Segunda-feira, 18 de Março de 2013

Na impossibilidade de linkar (só para assinantes), aqui fica:

 

Lisboa, 15 mar (Lusa) - Durante dois anos, o investigador Bernardo Pires de Lima analisou os factos relacionados com a Cimeira das Lajes, reunião que ditou em 2003 o início da guerra do Iraque, e foi ao encontro das principais figuras nacionais da época.
O resultado final foi o livro "A Cimeira das Lajes, Portugal, Espanha e a Guerra do Iraque", que em 200 páginas tenta dar a conhecer os "jogos de bastidores" da reunião e clarificar a decisão portuguesa de organizar o encontro na base açoriana e apoiar a intervenção militar no território iraquiano.
"O principal objetivo foi apresentar o processo de decisão português o mais próximo da realidade", afirmou à Lusa o investigador do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI) e da Universidade Johns Hopkins (Washington).
Os primeiros passos da obra, lançada por ocasião do 10.º aniversário da cimeira, ocorreram em 2010, com um trabalho no IPRI. "Depois resolvi desenvolvê-lo, incluindo entrevistas e outras fontes. Foram dois anos de trabalho no meio de uma tese de doutoramento", referiu.
O trabalho de campo envolveu entrevistas a algumas das principais figuras nacionais da época, como o ex-Presidente da República Jorge Sampaio, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros António Martins da Cruz e o antigo líder do Partido Socialista (na altura na oposição) Eduardo Ferro Rodrigues.
O comissário europeu com o pelouro do terrorismo, António Vitorino, e David Dinis, na altura assessor do primeiro-ministro Durão Barroso, colaboraram igualmente com o investigador, que também ouviu "diplomatas portugueses e norte-americanos" e "pessoas que trabalhavam na época nos serviços de informações portugueses".
Passados 10 anos da cimeira que reuniu nos Açores, a 16 de março de 2003, os então governantes dos Estados Unidos (George W. Bush), Reino Unido (Tony Blair), Espanha (José Maria Aznar) e de Portugal (Durão Barroso), Bernardo Pires de Lima chegou a várias conclusões.
"A decisão de fundo de invadir o Iraque e mudar o regime esteve concentrada em Washington e obedeceu a um trajeto ideológico que já vinha da administração Clinton [Bill], acelerada com a emergência da agenda neoconservadora e pelo efeito alterador que o 11 de setembro teve na administração Bush", indicou o investigador, frisando, no entanto, que "com ou sem cimeira a guerra dar-se-ia, porque Washington já a tinha decidido e calendarizado há muito".
Outra das conclusões é que os aliados europeus dos EUA foram, cada um nos seus termos, procurando gerir politicamente a inevitabilidade da guerra.
"No caso do Governo português, acautelando a relação com Belém, a manutenção do comando da NATO, e o posicionamento híper-atlantista do governo de Aznar. Na avaliação feita por Barroso, Espanha não podia ser o único interlocutor de Washington na Península Ibérica", sublinhou.
E como será recordada na história a Cimeira das Lajes?
"Pelas opiniões públicas, será sempre lembrada como um encontro de guerra mascarado de caráter político. Para os líderes que lá estiveram, será recordada como a última solução política num roteiro de guerra inevitável", frisou Bernardo Pires de Lima.
"Um dos aspetos que tornaram aqueles meses tão polémicos foi precisamente este 'gap' entre cidadãos e lideranças, sobretudo na Europa. (...) O sentimento anti-guerra era generalizado entre as populações", reforçou o investigador.
Apesar desta divisão, a maioria dos líderes que marcou presença na Base das Lajes não foi penalizado nas eleições pós-cimeira.
José Maria Aznar ganhou as eleições espanholas regionais em maio de 2003, Bush foi reeleito um ano depois e Blair conquistou a terceira maioria absoluta para os trabalhistas britânicos em maio de 2005.
"Já Barroso perde as europeias de 2004 e segue para a Comissão Europeia", referiu o investigador, afirmando não acreditar que exista um padrão que "valide com rigor o nexo de causalidade entre apoio à guerra e derrota eleitoral", citando o exemplo de Gerhard Schroeder, que mesmo estado contra a guerra, perde para Angela Merkel as legislativas alemãs de 2005.
A "construção do perfil político internacional" do protagonista português, Durão Barroso, também é focada na obra e associada à sua escolha para a Comissão Europeia.
Sobre o período pós-guerra "absolutamente desastroso", o investigador considera que os planos foram "naifs".
"O Pentágono tomou e mal conta de um quadro onde devia ter prevalecido o Departamento de Estado com o objetivo de construir uma grande coligação diplomática internacional de apoio ao Iraque pós-Saddam [Hussein]", indicou Bernardo Pires de Lima.
No entanto, como parte dos pressupostos da intervenção nunca se verificaram - as ligações do Iraque à Al Qaida e a posse de armas de destruição maciça -, "ninguém quis ficar associado a um cenário em degeneração, e essa coligação não teve sucesso", destacou o investigador.
O livro "A Cimeira das Lajes, Portugal, Espanha e a Guerra do Iraque" é editado pela Tinta da China e será apresentado em Lisboa no próximo dia 21 de março.


Lusa/Fim



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:45 | link do post

Bernardo Pires de Lima

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Livros
- Blair, a Moral e o Poder

Jornais / Revistas
- DN
- The Majalla Magazine

Academia
- IPRI
Pedro Marques Lopes

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Rádio
TSF
- Bloco Central

Jornais
- A Verdade
- DN
Lei da bola

Televisão
- Eixo do Mal
- Produções Fictícias
Francisco Proença de Carvalho

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Televisão
Económico TV
- Conselho Consultivo - 3ªs, 9.30h,

Rádio
Rádio Europa
- Descubra as Diferenças

Outros Blogs
- 31 da Armada
Francisco Teixeira

ver perfil
ver CV
ver posts

O que ando a fazer

Jornal
- Diário Económico

Academia
- ISCSP
posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds