Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

Fico sempre para o encanitado quando, a propósito ou sem propósito, um qualquer entrevistador pergunta a um cidadão porque é que joga golf.

 

Já em si própria a questão é irritante. Por muito que puxe pela memória não me lembro de ver ninguém perguntar a um tipo que gosta de jogar futebol, xadrez, chinquilho, hóquei em patins ou outro jogo qualquer, porque é que o pratica.  Mas o que me faz mesmo perder a cabeça é o tom com que a pergunta é feita.

A coisa é sempre posta como se fosse preciso um acontecimento extraordinário para levar um homem ou uma mulher a jogar golf. Dá a ideia que o perguntador espera que nós digamos que foi uma espécie de revelação, uma epifania ou então que batemos com a cabeça em alguma coisa.

 

Recordo-me de ter respondido, quando me fizeram a peregrina pergunta, que não era preciso nenhuma razão especial para começar a jogar, que se começa a praticar o jogo como se inicia uma outra qualquer actividade. Aí, com um sorrisinho irónico, o jornalista resolveu contestar dizendo que não era bem assim. Segundo ele, não era muito normal pegar nuns tacos e numa bolinha e tentá-la meter num buraco pequenito a umas centenas de metros de distância. Pois claro, normal, normal, é um tipo calçar uns sapatos com rodinhas, pegar num bocado de madeira e tentar meter uma bola numa baliza onde está um tipo vestido de astronauta. Também não há a quem não apeteça atirar uma bola enorme para um cesto de papéis colocado a metros de altura ou vestir um robe e começar a gritar yaaaaas enquanto tenta atirar um outro cavalheiro ao chão.

 

Não me custa nada entender as pessoas que acham estes desportos fantásticos, e tenho a certeza que são capazes de tecer os mais rasgados elogios a essas actividades. Eu é mais golf.

 

Era capaz de perder umas horas a explicar a minha paixão pelo jogo e todas as lições que me tem dado, mas da próxima vez que me questionarem porque jogo, vou responder: comece a jogar, e daqui a dois anos veja lá se tem vontade de me fazer a mesma pergunta.

 

Para a Golfe Magazine de Outubro



publicado por Pedro Marques Lopes às 12:11 | link do post | comentar

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds