Sexta-feira, 1 de Abril de 2011

Face à saturação em que o país se encontra, o PSD já podia e devia ter ganho as eleições em 2009 e tem a faca e o queijo na mão para ganhar as próximas. E não é com um resultado apertado, mas sim com uma maioria absoluta claríssima. No entanto, tal só poderá acontecer se não se repetirem os erros de 2009, ou seja, a campanha não pode ser centrada na pessoa de Sócrates. Também não pode ser obcecada pelo passado ou pela questão de que os Portugueses já estão saturados: “De quem é a culpa da crise ou da entrada do FMI?”. Esse é o jogo que o PS quer jogar.

A crise instalada em Portugal parece, pelo menos, estar a ter o efeito de fazer os Portugueses entenderem a realidade. E a realidade é a falência do Estado enquanto paizinho que nos acode a todo o momento; é a falência do Estado Social como nós o conhecemos; é a falência do modelo empresarial do Estado, onde proliferam empresas públicas mal geridas, viciadas por interesses instalados e dominadas por sindicatos irresponsáveis do século passado. Acabou-se! Já não há mais dinheiro para isso! E hoje os Portugueses não têm outro remédio senão entenderem isto.

Portanto, a discussão eleitoral não pode ser entre Sócrates vs Passos, socialismo vs liberalismo. A discussão é apenas entre ilusão vs realidade.

 

* post também publicado no 31 da Armada



publicado por Francisco Proença de Carvalho às 16:09 | link do post | comentar

1 comentário:
De David Mota a 3 de Abril de 2011 às 10:40
Ola Francisco, apesar de ser socialista convicto, e de respeitar a sua visao opiniao , nao deixo de concordar consigo apenas num ponto que refere:
"A crise instalada em Portugal parece, pelo menos, estar a ter o efeito de fazer os Portugueses entenderem a realidade. E a realidade é a falência do Estado enquanto paizinho que nos acode a todo o momento; é a falência do Estado Social como nós o conhecemos; é a falência do modelo empresarial do Estado, onde proliferam empresas públicas mal geridas, viciadas por interesses instalados e dominadas por sindicatos irresponsáveis do século passado. Acabou-se! Já não há mais dinheiro para isso! E hoje os Portugueses não têm outro remédio senão entenderem isto."

Concordo totalmente com o que disse, e acima de tudo, esta campanha (que vai fazer gastar dinheiro de todos) tem de ser feita por ambos os partidos vocacionadas nas accoes e soluçoes e nao apenas nos ataques pessoais. Isso sim descredibiliza mais a classe politica mas tambem acentua mais os valores da abstençao.

http://umavisaoo.blogspot.com/

Uma abraço


Comentar post

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds