Sexta-feira, 2 de Novembro de 2012

Está tudo vidrado na Casa Branca, mas a eleição para o Congresso é tão ou mais decisiva. Basta olhar para os dois últimos anos para percebermos como pode uma administração ficar atada nos meios (financeiros) e objetivos (políticas). Daqui a quatro dias, toda a Câmara dos Representantes e um terço do Senado vão a votos. E o mais provável é que as maiorias se mantenham divididas, o que complica a ação do executivo, qualquer que ele seja. A discussão do orçamento vai ser azeda, o debate mais polarizado, os impostos e cortes na despesa (do Pentágono, por ex.) alvo de combates épicos. O país pode voltar à beira do abismo: na eminência de não ter um orçamento aprovado ou paralisado nas suas funções essenciais. A força do sistema político americano não está na mão forte do seu presidente: vive da separação de poderes, de um interface constitucional incontestado e da legitimidade localista de cada um dos membros do Congresso. A carneirada partidária existe quando não colide com os interesses da circunscrição representada. Quando isso acontece, o presidente que se cuide.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:00 | link do post

Quinta-feira, 1 de Novembro de 2012


publicado por Bernardo Pires de Lima às 19:03 | link do post

Clint Eastwood, Sylvester Stallone e Kid Rock estão com Romney. Beyoncé, Oprah e George Clooney apoiam Obama. Que importância tem isto para o eleitorado? Uns, não sendo surpresa, ajudam a segurar apoiantes. Outros são fonte de angariação de fundos (só Clooney conseguiu 15 milhões) e de influência televisiva ou no Twitter (estudo da Kellogg School diz que Oprah trouxe um milhão de votos para Obama em 2008). Mas decidem as presidenciais? Evidente que não. E o apoio dos jornais? O rol de endorsements faz parte do puzzle de influência eleitoral que nenhuma campanha enjeita. De há quatro anos para cá, nenhum editorial passou de apoiante republicano para Obama, mas dois fizeram via inversa, logo num par de swing states: o Des Moines Register (Iowa), cujo último apoio republicano foi a Nixon em 1972, e o Orlando Sentinel (Florida). Não decidem no plano nacional, mas exprimem argumentos pausadamente lidos e trabalhados localmente. E isso pode decidir lugares no Congresso, a corrida paralela de que ninguém fala.

 

Hoje no Diário de Notícias



publicado por Bernardo Pires de Lima às 09:21 | link do post | comentar

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds