Quarta-feira, 15 de Agosto de 2012
O que disse o PM? É candidato em 2015, a curva da economa inverte em 2013 e acabou o bar aberto porque dava gozo a poucos e ressaca a demasiados.


publicado por Francisco Teixeira às 00:11 | link do post | comentar

8 comentários:
De Anónimo a 15 de Agosto de 2012 às 08:40
sim, o bar fechou-se, mas para os pobres e para a classe média, pois manteve-se aberto para os amigos, os boys, da blogosfera ou das festas das jotas, que ganham balúrdios só por fazerem fretes nos blogues...


De Francisco Teixeira a 15 de Agosto de 2012 às 09:46
nao sei do que fala um desconhecido. mas pode sempre fazer uma queixa anónima se além de lama soub de factos


De antonio ribeiro a 16 de Agosto de 2012 às 00:42
Coitado do francisco. Durante o dia vê programas de tv tipo "as omeletes que passaram a constituir record do guiness". à noite está no gambrinus ou similar.
Tal como disse o passos, ele, francisco, no que é essencial cumpre!
António ribeiro


De Miguel Eugenio a 15 de Agosto de 2012 às 13:15
Enquanto o arroz cozia, o PM dedicou-se a reforçar o discurso moralista e frugal (para os outros porque as listas de boys com subsídios de férias e Natal e outras mordomias, vai lá vai), a prognosticar infundadamente o início da recuperação económica para 2013 (quando já tinha feito semelhante promessa para o corrente ano - aliás lembram-se que bastava que o novel parisiense libertasse a poltrona e se cortassem umas “gorduras” e tal para alcançar tal desiderato) e a informar-nos que o número inesperado (?) de desempregados se deve exclusivamente ao "regabofe" despesista do passado porque a austeridade musculada imposta nos últimos tempos em nada contribuiu. Pelo contrário, foi geradora de imensas oportunidades para as pessoas mudarem de vida ou se tornarem empresários com o capital de que não dispõem e que ninguém lhes empresta. Aproveitou ainda para graciosamente nos informar que a prometida recuperação será baseada em mais austeridade forçosamente regeneradora e inerentemente necessária e sã. Como culminar da sua gostosa intervenção teve a delicadeza de nos dizer que será através da sua maviosa voz que saberemos quais as medidas que compensarão a desfaçatez daqueles perigosos esquerdistas antipatriotas do Tribunal Constitucional que ensandecidos, insistem em fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa. Ficámos mais convictos da sua determinação em cumprir todas as metas acordadas e em efectuar o programa de desvalorização interna a que estamos comprometidos, ainda para isso se destrua o que resta do nosso poder de compra, da nossa estrutura produtiva e consequentemente da nossa débil economia. E tudo porquê? Porque “não há alternativa”, segundo a sua minguada visão e dos que como ele beberam da água tóxica de Chicago, servida por agentes da oligarquia como Milton Freeman e Lugwig von Mises. Parece que até Madame Lagarde, fez curas de desintoxicação de tais venenos com água Perrier que carrega amiudadamente no seu Louis Vitton. Mas isso ainda cá não chegou. Levamos sempre tempo a copiar as modas de Paris.
Foi portanto um discurso carregado de fé (e por consequência esvaziado de razão) e de um optimismo infundado e ofensivo que tanto gostava de criticar no seu antecessor. Deve ser algo pegadiço que se apanha nas cadeiras de S. Bento. Na minha humilde opinião como discurso político mobilizador foi um rotundo fracasso - como aliás se pode comprovar pelo reduzido entusiasmo dos seus correligionários. Já como peça de stand up comedy esteve em excelente plano. Espero pelo menos que o arroz estivesse bom…


De Kruzes a 15 de Agosto de 2012 às 16:34
Boa síntese. Por mim desconfio que nunca das três se vai concretizar... Mas isso sou eu que já começo a achar o PPC igual ao outro que lá esteve antes.


De Anónimo a 15 de Agosto de 2012 às 21:16
A tradução do discurso é mais ou menos esta http://aspirinab.com/valupi/passos-traduzido/ se bem que o seu colega de blog Marques Lopes também sumariou lindamente. Ah e em relação a bloggers que tal se está na AICEP?


De Francisco Teixeira a 16 de Agosto de 2012 às 15:39
E no Parlamento na bancada da oposição a enviar piropos na penúltima fila?


De Anónimo a 16 de Agosto de 2012 às 18:07
Caro Francisco errou o tiro. Não sou, não fui de partido algum, nem tenho qualquer tipo de ligação partidária ou beneficie de qualquer tipo de migalha ou similar que cai-se da mesa do orçamento. Para mim os partidos do Bloco Central merecem-se um ao outro. Portugal esse não merece a rifa que lhe saiu, mas os cidadãos também andaram dormentes.
Apenas, dentro da crise geral, me apraz ver quem antes se acirrava com determinadas políticas e comportamentos, agora assobiar para o lado ou até tentar fazer spin (péssimo diga-se, Alastair Campbell ou Karl Rove ficariam horrorizados com a qualidade do material produzido) do que constitui política económica suicida, cumprida de forma abnegada.


Comentar post

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds