Segunda-feira, 18 de Julho de 2011

Barroso exultou sobre um choque fiscal e deixou-nos em choque com um aumento de impostos, supostamente para vestir um país deixado de tanga por Guterres;

Sócrates prometeu não subir os impostos e não tardou a aumentá-los para fazer face a uma alegada pesada herança do governo PSD/CDS;

Passos andou um ano a pregar contra a pressão fiscal do Governo socialista sobre as famílias e referiu que só em último caso aumentaria os impostos sobre o rendimento, mas, desta vez sem pedir desculpa, desviou-se colossalmente das suas intenções e nem um mês demorou para nos apresentar um imposto de 50% (confisco!?) sobre um rendimento relevante de quem trabalha em Portugal.

Todos nos disseram que isto seriam medidas de excepção para fazer face a uma qualquer situação de emergência, mas a verdade é que a curva tem sido sempre a mesma - ascendente. Quanto mais recebe, mais o nosso Estado gasta, indiscriminadamente, nos seus infinitos tentáculos.

Dizem-nos que agora será diferente! Como é evidente, (ainda) dou o benefício da dúvida a este Governo. No entanto, não posso deixar de manifestar o meu protesto pelo paradigma não ter mudado: os Portugueses são gente pacata e tranquila, portanto é carregar-lhes à vontade com impostos. E ainda por cima dizem-nos com uma cara de aparente normalidade que é por uma questão de precaução, para termos folga orçamental e mostrarmos aos mercados que somos muito bem comportados e aplicados. Se inspiramos confiança por apresentar uma taxa de 50% sobre rendimentos (a juntar a todos os outros impostos, taxas, emolumentos, etc. etc. etc.), ajudando a matar o consumo, a poupança, o investimento, a ECONOMIA, então não se admirem que a Moody’s e companhia nos mandem para o lixo. É que no país da Moody’s se alguém se lembrasse de tratar os contribuintes à moda europeia / portuguesa, o seu nome nem chegaria a constar de um boletim de voto.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 12:41 | link do post | comentar

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds