. Somos umas espécie de zero zero sete com a vantagem de ninguém nos poder alvejar.
E ai do director de órgão de comunicação social que resolva prescindir dos meus serviços. De certeza absoluta que foi por eu ter ameaçado os poderes estabelecidos, por eu ter "pisado uns calos", por eu não ser "politicamente correcto". Nessa altura descubro - curiosamente, só me apercebo disso no momento em que saio - que esse medium está ao serviço de uma qualquer agenda que não suporta a minha livre opinião.
Claro está que se sou convidado por um qualquer jornal ou televisão para lá exercer a minha actividade é apenas o mercado a funcionar, mas se for dispensado só pode ser perseguição política.
Pois claro, isto é um país de impunidade, uma terra de irresponsáveis. Nós que escrevemos opinião somos o sal da terra, os puros, os bons, os honestos e ninguém nos pode pôr em causa."

Pedro Marques Lopes, DN, 13 Dezembro de 2009
 
 


publicado por Francisco Teixeira às 14:24 | link do post | comentar | ver comentários (3)

No discurso sobre o estado da nação, o primeiro-ministro propôs ao PS que ajudasse o Governo a elaborar o Orçamento do Estado para 2013 e que os socialistas participassem nas reuniões, em que se fará a quinta revisão do memorando de entendimento, com a troika. Houve quem visse nestes convites uma proposta pública de entendimento com vista à formação de uma coligação.

À primeira vista poderia parecer que quem assim o entendeu estaria a cometer um exagero interpretativo. Para que diabo um Governo com maioria absoluta, que passa a vida a dizer que será inflexível no rumo escolhido, que tem tido no Partido Socialista uma espécie de silencioso parceiro de coligação, havia de convidar os socialistas para elaborar o mais importante instrumento político, a peça onde se reflectem as opções políticas, ideológicas e o caminho que se defende para o País? São, de facto, perguntas sem uma resposta evidente. O que leva a que a interpretação de que houve mesmo um convite não seja assim tão exagerada.

 

DN de domingo passado



publicado por Pedro Marques Lopes às 14:01 | link do post | comentar

A primeira não está garantida, a ver pela violência dos últimos dias, e o calendário de retirada da ONU pode (e deve) ser reconsiderado - Portugal tem aqui um papel de sensatez a cumprir no Conselho de Segurança. A segunda, aparentemente conquistada pela maioria parlamentar, não começou bem. A oposição deve ser um posto institucional. E como tal escusa de ser inflamada a gasolina.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:53 | link do post

Um gajo acha que já viu tudo. Mas ver no blog que ele próprio, mais o Doutor Bernardo, fundou, alguém a defender um, digamos, diplomado em folclore com especialidade em telefonemas para jornalistas, aldrabices em inquéritos parlamentares e nomeações de camaradinhas para tachitos públicos e semi-publicos, é coisa para deixar um careca, como este cidadão, incomodado.

Mas, se calhar, sou eu que estou enganado: o Dr. Relvas está a ser perseguido pela comunicação social. O Dr. Relvas até foi simpático com a comunicação social: levou imensa gente, com enormes qualidades, para o Governo e outras entidades do Estado, mas, claro, quem não foi com ele ficou ressabiado e vai de armar uma conspiração contra ele. Malandros. Uma jóia o sr.Dr. Um homem sem mácula. Uma criatura que está a ser vitima de terrível perseguição apenas por que quer privatizar a RTP (ainda ninguém sabe como, mas isso agora não interessa nada). Bandidos. Um homem que procura o conhecimento permanente através da coisa e tal e prontos e vou ali e já venho, mas o outro fez pior porque sim.

Eh pá, façam pela vida, ajudem quem vos ajudou, façam os fretes que quiserem, mas não me façam passar por parvo.



publicado por Pedro Marques Lopes às 04:41 | link do post | comentar

Segunda-feira, 16 de Julho de 2012


publicado por Pedro Marques Lopes às 19:48 | link do post | comentar

Ouvi isto na manifestação contra um ministro de Sócrates....desculpem, do actual Governo.


publicado por Francisco Teixeira às 19:40 | link do post | comentar | ver comentários (1)

1. Quem são os outros 89 alunos da Lusófona que tiveram equivalências com base na experiência profissional?
2. Mariana Gago: o que diz da lei que aprovou?
3. Em algum momento o ministro Miguel Relvas escondeu, adulterou ou enganou alguém sobre aquele que foi o seu percurso académico?
4. Já houve uma inspecção à Lusófona desde que MR se licenciou. Foi detectada alguma irregularidade?
5. É MR melhor ou pior ministro por ter tirado o curso na Lusófona, da forma que tirou?
6. Se MR não fosse a cara da privatização da RTP estaria debaixo de fogo?
7. Há ou não um ataque orquestrado a MR?


publicado por Francisco Teixeira às 10:11 | link do post | comentar | ver comentários (7)

Sábado, 14 de Julho de 2012

É a dupla irrelevância da ONU em grandes crises de segurança internacional: escolher Annan e ter intervenções à revelia do Conselho de Segurança. Cada um cava a sua sepultura.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:03 | link do post

Quinta-feira, 12 de Julho de 2012

O artigo de hoje do Pedro Lomba no Público é a mais perfeita descrição do caso Relvas. Este, por sua vez, é a mais perfeita descrição de um Portugal saído dessa enorme epopeia a que alguém um dia resolveu chamar cavaquismo.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:51 | link do post

Ou seja, este imenso eleitorado branco e conservador é ao mesmo tempo a fraqueza e o trunfo de Romney. Para o solidificar e maximizar vão ser decisivos o desempenho na Convenção Republicana, a escolha do vice-presidente e a erosão da inevitabilidade da reeleição de Obama. Difícil, mas não impossível.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:43 | link do post

 

O Rock 'n' Law está de volta: hoje o recinto do Optimus Alive recebe a quarta edição do evento em que 13 sociedades de advogados se propõem actuar a favor de uma causa solidária.

 

Este ano os advogados têm como meta ultrapassar o valor angariado na última edição – 70 mil euros. O montante conseguido irá beneficiar quatro projectos de solidariedade: a criação de uma ala para doentes de Alzheimer no lar da Fundação Ferreira Freire, em Portunhos, Cantanhede; o alargamento do número de crianças acompanhadas pelas Unidades Móveis de Apoio Domiciliário da Fundação do Gil, no Porto; a construção da cozinha da Casa Grande da Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger; e a aquisição de uma carrinha para transporte de idosos e pessoas com deficiência da CerciOeiras.

Esta quarta edição, em parceria com a promotora de eventos Everything is New e com a Câmara Municipal de Oeiras, começa às 20h e terá a participação da apresentadora e atriz Cláudia Vieira. No final do concerto, a cargo das bandas criadas pelas sociedades de advogados, a festa continuará com os sons de um DJ, também ele advogado. O valor da entrada oscila entre os 15 e os 20 euros.

 

Imperdível!



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 08:52 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds