Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012

Quando me fazem aqueles interessantíssimos inquéritos de verão, onde se parte do princípio que alguém está interessado em saber os meus gostos culinários, os livros que estou a ler ou se preferia ir jantar com a Selma Hayek ou o António José Seguro, ás vezes vem uma pergunta assim mais a atirar para o sofisticado. No último que respondi perguntavam-me se eu era conservador.

Confesso que perco tanto tempo a pensar se sou conservador ou liberal como o que gasto a reflectir se sou de esquerda ou de direita. Como bom preguiçoso deixo esse trabalho a quem me ouve ou lê e tem a pachorra de pôr as minhas opiniões num qualquer aparelho que depois informa de que cor são as minhas ideias.

Bom, desta vez perdi uns minutos a pensar e, pronto, não há nada a fazer: sou conservador.

Podia dizer que cheguei a esta conclusão que deixava até agora, com certeza, milhões de pessoas inquietas, mergulhadas na dúvida sobre a minha personalidade,  através duma reflexão profunda sobre o mundo e os meus valores. Pensamentos do tipo “para as coisas terem sido duma determinada maneira durante tanto tempo existiriam com certeza boas razões para assim serem”, muita leitura de  Burke e outros pensadores que tais. Mas não, o que me iluminou foi a minha relação com os chinelos, agora conhecidos como hawaianas (provavelmente o nome mais idiota que se podia dar aos chinelos de meter o dedo, apesar de eu ter de reconhecer que qualquer termo com “meter o dedo” não será propriamente comercial).

O conservador é o que começa a andar de chinelos quando a moda já são os paez. Para quem não saiba os paez são uns sapatitos de pano que agora andam nos pés dos que dantes andavam de chinelos, os rapazes que estão sempre na moda.

Andei anos a fio a recusar-me a calçar chinelos utilizando argumentos duma racionalidade imbatível tipo “tenho uns pés feios”, até ao também muito defensável “essas coisas horríveis que têm banda sonora e tudo” (o chlep, chlep ainda me incomoda, admito). Quando adiro e realizo a vantagem dos ditos, pimba, saem de moda. É que nem vale a pena explicar o disparate que é no pico de Agosto um cidadão andar de pés entrapados, nem explicar o cheiro que aquelas coisas devem produzir depois duma caminhada de cinco minutos.

Isto está-me sempre a acontecer. Eu sou o tipo que delira com uma música quando já ninguém a ouve, o que fala dum filme que já toda a gente foi ver há meses, que aconselha livros que já vão na centésima edição.

Se calhar havia melhores termos para definir esta minha característica, mas, que diabo, conservador dá um certo panache e está sempre na moda.


crónica publicada na revista Life de Novembro

 

 

 



publicado por Pedro Marques Lopes às 19:31 | link do post

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

posts recentes

"Não há bem que sempre du...

Não gosto de despedidas, ...

Au revoir

Fim

A questão alemã (II)

Dizia Amaro da Costa com ...

Razão e ambição

Autopunição

A Constituição

Sonho eterno

arquivos

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

bernardo pires de lima

bpn

cavaco

francisco proença de carvalho

francisco teixeira

nato

pedro marques lopes

presidenciais

ui

uniao de facto

todas as tags

subscrever feeds