Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012

Francisco, por, com certeza, lapso de memória esqueceste-te de duas coisas.

Primeiro, não é a mesma coisa ser dono duma empresa privada e gerir uma empresa pública. Uma empresa privada é dos donos, uma empresa pública não é do Governo e muito menos propriedade de quem conjunturalmente tem um dado pelouro. Mais a mais, como bem sabes, os órgãos de comunicação social têm um estatuto especial, independência editorial e tudo o mais que também conheces perfeitamente. Mas como não andamos propriamente a dormir sabemos que nas empresas privadas, digamos, outros valores se levantam...

No sector público a coisa muda de figura. A lei prescreve de forma clara a sua independência e atribui-lhe grande importância (não vamos discutir se está certo ou errado). Ora, sabendo que o Governo não é dono da RDP ou da RTP e que deve zelar por essa independência não entendo o que queres dizer com não se poder dizer mal do dono. Será que defendes que nos espaços de opinião de órgãos de comunicação do Estado não se pode dar uma opinião livre? Ou que seja livre desde que não se diga mal do governo?

Segundo, I got news for you: nem a RTP nem a RDP vão ser privatizadas. A RTP vai apenas vender um canal e a RDP nem isso. Será que defendes que estas estações devem ser uma espécie de porta voz dos governos? Estou certo que não.

Bem sei, a realidade tem sido essa. De facto, todos os Governos, uns mais outros menos, têm tratado os órgãos de comunicação social do Estado, e não só, como se fossem donos deles. Mas a questão é se estamos dispostos a aceitar isso, se passamos a achar normal que alguém seja despedido duma rádio ou televisão pública por delito de opinião.

Quanto aos privados, deixa-me dar-te a minha opinião e a minha experiência pessoal. Nunca me senti constrangido, nem pressionado. Já disse coisas desagradáveis sobre as empresas que me pagam e nunca me disseram nada, mas aceitaria que me dispensassem se achassem que eu ia contra o que elas pensam ser os seus interesses. Faz parte do jogo. Quem não quer ser lobo não lhe veste a pele, e quem vende a sua opinião a uma empresa que se guia pelo critério do lucro está sujeito a isso. Por outro lado, ou valemos pelo que dizemos ou escrevemos, ou nunca passaremos de fantoches, bonecos que as pessoas já sabem o que vão dizer. Mas isso já é outra história.



publicado por Pedro Marques Lopes às 17:18 | link do post | comentar

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds