Sexta-feira, 30 de Novembro de 2012

Basta olhar para a fraca convicção com que os deputados que suportam a maioria aprovaram o Orçamento de Estado para 2013, para se constatar que o mesmo não é fruto da democracia, mas de uma visão singular, apenas apoiada parlamentarmente, por um lado, por motivos de disciplina partidária e, por outro, por deputados que seguem a máxima de que, mais vale um péssimo orçamento, do que não ter um.

 

O meu artigo hoje no Diário Económico.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 15:49 | link do post | comentar

Quinta-feira, 29 de Novembro de 2012

Ou seja, Berlim é hoje um actor consciente do seu poder, das suas relações e do seu estatuto. A federalização europeia em curso resulta do seu papel enquanto, digamos, potência reinventada pós-reunificação. Mesmo que pensemos em vários círculos de integração (finanças, defesa, fronteiras, etc), vamos ter de aceitar que Berlim liderará, provavelmente, todos eles. Para o bem e para o mal, é este o preço a pagar pela integração europeia. Com o Reino Unido em fuga, a França prostrada e a Turquia de fora, o vazio e a desagregação estariam aí à porta. Não há almoços grátis.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:42 | link do post

Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012

Só faltou mesmo alguém gritar: "o Elvis está vivo". Era capaz de jurar que havia mais gente naquele hemiciclo a acreditar que o "rei do rock" vive que nas previsões de Gaspar


DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:13 | link do post | comentar

Terça-feira, 27 de Novembro de 2012

Não são só a Europa e os EUA que atravessam uma frente fria, também os BRIC arrefeceram os seus motores. Desde que esta crise financeira rebentou, a China passou de um crescimento do PIB a dois dígitos para 7%, a Rússia caiu para metade (3,5%), a India baixou de 9% para 6% e o Brasil anda nos 2%. Estas grandes potências alavancaram a sua projeção global de poder à custa das economias, de reformas estruturais e de apostas arriscadas. Quer isto dizer que um arrefecimento económico restringe o comportamento político de cada um?

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:00 | link do post

Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012

Quando me fazem aqueles interessantíssimos inquéritos de verão, onde se parte do princípio que alguém está interessado em saber os meus gostos culinários, os livros que estou a ler ou se preferia ir jantar com a Selma Hayek ou o António José Seguro, ás vezes vem uma pergunta assim mais a atirar para o sofisticado. No último que respondi perguntavam-me se eu era conservador.

Confesso que perco tanto tempo a pensar se sou conservador ou liberal como o que gasto a reflectir se sou de esquerda ou de direita. Como bom preguiçoso deixo esse trabalho a quem me ouve ou lê e tem a pachorra de pôr as minhas opiniões num qualquer aparelho que depois informa de que cor são as minhas ideias.

Bom, desta vez perdi uns minutos a pensar e, pronto, não há nada a fazer: sou conservador.

Podia dizer que cheguei a esta conclusão que deixava até agora, com certeza, milhões de pessoas inquietas, mergulhadas na dúvida sobre a minha personalidade,  através duma reflexão profunda sobre o mundo e os meus valores. Pensamentos do tipo “para as coisas terem sido duma determinada maneira durante tanto tempo existiriam com certeza boas razões para assim serem”, muita leitura de  Burke e outros pensadores que tais. Mas não, o que me iluminou foi a minha relação com os chinelos, agora conhecidos como hawaianas (provavelmente o nome mais idiota que se podia dar aos chinelos de meter o dedo, apesar de eu ter de reconhecer que qualquer termo com “meter o dedo” não será propriamente comercial).

O conservador é o que começa a andar de chinelos quando a moda já são os paez. Para quem não saiba os paez são uns sapatitos de pano que agora andam nos pés dos que dantes andavam de chinelos, os rapazes que estão sempre na moda.

Andei anos a fio a recusar-me a calçar chinelos utilizando argumentos duma racionalidade imbatível tipo “tenho uns pés feios”, até ao também muito defensável “essas coisas horríveis que têm banda sonora e tudo” (o chlep, chlep ainda me incomoda, admito). Quando adiro e realizo a vantagem dos ditos, pimba, saem de moda. É que nem vale a pena explicar o disparate que é no pico de Agosto um cidadão andar de pés entrapados, nem explicar o cheiro que aquelas coisas devem produzir depois duma caminhada de cinco minutos.

Isto está-me sempre a acontecer. Eu sou o tipo que delira com uma música quando já ninguém a ouve, o que fala dum filme que já toda a gente foi ver há meses, que aconselha livros que já vão na centésima edição.

Se calhar havia melhores termos para definir esta minha característica, mas, que diabo, conservador dá um certo panache e está sempre na moda.


crónica publicada na revista Life de Novembro

 

 

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:31 | link do post | comentar

Domingo, 25 de Novembro de 2012

Sejam francos: não é reforma nenhuma, são cortes na despesa no valor de 4 mil milhões de euros - que irão ter consequências profundas, ninguém duvide - mas feitos com a "simples" intenção de cortar na despesa. Sem qualquer estratégia ou visão.


DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 16:00 | link do post | comentar

Sábado, 24 de Novembro de 2012

Jardim abriu os trabalhos e pediu uma pausa de 2 anos e 26 dias. 



publicado por Francisco Teixeira às 20:12 | link do post | comentar

Porque Barcelona, por mais ambição que tenha, deve estar ciente do risco que acarreta um passo destes: o crescimento da incerteza, gerada pela fragilidade do "plano" de Artur Mas, o previsível não reconhecimento internacional, a falta de almofada europeia, a perda de canais de financiamento, até a debandada empresarial. Catalunha, Espanha e UE carregam o peso do momento. É argumento de sobra para se sentarem à mesa.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:18 | link do post

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012

O Cairo, elevado à categoria de "mediador", cavalga a onda regional. Vale a pena sublinhar que há também aqui uma competição (Egito, Turquia, Irão, Arábia Saudita) para, por um lado, emergirem como fiéis depositários da "desgraça palestiniana" e, por outro, elevarem o seu estatuto no "confronto" direto com Israel. Por isso, os EUA vão continuar a ser a "nação indispensável" no Médio Oriente, porque são a única garantia de segurança credível para Israel. Pergunta: e se o Hamas tivesse neste momento o apoio do Irão com armas nucleares, que força teria o "regresso" dos EUA à região e como atuariam os países europeus?

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:23 | link do post

Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012

A senhora Lagarde lembra-me aqueles maratonistas que, pelo prazer de participar na prova, acham que o importante não é chegar primeiro à meta, o importante é pelo menos lá chegar. Nem que seja 2h.45m.32 segundos depois de todos os outros. A senhora Lagarde tem dito uma belas verdades mas, primeiro, ninguém a parece ouvir e, segundo, di-las com pelo menos um ano de atraso. Já tinha defendido a "concertação com os credores" - uma renegociação que ninguém no governo quer assumir, mesmo que já tenha percebido que é a melhor das hipóteses -; agora é o pânico das consequências pela "perda de uma geração qualificada" em Portugal. O que me espanta não é a origem das declarações, mas que salientem uma evidência tão grande e tão fora do prazo. O que foi não volta a ser.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 01:17 | link do post

Terça-feira, 20 de Novembro de 2012
O artigo do Paulo Rangel, hoje no Publico, é verdadeiramente extraordinário. Mais de 5000 carateres para dizer que o orçamento não é para levar a sério.
Claro que todos sabemos que Rangel acha o orçamento uma loucura, que acha este governo absolutamente incompetente, mas não o quer dizer.
Ele e outras pessoas que pensam liderar o PSD no futuro. Trocam a sua ambição pelo dever de dizer o que verdadeiramente pensam aos seus representados.
Enfim, é apenas triste.


publicado por Pedro Marques Lopes às 12:04 | link do post | comentar

Se o rumo se mantiver, 2015 pode ser para a Birmânia o que 1989 foi para a Polónia: a transição para um regime civilista, plural e aberto ao mundo. Ao "Ocidente" (Japão e Austrália incluídos), mas também à Índia, país com que partilha história mas poucos laços económicos. A fuga à dependência chinesa é o objetivo e a Birmânia pode ser o grande legado da diplomacia de Clinton: um país que altera a sua posição face à China com base em reformas económicas e sociais inspiradas no modelo "ocidental". Um feito.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:51 | link do post

Domingo, 18 de Novembro de 2012



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:39 | link do post

Sábado, 17 de Novembro de 2012

Uma análise sobre um conflito desta profundidade deve partir de uma premissa e a minha é esta: ninguém está isento de culpas. Mas também deve chegar a uma conclusão: um Estado move-se por regras, pressões, responsabilidades (internas e externas), um grupo terrorista não. Por mais "trabalho cívico" que faça, o Hamas é um corpo maligno na pacificação regional. Enquanto vizinhos e "comunidade internacional" interessada divergirem neste ponto, muito mais sangue correrá.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:06 | link do post

Sexta-feira, 16 de Novembro de 2012

Hirshhorn Museum, DC, Nov. 2012



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:09 | link do post

De: Pedro Passos Coelho. Cara amiga Angela, escrevo-lhe decorrido que está um ano da sua visita. Não estou no Forte de São Julião, mas está um dia lindo com um mar de perder de vista.


O meu artigo hoje no Diário Económico



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 00:37 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15 de Novembro de 2012

A Ordem dos Advogados e Amnistia Internacional criticaram a intervenção da PSP, depois de terem estado uma hora a levar com pedras. Só podem ter mudado as siglas. Porque a Polícia, ainda bem, continua a ser de Segurança Pública.



publicado por Francisco Teixeira às 20:13 | link do post | comentar | ver comentários (6)

O Sina Weibo (o Twitter chinês) passou de 50 milhões de utilizadores para 300 milhões em dois anos. Disputa as teses oficiais, contorna a censura e afina o gatilho. Xi Jinping não tem só a tarefa de manter o consenso na cúpula estatal: vai ter de garantir o aparente consenso social para que o seu modelo tenha sucesso. Veremos se o deixam.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:46 | link do post

Quarta-feira, 14 de Novembro de 2012
Trabalhar.


publicado por Francisco Teixeira às 20:19 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Já.


publicado por Francisco Teixeira às 20:19 | link do post | comentar | ver comentários (2)



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:43 | link do post



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 15:25 | link do post | comentar

Terça-feira, 13 de Novembro de 2012

Assino por baixo. E já que estou com a mão na massa acrescento: o portugalzinho salazarista está de volta, ou melhor, nunca morreu. Está entranhado na nossa comunidade que vibra com a caridadezinha e que adora a esmola; que acha que não se pode mostrar "coisas" aos pobres que eles depois também as querem; que destesta o sucesso individual,a praga dos novos-ricos, esses seres horríveis que não percebem que só há duas formas dignas de se ser rico, a herança ou o jogo; que se dedica a criticar o Estado enquanto vive dele; que, no fundo, abomina a classe média porque estes querem ser doutores e depois não se arranja um caseiro, um carpinteiro ou uma sopeira decente.

E o que me irrita é que são este tipo de infelizes que se confundem com a direita, que, se calhar e para mal dos nossos pecados são a maioria da nossa  direita. Vade retro.



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:33 | link do post | comentar

Esta gente vive no calvário dos tempos modernos. Tem saudades do antigamente, vê o dinheiro como fonte dos males, mas no fundo no fundo gosta de cravar uns valentes trocos a quem pode, mesmo que seja o Estado. Sobretudo, gostam muito de ditar as regras do bom comportamento, do estilo de vida perfeito, das virtudes individuais. Em Portugal, permeável que é à converseta de capela, viver bem é crime publico. Querer o melhor para os filhos um pecado de sacristia. Trabalhar e ter sucesso uma virtude privada. Assim não vamos lá. Hitchens vive.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:15 | link do post

Com o que tem acontecido na fronteira sírio-turca, os avisos de Israel nos Montes Golã e o recuo nos negócios militares entre Bagdad e Moscovo, está montado um cerco ao Irão. Mudar o rumo da Síria com astúcia política é a melhor forma para isolar o Irão. Mas também um bom motivo para acelerarem o programa nuclear.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:10 | link do post

Sábado, 10 de Novembro de 2012
Vale a pena ler na íntegra o texto de Isabel Jonet (www.rr.pt)


publicado por Francisco Teixeira às 23:03 | link do post | comentar | ver comentários (3)

Os Portugueses têm obrigação de a receber com civismo.

Os responsáveis políticos que a acolhem têm obrigação de lhe dizer umas verdades.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 15:12 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Este é o primeiro desafio da nova geração de líderes: tornar o mercado interno na nova alavanca de "de-senvolvimento pacífico". A questão é que pode não ser tão pacífico quanto isso.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:24 | link do post

Sexta-feira, 9 de Novembro de 2012

Hoje foi Petraeus. Querem apostar nos nomes que se seguem? Aqui vai a minha lista: Panetta, Geithner, Clinton. Novo mandato, novos nomes.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:35 | link do post



publicado por Bernardo Pires de Lima às 16:43 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds