Quinta-feira, 15 de Julho de 2010

Podemos olhar para o caso entre turcos e israelitas ao largo da Faixa de Gaza de duas maneiras: vendo o episódio mediático, o facto que abre noticiários, o evento que pede um directo televisivo; ou tentando perceber por que é que os factos ocorreram de uma certa maneira e os Estados assumiram posturas anteriormente não testadas.

 

Os factos incluíam condimentos facilmente incendiáveis: navios a furar bloqueios, intervenção militar, armas a bordo, mortos e feridos, filmagens e relatos de activistas, choque e condenação nas opiniões públicas, declarações políticas ásperas e choques diplomáticos entre aliados. Bastaria tudo isto para desencadear um conflito rápido, com consequências gravíssimas para todo o Médio Oriente. Bastaria, mas não aconteceu. Importa tentar perceber porquê.

 

Primeiro, vale a pena ter em conta o timing da acção turca. Dependente dos humores de Paris e de Berlim para acelerar a adesão à União, Ancara optou por inverter este rumo por um instante: autonomiza a acção externa e dota-se de potencial político, militar, económico e cultural no Médio Oriente, acabando por provar ser mais importante para os europeus do que nunca. Por outras palavras, a Turquia dá um aparente passo atrás para poder dar dois à frente no processo de adesão e, com isso, diz às potências europeias que não passam disso mesmo: actores regionais com influência cada vez mais reduzida no plano extra-europeu.

 

Segundo, a Turquia optou por elevar o seu estatuto no Médio Oriente, confrontando um aliado, Israel. Faz sentido por três razões: deposita em si um sentimento comum na região, e ao imoralizar as acções de Telavive torna-se o agente moral na região; o AKP, no poder, conquista as ruas turcas no despique com os secularistas; assume que o comércio com os países da Liga Árabe representa trinta vezes mais do que o mantido com Israel e, por isso, a escolha, a existir, é óbvia. Daqui também resulta um aviso aos europeus: para vingarem economicamente no Médio Oriente terão de ter em conta a preponderância de Ancara.

 

Terceiro, o conflito não ocorre porque ainda há líderes que pensam a política externa com a lente realista. Para a Turquia, elevar a confrontação com Israel já lhe permitiu na região suficientes ganhos políticos que dispensam o recurso à força. Sabem perfeitamente que isso implicaria perder os EUA do seu campo de alianças e fritar em lume brando a paciência dos europeus que se dividiriam nos apoios. Para Israel, menos controlados e em gestão de esforço, permitiu ver com quem podem contar e sobretudo até onde podem hoje em dia ir. Acreditem que todos os envolvidos num caso entretanto sumido dos noticiários vão ter algumas destas variáveis em mente quando em breve voltarem a jogar cartadas fortes em defesa do sempre terrível interesse nacional. A velha política internacional está de regresso.

 

Hoje no DN



publicado por Bernardo Pires de Lima às 14:26 | link do post | comentar

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds