Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011


publicado por Francisco Proença de Carvalho às 15:49 | link do post | comentar

Um professor realizado numa sala de aula de um PALOP ou um professor indignado numa praça de Lisboa?  



publicado por Francisco Teixeira às 15:30 | link do post | comentar

1. Temos professores excedentários e teremos sempre professores excedentários porque nos últimos 20 anos, mesmo aumentando a frequência no básico e alargando a escolaridade obrigatória até ao secundário, perdemos mais de 400 mil alunos. Enquanto isso, o número de professores foi aumentando de forma estável.A curva dos professores cresceu, a dos alunos caiu. Resultado? Professores excedentários que serão sempre excedentários.

2. Os professores excedentários podem mudar de profissão, com mais "formação" como disse o primeiro-ministro, ou devem ter consciência de que nem o ensino público nem o privado algum dia os absorverão. Nunca. Logo, ou mudam de profissão ou podem ter de ensinar noutro ponto do mercado de trabalho. Se não for em Lisboa, pode ser em Luanda ou em Dili. 

3. Foi politicamente correcto o que disse PPC? Não. Mas prefiro uma verdade difícil a uma mentira dócil. Crei que os professores excedentários também.




publicado por Francisco Teixeira às 12:29 | link do post | comentar | ver comentários (2)

Não está em causa a bondade das palavras do 1.º Ministro, mas sim uma apreciação sobre os termos em que esta função deve ser exercida, nomeadamente quanto ao discurso. Parece-me que Pedro Passos Coelho ainda não percebeu bem a diferença entre ser um bom amigo e um 1.º Ministro de uma nação. De um amigo nós queremos ouvir bons conselhos, queremos ouvir sempre a verdade, por mais dura que ela seja. De um 1.º Ministro nós precisamos de saber um caminho, que nunca pode passar pela desistência de viver no nosso país. Passos Coelho é claramente boa pessoa, homem sério e com valores, mas na política isso não basta. A política é suposto também ser um instrumento de transmutação da realidade. Com isto não quero dizer que deve ser exercida com mentira, mas deve ter a capacidade de mobilizar um povo para ultrapassar as dificuldades, por maiores que elas sejam. E para isso é necessário psicologia colectiva. Portanto, por mais sério que esteja a ser, um 1.º Ministro não pode dizer que temos que empobrecer ou emigrar.

Se Churchill fosse um bom amigo, aquando dos sistemáticos bombardeamentos da poderosa aviação alemã sobre Londres, teria dito aos ingleses para se pirarem dali para fora ou teria entregue as chaves da cidade a Hitler. Mas era 1.º Ministro...



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 11:27 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Se Cameron convidar professores ingleses a trocarem o desemprego permanente em Inglaterra por um emprego estável e bem remunerado num país da Commonwealth recebe palmas e louvores. Por cá, é fantástico termos um acordo ortográfico e abrirmos as portas das nossas empresas aos reais e aos kwansas, mas enviar professores nem pensar! Depois quando a coisa aperta, em Timor, podemos fazer correntes humanas e choradinhos, mas contribuir para a expansão da língua portuguesa e da literacia na CPLP nem pensar! É melhor iludirmos os professores fazendo-os crer, como fazem os sindicatos, que se lutarem muito e protestarem ainda mais um dia choverão empregos no público e no privado. Estáveis e bem remunerados, claro está!



publicado por Francisco Teixeira às 11:03 | link do post | comentar

Domingo, 18 de Dezembro de 2011

O director do Correio da Manhã perguntou: aconselharia os professores excedentários a emigrar? Passos Coelho responde: temos professores excedentários, teremos sempre porque há cada vez menos alunos e temos professores a mais, logo, das duas uma - ou os professores excedentários mudam de profissão ou se querem continuar a exercer a mesma profissão podem pensar em faze-lo no Brasil ou em Angola. Hoje há quem critique Pedro Passos Coelho por dizer, preto no branco, o que é sério: muitos professores excedentários nunca encontrarão em Portugal um trabalho estável no ensino público ou no ensino privado. A todos estes críticos pergunto: O que dizer de todos os que permitiram uma oferta académica que forma batalhões de licenciados em cursos sem qualquer procura ou adequação ao mercado de trabalho? O que deveria dizer o primeiro-ministro? Deveria vender ilusões?



publicado por Francisco Teixeira às 23:39 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Um Primeiro-Ministro que sugere aos seus concidadãos a emigração admite que não sabe ou não tem condições para governar.



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:19 | link do post | comentar

Em pouco mais de dez dias, o primeiro-ministro deu quatro entrevistas. Quando um primeiro-ministro fala, é de esperar que tenha alguma coisa de novo a dizer aos seus concidadãos. O momento em que um líder se dirige ao povo não pode transformar--se numa banalidade. Pior, não pode ser uma repetição incessante de banalidades ou uma conversa em que faz de mero comentador da actualidade. Se assim for, em pouco tempo ninguém o escutará. E quando tiver uma novidade realmente importante, o primeiro-ministro será o Pedro da fábula que também mete um Lobo.



publicado por Pedro Marques Lopes às 16:49 | link do post | comentar



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:15 | link do post

Sábado, 17 de Dezembro de 2011

Um amigo meu de esquerda dizia-me que quando alguém diz que anda confundido com os conceitos de esquerda e de direita quer dizer que é, sem dúvida, de direita. Apesar do rapaz em causa, nas coisas da política, errar mais vezes do que aquelas em que acerta, pode ser que desta vez tenha razão. A mim dava-me um jeitão: era menos uma confusão na minha cabeçorra.

Para ser franco, se todas as minhas dúvidas e angústias se resumissem a tentar descobrir se sou um gajo de direita ou de esquerda, ou se as minhas opiniões se arrumam num desses campos, andava para aí feliz da vida (também não estou propriamente em modo suicida). Aliás, das poucas vezes que actualmente me divertem é ler algumas almas a fazer análises das minhas posições ou a tentar colocar-me numa qualquer barricada. A parte que me entristece é serem tão poucos os que se dedicam a esse tema tão importante e decisivo para o futuro da humanidade.

Nunca me tinha ocorrido escrever sobre esta converseta, mas o Bernardo a propósito disto acabou por me picar.

A propósito, o mais certo é o FC Porto este ano não ganhar nada, mas tem no plantel dois tipos que vão ser dos melhores jogadores do mundo e outro que vai ser o melhor. Curiosamente, o Hulk é canhoto e joga na direita. O James também joga melhor com o pé esquerdo mas prefere o centro- direita. O Iturbe vai ser Deus, e esse não tem lado.



publicado por Pedro Marques Lopes às 23:42 | link do post | comentar

Eu hoje vi Deus. E não é que é outra vez argentino.



publicado por Pedro Marques Lopes às 22:57 | link do post | comentar

A divina tragédia, por Francisco Mendes da Silva, com quem fui ver e ouvir o grande Hitchens há uns tempos na Casa Fernando Pessoa.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:58 | link do post

 

Em nome do União de Facto agradeço a nomeação ao prémio de "melhor blog de direita de 2011", pelo programa da TVI24 "Combate de blogs". Não sei a opinião dos meus amigos de blog, mas eu fiquei surpreendido. Não só porque não ligo puto a blogs, mas porque ando um bocado baralhado com os conceitos direita/esquerda. Vota-se aqui.

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:42 | link do post

O fim da presença militar dos EUA no Iraque levanta pelo menos três importantes pontos. Primeiro, valeu a pena? Objectivamente, não.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 20:35 | link do post

Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011

“Nunca conheci um homem com melhores razões para todos os sarilhos que causa”

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 15:46 | link do post | comentar

Quinta-feira, 15 de Dezembro de 2011

Só que ao invés da opinião da maioria dos observadores e da narrativa saída do Conselho Europeu, Londres pode estar mais acompanhada do que se pensa.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:36 | link do post

Começou a semana a criticar o Governo por uma empresa privada ter desistido de um investimento, acaba a semana a ameaçar banqueiros e alemães. Bernardino Soares que se cuide, pode ter o lugar em risco.



publicado por Francisco Teixeira às 11:49 | link do post | comentar

Eu marimbo-me para os credores, tu marimbas-te para os alemães, ele marimba-se para o FMI, nós marimbamo-nos para o BCE, vós marimbai-vos para os banqueiros, eles estão-se a marimbar para o passado, o presente e o futuro.



publicado por Francisco Teixeira às 09:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011


publicado por Francisco Proença de Carvalho às 15:02 | link do post | comentar

Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011

Sócrates anunciou a 11 de Fevereiro que uma empresa privada ia investir +/- 150 milhões de euros numa fábrica de baterias. Essa empresa privada, que não tinha qualquer contrato com o Estado nem recebeu qualquer contrapartida, desistiu do investimento. Hoje deputados do PS (Basílio Horta e Pedro Nuno Santos), o mesmo partido de Sócrates, criticaram o actual Governo por essa empresa privada ter desistido de um investimento anunciado pelo anterior Governo.

 



publicado por Francisco Teixeira às 19:56 | link do post | comentar | ver comentários (1)

David Cameron foi a Bruxelas com um único objectivo: salvar o Reino Unido. Não foi lá salvar a "Europa", vergar-se à harmonização fiscal, laboral e financeira em marcha, sem sequer estar na moeda única. O mandato dado pelos britânicos é para preservar a centralidade do Parlamento e a natureza política da democracia na ilha. Se ele vergasse ao federalismo de secretaria, só lhe restava pedir a demissão.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:12 | link do post

Vão gozar com a tia. Mas esta malta não sabe fazer contas? Então cortou-se o subsidio de Natal para quê?

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:13 | link do post | comentar

Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2011

Tendo em conta a limitação agressiva que se pretende impor aos deficits públicos na Europa, Portugal tem duas hipóteses: ou reformula totalmente o Estado Social e o seu papel na economia, reduzindo-o ao mínimo indispensável, despedindo funcionários públicos e acabando com a sua função de prestador generalizado de serviços; ou assume que viveremos para sempre sob uma opressão fiscal inimiga do trabalho, da criação de riqueza e do crescimento económico, numa espécie de operação coração dos Portugueses para tentar sustentar um Estado insustentável.



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 14:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 11 de Dezembro de 2011


publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:07 | link do post

Quando me falaram dum vídeo do José Sócrates pensei que era o registo visual duma reunião de pais que o Correio da Manhã relatou aqui há atrasado. Era uma belíssima peça, uma coisa digna de louvor. Num momento de pura inspiração e de aturada investigação, o jornalista relata uma reunião em que o ex-primeiro-ministro comparecia no papel de pai num encontro com outros pais, uma coisa relevante para o interesse público portanto. A tratar de assuntos do filho, claramente assunto para divulgação pública. Aliás, as relações entre pais e filhos e as reuniões entre encarregados de educação devem aparecer escarrapachadas nos jornais. Tema de interesse público e de profundo interesse jornalístico.

Só mesmo um grande jornalista e um grande jornal para relatar tão importante acontecimento.

O que me incomoda é não haver neste país de pelintras ninguém que proponha o autor de tão fantástico trabalho jornalístico para o Pulitzer.

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 05:43 | link do post | comentar

Sábado, 10 de Dezembro de 2011

Como nos diz Evgeny Morazov em The Net Delusion (2011), talvez seja mais interessante colocar as "revoluções 2.0" no seu devido lugar. Elas podem ter impulsos iniciais fortes graças à tecnologia, mas é também através desta que as autocracias põem e dispõem da informação veiculada e incitam à contra-revolução. O determinismo da equação Internet/liberdade mostrou, este ano, existirem motivos para desconfiarmos dele. O cepticismo continua a ser uma virtude analítica.

 

Hoje no Diário de Notícias

 



publicado por Bernardo Pires de Lima às 13:27 | link do post

Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2011

A 17 de Maio de 2010, antes do agravar da crise do euro, do resgate da Irlanda e Portugal, antes da queda dos governos italiano, espanhol, grego, irlandês e português...Antes de tudo isto ouvi Luís Amado, então ministro de Estado do PS, dizer o óbvio: Temos de limitar o défice na constituição. António José Seguro deveria (re)ler esta entrevista.



publicado por Francisco Teixeira às 19:04 | link do post | comentar

Quinta-feira, 8 de Dezembro de 2011

Os BRIC, invenção da Goldman Sachs em 2003, incluíam a Rússia criando-lhe também uma ilusão, comparando-a com China, Índia e Brasil. Hoje, os russos e Putin estão a pagar essa fantasia.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:57 | link do post

Quarta-feira, 7 de Dezembro de 2011

Estudei numa escola primária na zona mais rural do concelho de Sintra, em São João das Lampas*. Nos intervalos jogávamos à macaca, saltávamos à corda ou jogávamos futebol. Hoje a conversa é outra. Até há quem diga que as crianças adultas jogam à dívida....

 

* Lampas e não lâmpadas!

 



publicado por Francisco Teixeira às 21:49 | link do post | comentar | ver comentários (4)

Public-sector cutbacks today do not solve the problem of yesterday’s profligacy; they simply push economies into deeper recessions. Europe’s leaders know this. They know that growth is needed. But, rather than deal with today’s problems and find a formula for growth, they prefer to deliver homilies about what some previous government should have done. This may be satisfying for the sermonizer, but it won’t solve Europe’s problems – and it won’t save the euro. 



publicado por Pedro Marques Lopes às 00:52 | link do post | comentar

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds