Segunda-feira, 31 de Maio de 2010

Ser forte em casa, para ser mais forte no exterior. É este o mote da Estratégia de Segurança Nacional de Barack Obama e pretende articular as várias dimensões do poder norte-americano para uma melhor acção externa do país. Primeira ideia a fixar: a crise económica (dimensão interna) é uma ameaça à influência internacional dos EUA e à sua capacidade para projectar poder nas diversas regiões onde os seus interesses se jogam. Ou seja, tal como o 11 de Setembro marcou a Administração Bush e motivou o desenho da sua doutrina estratégica, a crise económica e financeira marca o tempo e o modo de actuação da actual Administração. Neste quadro, Bush tentou alterar o status quo internacional através do hard power, enquanto Obama se adapta ao mundo que encontrou, procurando liderá-lo com mais e melhor soft power. Mas há mais na actual estratégia da Casa Branca.

 

A doutrina Bush - "guerra preventiva", "guerra global ao terror", "exportação da democracia" - é abandonada nesses termos, uma distância necessária ao projecto de Obama e que ocupa definitivamente estes seus primeiros 16 meses de presidência. No entanto, a sua doutrina passa por distinguir uma "campanha global" contra a Al-Qaeda de uma "guerra global contra uma táctica" (terrorismo) ou "contra uma religião" (Islão). Isto faz toda a diferença e revela o benefício de olhar com distância sobre os acontecimentos de 2001, como os efeitos perversos da frágil sofisticação política e militar da Administração Bush. Mais, se o modelo de Bush tentou ser de "exportação democrática", o de Obama quer ser de "boas-vindas aos movimentos democráticos e de apoio às instituições nas frágeis democracias". Não há nada como o senso político para dizer praticamente o mesmo com palavras que parecem música aos nossos ouvidos.

 

Mas é sobretudo no mapa global que esta doutrina se quer impor: deixou de ser possível continuar a liderar a ordem internacional sem aceitar o estatuto de outras potências, co-responsabilizando-as na resolução dos problemas. Se Bush não soube como acomodá-las, Obama parece confortável com o G20 e com as alianças tradicionais, com a busca de consensos que impõe maior protagonismo à diplomacia e menos às Forças Armadas. Mas ele também sabe que o seu approach exige a pujança militar e económica da América para chegar a resultados diplomáticos. Os seus dramas serão os imponderáveis (desastre natural no golfo do México) ou graves crises a que terá de acudir (Irão). Para isso não chegam doutrinas sofisticadas. É na bravura e equidade das acções que ele será avaliado. E em breve.

 

Hoje no DN



publicado por Bernardo Pires de Lima às 12:20 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds