Sexta-feira, 21 de Maio de 2010

Pois claro, há quem queira ouvir as escutas porque está muito preocupado com o estado da nação. Não tem nada a ver com estratégias pessoais, nem com tentativas de mostrar que uma estratégia errada e iníqua era a certa.

Quer-me parecer que os mártires, desta vez, vão ficar a falar sózinhos. Nem todos ajudam como Sócrates ajudou.

Que vão falando.



publicado por Pedro Marques Lopes às 00:12 | link do post | comentar

Quinta-feira, 20 de Maio de 2010

 

Tudo isto existe, tudo isto é lindo, tudo isto é metal.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:23 | link do post | comentar

A ver se eu percebi. Pedro Passos Coelho, "para salvar o país", deu cobertura à solução única encontrada pelo governo. Uma semana depois, afirma junto de empresários que os problemas do país só se resolvem com eleições, presumo que depois das presidenciais. Entretanto, abstem-se na moção de censura do PC, mas antecipa uma consequência política se as conclusões da comissão de inquérito indicarem habitar em São Bento um mentiroso. Ou seja, por um lado apoia-se o governo, por outro acena-se com eleições antecipadas duas vezes numa semana. É obra.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:00 | link do post | comentar

Quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Hoje, às 23.30, na Edição Internacional da Renascença, estarei com o Andrés Malamud a analisar o acordo entre Irão, Turquia e Brasil e ainda a Cimeira UE-América Latina.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 19:54 | link do post | comentar

O CDS não teve a excelente votação nas últimas eleições pelas suas propostas relativas ao subsídio de desemprego e à diminuição dos salários dos políticos. Teve-a porque o PSD estava sem liderança.

Por muito que custe aos dirigentes centristas, o CDS depende da capacidade do PSD se afirmar como alternativa ao PS.

Há distracções que podem sair muito caras.



publicado por Pedro Marques Lopes às 18:34 | link do post | comentar

José Sócrates, tentando provar que não havia insensibilidade social no plano de austeridade, argumentou que um milhão de portugueses não seriam afectados pelo aumento do IRS. Pois é, não havia melhor maneira de exibir o verdadeiro estado do país.



publicado por Pedro Marques Lopes às 14:29 | link do post | comentar

 

 

Hoje, no Atlântico, uma merecida homenagem a Ronnie Dio. E eu vou lá estar.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 11:40 | link do post | comentar

Terça-feira, 18 de Maio de 2010



publicado por Bernardo Pires de Lima às 15:08 | link do post | comentar

Sabemos ou não sabemos que entrámos no Euro no limite do cumprimento dos critérios? Sabíamos ou não sabíamos que teríamos que cumprir critérios rigorosos de política orçamental? Fomos ou não fomos avisados, durante a última década, que estávamos no mau caminho e que mais tarde ou mais cedo pagaríamos um preço elevado? Por que estamos surpreendidos por "2010" ter finalmente chegado? Somos inconscientes ou perdemos a memória? A questão é muito simples: a entrada no Euro exige obrigações.

 

João Marques de Almeida



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:24 | link do post | comentar



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:40 | link do post | comentar

Segunda-feira, 17 de Maio de 2010

The National - "Bloodbuzz Ohio" (official video) from The National on Vimeo.



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:21 | link do post | comentar

Resolvi fazer um anúncio ao país para dizer que estou muito chateado. Estou mesmo muito chateado.

Não há direito. Há para aí uns tipos que mandam mais do que eu. Parvos, estúpidos.

Pronto. Agora vou amuar.



publicado por Pedro Marques Lopes às 20:30 | link do post | comentar

Don't Let Iran Blackmail the World

Christopher Hitchens na Slate



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:14 | link do post | comentar



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:37 | link do post | comentar

Domingo, 16 de Maio de 2010


publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:49 | link do post

Lembro-me dum "empresário" do Vale do Ave que no fim dos anos oitenta me dizia: "Não sei o que hei-de fazer a todo o dinheiro que me emprestam".

 

DN de hoje



publicado por Pedro Marques Lopes às 02:14 | link do post | comentar

Sábado, 15 de Maio de 2010

 

 

Soup (1995)

Blind Melon



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:43 | link do post

Sexta-feira, 14 de Maio de 2010

David Cameron e Nick Clegg caminharam ontem juntos pelos jardins de Downing Street. Era importante defenderem uma imagem dinâmica e segura que vincasse o mote da sua coligação: recuperar a economia e reduzir os 12% de défice. O desafio é tal que ambos foram obrigados a concentrar-se nos pontos de convergência, retirando das prioridades negociais o que manifestamente os afasta. Ora, isto só é possível porque as lideranças são bem mais pragmáticas que ideológicas e perceberam, sem grande dificuldade, que uma governação de sucesso a termo certo (2015) lhes pode trazer mais benefícios do que uma mera prestação de serviços mútuos. Do lado conservador, seria um argumento extra para pedir aos eleitores a desejada maioria absoluta; aos liberais-democratas, uma forma eficaz de promover a alteração do sistema eleitoral e aproveitar as fraquezas do Labour para captar eleitorado.

O argumento de uma coligação contranatura ou politicamente irreconciliável só tem validade caso a coligação entenda fazer cavalos de batalha das diferenças. Ora, para haver acordo é porque elas ficaram para segundo plano ou a necessitar de afinação (imigração, Afeganistão, nuclear, sistema eleitoral). O que estes líderes dizem ao país é que as prioridades dos britânicos não passam por aí, mas sim pelo combate ao desemprego, à despesa pública, à injustiça fiscal, à insegurança e à imoralidade de muitos desempenhos políticos. Esta coligação tem um carril montado para iniciar uma viagem difícil, um novo líder trabalhista implacável e uma difícil disciplina partidária. Catalogar o quadro como “nova política” não é mais do que um chavão vazio. Tudo isto é apenas política. E da velha.

 

Hoje no DN



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:48 | link do post | comentar

testes feitos ontem por mim, relevam que todos os dias da nossa vida, dizemos pelo menos uma mentira. E não estou a falar só de políticos nem estou a falar de mentiras grandes. Vou dar o exemplo da frase mais popular do mundo." Correu-te bem o dia?". Então não? Claro que dizemos sempre que sim. " Não conheces os Dave Dee, Dozy, Beeky. Mick and Tich?" São apenas a minha ... favorita. Mentimos para não complicar as coisas. Mentimos para alegrar as coisas. Mentimos porque é a nossa natureza.

 




publicado por Pedro Marques Lopes às 13:00 | link do post | comentar



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:58 | link do post | comentar

Quinta-feira, 13 de Maio de 2010

José Sócrates anuncia o aumento de impostos de gravata laranja. Aguardo que Pedro Passos Coelho declare a sua solidariedade mostrando uma gravata rosa.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:56 | link do post | comentar

Quarta-feira, 12 de Maio de 2010

William Hague vai a Washington na próxima Sexta já como Foreign Secretary, antes que a relação deixe de supostamente ser especial e passe a mais uma no quadro das relações relevantes da actual administração. Que Hague não dá grande importância à União Europeia já o sabemos há muito; ficar sem uma grande âncora internacional era o pior dos quadros no início de mandato. É também uma forma de marcar posição na coligação com os euroentusiastas de Nick Clegg.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:40 | link do post | comentar

A vontade era muita e o timing em política é quase tudo.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 17:36 | link do post | comentar

Terça-feira, 11 de Maio de 2010

 

Estava um gajo com uma camisa igualzinha ao do Stephen Malkmus na plateia



publicado por Pedro Marques Lopes às 23:44 | link do post | comentar

Segunda-feira, 10 de Maio de 2010


publicado por Bernardo Pires de Lima às 00:58 | link do post | comentar

Domingo, 9 de Maio de 2010

 

 

O dia desportivo de hoje é do Frederico Gil. Apesar de lampião, o seu lema de trabalho só pode ser esforço, dedicação, devoção e glória (uma filosofia que devia ser prescrita aos portugueses desde o berço). É assim com os grandes campeões. Os verdadeiros campeões, seja em que desporto for. É assim com o Gil, com o Tiago Pires no surf, com o João Pina no judo e com muitos outros que vão dando a Portugal  títulos internacionais a cada ano que passa. Não ganham milhões. Não cospem nos adversários. São saudáveis e disciplinados. Trabalhadores e companheiros. Passam dificuldades, muitos certamente estudam ou trabalham antes e depois dos treinos. Raramente têm um foco de atenção nos media relevantes e nem sequer pensam em horário nobre. O futebol nunca foi um desporto.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 21:29 | link do post | comentar

Nunca imaginei ficar tão contente por ficar retido numa ilha por causa das cinzas de um vulcão. Não faço ideia quem ganhou o campeonato. Não sei  o que se passa em Lisboa. O ar aqui é limpo e as pessoas que estão nas ruas são civilizadas. Nunca uma tão grande contrariedade me pareceu tão perfeita. Obrigado, Eyjafjallajkul.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:54 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:38 | link do post

Sábado, 8 de Maio de 2010

 

Hospice (2009)

The Antlers



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:35 | link do post

Esta análise eleitoral não sofre da síndroma da vitória perpétua do partido comunista português: neste caso, todos perderam. Os conservadores, por não terem maioria absoluta após 13 anos de poder trabalhista; o Labour, porque perde legitimidade para liderar o novo Governo; o Lib-Dem, por defraudar todas as sondagens. Se a Grã-Bretanha sai também derrotada com estes resultados é o que fica ainda por explicar.

 

Se o voto útil derrotou Nick Clegg, não o inutilizou para a política. Provado que vitórias televisivas não garantem conquistas eleitorais, o Lib-Dem continua a marcar um território suficientemente forte para garantir uma solução maioritária nos Comuns, necessariamente com os conservadores, e com um programa de estabilidade política e crescimento económico de difícil adaptação mútua e certamente polémico. Se as conversas fracassarem, Gordon Brown piscará o olho a Clegg, prometendo-lhe outro destaque e a garantia de uma agenda que satisfaça os seus objectivos. Em qualquer dos casos, Brown teria os dias contados: na oposição será descartado pelo partido; no Governo não durará meia legislatura e verá os liberais conquistar-lhe eleitores. Sair de cena com dignidade é uma arte na política.

 

Hoje no DN



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:10 | link do post | comentar

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds