Sexta-feira, 24 de Agosto de 2012
António Borges foi contratado por um Governo legitimamente eleito. Tem um currículo invejável, para dizer o mínimo, para as funções que exerce. Ontem falou de n privatizações, entre elas a da RTP. A blasfémia não está em AB, mas no que disse: quer acabar com o Canal Caveira (RTP) que, tal como está, é um poço sem fundo. O PS diz que a concessão é inconstitucional porque a constituição diz que o " serviço público tem de ser assegurado pelo Estado". E o que diz a CRP sobre o SNS? Se por ridículo o problema fosse constitucional, o que dizer do Hospital de Cascais que o PS concessionou a privados...

* Título de uma grande manchete do Independente


publicado por Francisco Teixeira às 11:32 | link do post | comentar

2 comentários:
De Miguel a 25 de Agosto de 2012 às 21:10
Preso ao "ismo" da sua facção o autor deste post comete em poucas frases vários erros de análise e de interpretação política e jurídica. A primeira frase do post, de carácter defensivo, deixa transparecer o seu estado psicológico. Um excelente exemplo de processos instintivos de defesa dos “seus” quando algo não corre bem. Uma reacção visceral, diria. Tenta justificar a presença do “handler” Borges com a legitimidade política do Governo, mas o que está em causa é a falta de accountabillity e fiscalização democrática da acção do dito (é tipo um ministro-ninja). Parece que a presença do Dr. Borges como “ministro na sombra” conflitua com os princípios da fiscalização democrática, e dessa forma o autor necessita de justificar a sua presença etérea invocando um formalismo de certa forma tautológico. “Está lá porque foi contratado pelo Governo em funções e o Governo foi eleito”. Pois… obrigado. Mas isso não valida nem legitima poloticamente as acções do Dr. Borges! O Dr. Borges tem um "currículo invejável" ao serviço de interesses privados, mas não dos interesses públicos. Obviamente continua, apesar de ser pago pelos contribuintes (ao que parece bastante bem pago), a servir diligentemente os primeiros. Após anos de subfinanciamento e consequente endividamento, a RTP está neste momento financeiramente equilibrada e a dar lucro (como foi largamente noticiado embora seja por si convenientemente escamoteado), e dessa forma pode ser um negócio apetecível para os "investidores" amigos do Dr. Borges, eventualmente com sede perto do Canal do Panamá. Com a "renda" da taxa paga por todos na factura da electricidade a “concessão" da RTP torna-se um grande negócio, típico do capitalismo sem risco (crony capitalism) que o Dr. Borges e a restante oligarquia tanto apreciam. Aliás é timbre da restante seita do Goldman que agora se entretem a "governar". Privatizar com "rendas" garantidas para os "investidores". Antigamente este processos eram por si criticados. Agora não. Tudo corre sobre eixos. Ao contrário do maliciosamente afirma, a RTP não é já um “poço sem fundo”. Com a introdução desta expressão o autor presta-se a servir acriticamente (ou quem sabe voluntariamente) de caixa-de-ressonância à intrujice ideológica deste Governo e dos interesses que à volta dele gravitam. Sobre o que diz sobre a CRP (referindo-se implicitamente ao comentário de Arons de Carvalho), só a ignorância e/ou a dificuldade em ler e interpretá-la produto da cegueira superveniente ao facciosismo e desonestidade intelectual que emprega não lhe permite concluir de forma diferente. Se ler o texto do artigo 82, n.º 2 diz lá expressamente "O sector público é constituído pelos meios de produção cujas propriedade e gestão pertencem ao Estado ou a outras entidades públicas". Sublinho propriedade e gestão. Dessa forma a comparação torpe e demagógica que faz com o SNS é apenas mais um sintoma da doença. Fica-me a dúvida: será por ignorância ou sectarismo que escreveu este post? Acha que denegrindo o PS, consegue branquear as asneiras e trapalhadas do actual Governo? As PPP do Dr. Borges e do PSD são virtuosas e boas para o Estado? O que as distingue daquelas feitas pelo PS? A sua oposição ao modelo não era de princípio? Ou apenas se opunha aos anteriores governantes também eles legitimamente eleitos? Espero pelo menos que se sinta compensado por prostituir a sua integridade intelectual, doutra forma é ainda mais lamentável.


De Francisco Teixeira a 27 de Agosto de 2012 às 10:00
Discordamos, o que não tem mal. Agora, uma dúvida: sabe como vai ser concretizada a privatização? Eu ainda não....


Comentar post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds