Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

 

Gélido, cheguei ao portão principal. O trabalho liberta, era o cartão de boas-vindas de um sítio que oscilava entre o ocre dos edifícios, o verde dos relvados circundantes e o preto dos arames farpados. Aquilo era Auschwitz. Ou melhor, era uma parte de Auschwitz e eu estava lá. Apenas com vinte e um anos e centenas de quilómetros percorridos de comboio por essa Europa de Leste. Confesso que o outro lado sempre me atraiu, seja pelos limitados conhecimentos que a escola dava (e dá), certamente por uma vontade maior de aprender com os sentidos. Olhar aquilo que um dia foi palco de criminalidade estatal feita por homens iguais a mim, ou cheirar o que mais de cinco décadas depois da sua libertação ainda parecia pairar no ar.
 
Ao final da manhã apanhava um autocarro para Birkenau. Auschwitz II era já ali, mas era preciso completar o quadro. A torre de madeira e a linha de caminho de ferro que entrava por um descampado dentro faziam relembrar célebres imagens do grande écran. Parecia que um comboio cheio de gente se preparava para ali entrar, rumo à morte, essa palavra que me parecia perseguir. Palavras que eu não tinha nem conseguia agarrar. Precisava de ajuda. Precisava de livros. Dessa alma entre as letras que completasse a construção sensorial do pormenor – que enorme e mágica palavra… Frases e imagens que me ajudassem a perceber que Sachsenhausen, onde estive três anos depois aquando da viagem, estava mais na definição de «campo de concentração», proposta por Laurence Rees, e menos na de «campo de extermínio». Auschwitz é o campo de extermínio. Foi o símbolo maior e mais conhecido – mas não o único – dos efeitos do totalitarismo na natureza humana e no despejo da sua dignidade mais elementar.
 
Birkenau é aterrador. Está igual a 1945. Nada foi alterado. Nada. Os blocos destruídos pelos bombardeamentos aliados, as latrinas em série, a lama que nos cola ao chão, amarrando-nos novamente à História. Montras repletas de cabelos e tapetes alinhavados com eles, montanhas de óculos, sapatos, malas ou escovas de dentes a transportarem-nos para outras páginas da vida onde - entre as palavras arrepiantes de Primo Levi (Se Isto é um Homem) e narrativas extraordinárias como a de Rees, perguntas incessantes de Hannah Arendt (The Origins of Totalitarianism) ou de Gideon Greif (We Wept Without Tears), até às excelentes abordagens de Tzvetan Todorov (Facing the Extreme e Memória do Mal, Tentação do Bem) - nos é permitido perceber o valor que um livro pode ter nas nossas vidas.
 
É no enlace com os nossos mais básicos sentidos mas, também, com aqueles que vamos descobrindo e desenvolvendo, que o livro se revela na sua mais nobre e emocionante condição. O que não será ler Primo Levi sentado em Birkenau? Qualquer coisa que nos transporta para o seu interior e mistura a nossa alma e corpo em cada uma daquelas pequenas grandes letras. Qualquer coisa a descobrir numa próxima viagem.
 
[Pequeno testemunho publicado na Atlântico Nº 11]
 


publicado por Bernardo Pires de Lima às 10:56 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds