Domingo, 18 de Março de 2012

Já aqui disse por mais de uma vez que não sou frequentador de "redes sociais". Não tenho facebook nem conta no twitter. Conta só no banco e books só nas prateleiras cá de casa. Quando quero socializar recorro a métodos em total desuso e for de moda, como ligar a alguém, mandar um email e falar pessoalmente. Pode ser ao almoço, um simples café ou uma boa jantarada. Pode ser cá em casa, claro. Também não ando à caça de gente que não vejo há vinte anos, porque se eles fossem meus amigos não estávamos de certeza vinte anos sem nos falarmos. Conheço pessoalmente todos os meus amigos e amigas de há vinte anos e não quero engrossar a grupeta, obrigado. Vem isto a propósito do quê, que já não me lembro? Isso, do recurso permanente ao email para coisas de trabalho. Noto, desde que isto se tornou para mim uma ferramente imprescindível, que há uma crónica diferença entre o receptor tuga e, digamos, o receptor estrangeiro. Quando se envia um email a um académico, um cronista, um "gajo de alfama" qualquer americano, italiano, inglês, japonês ou o que seja, poucas horas depois há uma resposta na nossa caixa. "Sim", "não", "penso isto", "faça aquilo", "discordo", "concordo". É fácil chegar a qualquer tipo e conversar com ele. Já falei horas ao telefone com um autor americano que admiro depois de ele, simpaticamente, ter sugerido que por email dava demasiado trabalho. E um tuga, como é? Não é. Não responde. Não dá sinal de vida. Nunca tem tempo, nunca tem posição, não está para isso nem para nada. Estou obviamente a caricaturar, há excepções. Mas nota-se no trato. Na feitura do próprio email. Escreve-se um email a um yankee e a coisa vai educadamente simples. Envia-se a um tuga bem posicionado e perde-se uma tarde a pensar em cada linha, no cerimonial, na fórmula mágica de lhe chamar a atenção. Há uma arrogância de pacotilha, uma passadeira vermelha prévia a qualquer contacto. É triste, mas ainda é muito assim.



publicado por Bernardo Pires de Lima às 18:59 | link do post

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds