Quinta-feira, 28 de Abril de 2011

Começa a ser muito desagradável criticar as opções do PSD. Cada vez que escrevo um post crítico penso sempre que será o último, porque as coisas vão acabar por mudar e o país vai poder, finalmente, ver alguma luz ao fundo do túnel com uma alternativa de governo que, pelo menos, inspire confiança, credibilidade e coerência nestes tempos tão complexos. Há quem tenha uma postura Tiririca, “pior do que está não fica” e que, portanto, o que interessa é penalizar os que governaram; outros têm a habitual postura clubística do estilo “sou laranja desde pequenino e portanto faço v's e grito vivas a qualquer coisa que os meus digam, mesmo que seja uma barbaridade”. Infelizmente, não tenho a capacidade para ser nem uma coisa nem outra. Penso que uma democracia saudável exige que sejamos exigentes para com os protagonistas políticos, principalmente em relação àqueles que nos sentimos mais próximos ideológicamente.

Assim, não posso deixar de constatar mais uma demonstração de brilhantismo estratégico: num momento em todos os presidentes da democracia Portuguesa se juntam pela primeira vez para apelar à unidade e ao consenso entre os partidos com responsabilidade; num momento em que os estudos de opinião demonstram que os Portugueses estão fartos de guerrilha política e consideram que o melhor para o país é um consenso entre os principais partidos; num momento em que a Europa (e não só) nos pede reformas estruturais que, obviamente, exigem um consenso muito alargado... Quem fala no PSD resolveu dar-nos lições de que a União Nacional é imprópria numa democracia e coisa salazarista. Será que esses grandes fascistas Eanes, Soares, Sampaio e Cavaco estavam a pensar num partido único e eu é que não percebi? Enfim, mais palavras para quê!?

 

Os Portugueses que normalmente preferem votar nos partidos do arco da governação, têm uma escolha muito difícil: entre um partido que merece perder e outro que tem feito tudo para não merecer ganhar. É penoso, muito penoso... E no dia 5 de Junho há quem resolva o assunto facilmente: praia.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 00:02 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds